Últimas

Sábado, 28 de Abril de 2007, 12h:21 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Opção madura e responsável

     A consolidação de alianças sociais e políticas é um balizador da práxis do Partido dos Trabalhadores, consagrada em seu programa e estatutos desde sua fundação, em 1979. Reafirmado ao longo dos 27 anos de atuação, responde - em grande medida -, por sua inserção no movimento social, na opinião pública e no resultado eleitoral crescente.
     Os avanços e projetos que propomos ao Brasil e ao povo brasileiro são tarefas de um conjunto de forças sociais e políticas na visão do nosso partido. Aliás, é da natureza do PT a descrença no totalitarismo, no partido único, no governo monocrático. Constituímos um partido comprometido com a democracia representativa, com a liberdade, com a diversidade.
     Esses conceitos norteiam a nossa práxis política contemporânea, formam uma orientação madura e responsável para conduzir o governo que lideramos, e justifica nosso exercício no poder central do Brasil.
     O segundo mandato do presidente Lula é sustentado por uma coalizão de partidos. O governo federal não é exclusivo do PT, mas desse conjunto de forças da representação social real da sociedade brasileira, cujo amálgama é a aliança fundamental com a maioria do povo brasileiro.
     À exceção do PFL (Democratas), do PSDB e do PPS, os demais segmentos aderiram espontaneamente ao projeto de desenvolvimento econômico e social para o Brasil, deram sua contribuição para a incomparável vitória de Lula no 1º e no 2º turnos e são co-responsáveis pelo governo.
     Fortalecer a coalizão é construí-la, também, a partir das bases regionais e locais, com seus limites e capacidades e peculiares. Sem precipitações de entusiasmo ou ufanismo. Exige diálogo, reciprocidade, confiança, equilíbrio na solução de conflitos.
     O Diretório Regional do PT de Mato Grosso compreende a densidade deste momento político novo. No dia 10 de março passado, indicou o apoio parlamentar e a abertura de canais formais de diálogo do PT com o governador a fim de buscar as convergências para o melhor êxito das políticas públicas de largo alcance social - como o Programa de Desenvolvimento da Educação - e dos investimentos estruturantes do PAC.
     A consolidação de alianças sociais e políticas é um balizador da práxis do Partido dos Trabalhadores, consagrada em seu programa e estatutos desde sua fundação, em 1979. Reafirmado ao longo dos 27 anos de atuação, responde - em grande medida -, por sua inserção no movimento social, na opinião pública e no resultado eleitoral crescente.
     Os avanços e projetos que propomos ao Brasil e ao povo brasileiro são tarefas de um conjunto de forças sociais e políticas na visão do nosso partido. Aliás, é da natureza do PT a descrença no totalitarismo, no partido único, no governo monocrático. Constituímos um partido comprometido com a democracia representativa, com a liberdade, com a diversidade.
     Esses conceitos norteiam a nossa práxis política contemporânea, formam uma orientação madura e responsável para conduzir o governo que lideramos, e justifica nosso exercício no poder central do Brasil.
     O segundo mandato do presidente Lula é sustentado por uma coalizão de partidos. O governo federal não é exclusivo do PT, mas desse conjunto de forças da representação social real da sociedade brasileira, cujo amálgama é a aliança fundamental com a maioria do povo brasileiro.
     À exceção do PFL (Democratas), do PSDB e do PPS, os demais segmentos aderiram espontaneamente ao projeto de desenvolvimento econômico e social para o Brasil, deram sua contribuição para a incomparável vitória de Lula no 1º e no 2º turnos e são co-responsáveis pelo governo.
     Fortalecer a coalizão é construí-la, também, a partir das bases regionais e locais, com seus limites e capacidades e peculiares. Sem precipitações de entusiasmo ou ufanismo. Exige diálogo, reciprocidade, confiança, equilíbrio na solução de conflitos.
     O Diretório Regional do PT de Mato Grosso compreende a densidade deste momento político novo. No dia 10 de março passado, indicou o apoio parlamentar e a abertura de canais formais de diálogo do PT com o governador a fim de buscar as convergências para o melhor êxito das políticas públicas de largo alcance social - como o Programa de Desenvolvimento da Educação - e dos investimentos estruturantes do PAC.
     Neste contexto, recebemos o convite do governador Blairo Maggi para que o Partido dos Trabalhadores sele com seu governo uma aliança política e administrativa transparente, calcada nos mesmos princípios da aliança nacional. Não é simples adesão. Não apaga nossas diferenças e identidades. Trata-se da valorização das convergências programáticas, no compromisso solidário de honrar as melhores expectativas populares.
     Educação, para o Partido dos Trabalhadores, é prioridade em qualquer projeto político que tenha a nossa participação. Aí temos forte base social organizada, grande acúmulo de formulação, influência e gestão. Não é produto do acaso que a Senadora Serys, a Deputada Verinha e eu mesmo sejamos sujeitos de reconhecimento público.
     Confiar ao PT a gestão da educação demonstra que esta aliança é desafiadora. Tem de ser vigorosa e estratégica. Não é mera ação de governabilidade.
   

CARLOS ABICALIL é deputado federal por Mato Grosso

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

3 ex-prefeitos se juntam em Poconé

meire pocone 400 curtinha   Em Poconé, o prefeito Tatá Amaral, filiado ao DEM do governador Mauro e apoiado pelo ex-federal Fábio Garcia, está disposto a buscar a reeleição, mesmo com uma gestão pífia, isolado politicamente e com alto índice de rejeição. Enquanto isso, as...

Máquinas para reciclar garrafas pets

maquina 400 curtinha   Sob iniciativa da secretaria de Inovação e Comunicação da Capital, dentro dos projetos que buscam a sustentabilidade, a prefeitura vai colocar máquinas de reciclagem de garrafas pets em 15 pontos da cidade e com possibilidade de ampliar os locais de recolhimento. Em troca, o cidadão...

4 fora da reeleição em Rondonópolis

jailton 400 vereador curtinha   Em Rondonópolis, quatro dos 21 vereadores não devem ir à reeleição, sendo eles Thiago Muniz (DEM), Rodrigo da Zaeli (PSDB), Hélio Pichioni (PSD) e Jailton do Pesque e Pague (foto), do PSDB. Thiago e Rodrigo têm esperanças de concorrer a...

Prefeito apoia vice à briga em Cáceres

eliene liberato 400 curtinha   Francis Maris vai mesmo declarar apoio oficial à pré-candidatura da empresária Eliene Liberato à sucessão em Cáceres. Em público, o prefeito faz mistério para não contrariar outros pretensos candidatos do grupo e que têm esperanças de receber...

Preparando um dos aliados a federal

mauro carvalho 400 curtinha   Embora não comente publicamente, o governador Mauro Mendes está "costurando" acordos políticos com líderes mais próximos, visando não só o pleito de 2020, mas também às eleições gerais de 2022. Em época de busca de projetos e de...

Salvando 1º ano de mandato no cargo

selma arruda 400 curtinha   Embora "sangrando" e com a imagem arranhada, a juíza aposentada e senadora cassada pelo TRE-MT Selma Arruda, que trocou o PSL pelo Podemos, consegue concluir este primeiro de oito anos de mandato. E vai se licenciar nos próximos dias para ceder espaço aquele que financiou a sua campanha,...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Como você avalia a decisão do Supremo de suspender prisão imediata após julgamento em segunda instância?

Concordo

Discordo

Tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.