Últimas

Sexta-Feira, 29 de Junho de 2007, 09h:03 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:16

Artigo

Os fundos de direitos da criança e do adolescente

     Por diversas vezes se ouve falar que os atos infracionais cometidos por crianças e adolescentes não são suficientemente punidos pela nossa legislação, pois o seu estatuto, que é a Lei Federal 8.069/90, lhes dá muita proteção e os incentiva para a reiteração de tais condutas. Essa afirmativa, que se coloca como senso comum na nossa sociedade, sempre ganha maior força quando a imprensa noticia algum crime grave cometido por essa categoria diferenciada, com são os casos de roubo, homicídio, latrocínio, estupro, etc. A parti daí, começam as pregações oportunistas contra a referida lei e ganham alento os discursos imediatistas em prol da diminuição da idade penal, como se isso pudesse resolver o problema.
     Não são válidos esses argumentos e movimentações, pois o estatuto é uma lei completa. No entanto, não se encontra devidamente implantado, é mal utilizado e pouco conhecido pelos entes federativos e diversos setores sociais. De igual forma, o aumento da idade penal é apenas um paliativo, maquiador do problema, que ataca o resultado e não a sua causa. Antes de tudo, é necessário a criação e o investimento nos projetos e programas sociais para atender a criança, o adolescente e suas famílias. Para que isso ocorra, além de vontade política, é preciso de dinheiro. Dinheiro que, segundo afirmam os respectivos chefes de poder de cada esfera, a União, os estados, o Distrito Federal e os municípios não têm para aplicar, pelo menos nos valores considerados razoáveis para implementação de tais práticas salutares. Para essa falta material de recursos, o criticado estatuto indica em seus regramentos (art. 260) que as pessoas físicas e jurídicas podem contribuir com os fundos dos direitos da criança e do adolescente, destinando parte dos valores devidos a título de imposto de renda.
     A empresa tributada pelo lucro real pode receber redução integral do valor doado até 1% do imposto devido a receita federal, enquanto que a pessoa física pode doar e deduzir integralmente até 6% do imposto a ser pago. Poucas pessoas sabem dessa possibilidade de suporte financeiro às causas da infância e juventude e não há uma política mais forte de divulgação para chamar a atenção dos segmentos sociais produtivos, esclarecendo-lhes sobre as suas responsabilidades sociais e pedindo suas participações. Assim sendo, não custa fazer essa divulgação, a fim de que os Conselhos de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente, que são órgãos deliberativos e controladores das políticas de atendimento nos níveis federal, estadual e municipal, ao gerirem os fundos respectivos, tenham mais condições de fomentar os projetos e programas existentes com os recursos financeiros a serem obtidos.
     Não se deve esquecer que esses Conselhos possuem formação colegiada, onde participam pessoas indicadas pelo governo e pelas entidades componentes da sociedade civil organizada, os quais têm o dever de cobrar do poder público a implementação de uma política efetiva em benefício da criança e do adolescente, tendo em vista os princípios constitucional e estatutário da proteção integral. O que não pode ocorrer é o aporte de recursos com as doações solicitadas e faltarem projetos e programas sociais de atendimento aprovados pelo Conselho, pois ocorrerão duas situações negativas a serem imediatamente corrigidas: primeiro, a não utilização dos fundos em toda a sua potencialidade, e segundo, o imobilismo pela falta de ações sociais aprovadas pelo órgão competente. Os Conselhos devem ter papel preponderante na operacionalização e execução do fundo, uma vez que se trata de meio fundamental para o cumprimento do Estatuto da Criança e do Adolescente, e sem o suporte orçamentário os princípios e direitos nele consagrados não vão passar de louváveis intenções.

Antônio Horácio da Silva Neto é presidente da Associação Mato-grossense de Magistrados (Amam). E-mail: ahsneto@terra.com.br

 

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Misael nem espera janela e sai do PSB

misael partido 400 curtinha   Misael Galvão (foto), presidente da Câmara de Cuiabá, nem esperou chegar a janela partidária de março para oficializar a saída do PSB, onde esteve filiado por três anos. Para não colocar o mandato em risco, o parlamentar consultou a Justiça Eleitoral e obteve...

TCE-MT aprova e elogia gestão Binotti

binotti 400 curtinha   O conselheiro interino do TCE, Isaías Lopes, rasgou elogios ao primeiro ano de mandato do prefeito e empresário Luiz Binotti (foto), de Lucas do Rio Verde. Relator das contas do exercício de 2018 da prefeitura, com aprovação unânime pelo Pleno, Isaías destacou que os resultados...

Primavera fará 4 intervenções na BR

leonardo 400 curtinha   Com recursos próprios, a Prefeitura de Primavera do Leste fará quatro intervenções na BR-070, no perímetro urbano, com readaptação e construção de trevos para ajustar o trânsito a uma nova e moderna realidade do município com quase 100 mil...

Vice do DEM-Cuiabá elogia gestão EP

joao celestino 400 curtinha   O advogado João Celestino (foto), vice-presidente da comissão provisória do DEM de Cuiabá e ligado ao senador Jayme Campos, se mostra simpático à gestão Emanuel Pinheiro, do MDB. Aliás, na segunda, Celestino fez uma visita ao prefeito e elogiou a...

Prefeito Beto faz mistério sobre apoio

beto farias 400 curtinha   O prefeito de Barra do Garças, Beto Farias (foto), que está no segundo mandato e com a popularidade em alta, não revela quem apoiará para a disputa à sucessão, nem para aqueles aliados mais próximos. Quando perguntado, o emedebista costuma dizer que não está...

Filho de ex-prefeito, enfim, é cassado

thomaz 400 curtinha   Quase dois anos depois de cassado, enfim, o vereador tucano de Chapada dos Guimarães, Thomas Jefferson Xavier (foto), deixa efetivamente o cargo. O juiz Ramon Fagundes Botelho, da 34ª Zona Eleitoral, determinou, em decisão da última quinta (7), que a presidência da Câmara convoque de...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Como você avalia a decisão do Supremo de suspender prisão imediata após julgamento em segunda instância?

Concordo

Discordo

Tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.