Últimas

Sexta-Feira, 29 de Junho de 2007, 09h:03 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:16

Artigo

Os fundos de direitos da criança e do adolescente

     Por diversas vezes se ouve falar que os atos infracionais cometidos por crianças e adolescentes não são suficientemente punidos pela nossa legislação, pois o seu estatuto, que é a Lei Federal 8.069/90, lhes dá muita proteção e os incentiva para a reiteração de tais condutas. Essa afirmativa, que se coloca como senso comum na nossa sociedade, sempre ganha maior força quando a imprensa noticia algum crime grave cometido por essa categoria diferenciada, com são os casos de roubo, homicídio, latrocínio, estupro, etc. A parti daí, começam as pregações oportunistas contra a referida lei e ganham alento os discursos imediatistas em prol da diminuição da idade penal, como se isso pudesse resolver o problema.
     Não são válidos esses argumentos e movimentações, pois o estatuto é uma lei completa. No entanto, não se encontra devidamente implantado, é mal utilizado e pouco conhecido pelos entes federativos e diversos setores sociais. De igual forma, o aumento da idade penal é apenas um paliativo, maquiador do problema, que ataca o resultado e não a sua causa. Antes de tudo, é necessário a criação e o investimento nos projetos e programas sociais para atender a criança, o adolescente e suas famílias. Para que isso ocorra, além de vontade política, é preciso de dinheiro. Dinheiro que, segundo afirmam os respectivos chefes de poder de cada esfera, a União, os estados, o Distrito Federal e os municípios não têm para aplicar, pelo menos nos valores considerados razoáveis para implementação de tais práticas salutares. Para essa falta material de recursos, o criticado estatuto indica em seus regramentos (art. 260) que as pessoas físicas e jurídicas podem contribuir com os fundos dos direitos da criança e do adolescente, destinando parte dos valores devidos a título de imposto de renda.
     A empresa tributada pelo lucro real pode receber redução integral do valor doado até 1% do imposto devido a receita federal, enquanto que a pessoa física pode doar e deduzir integralmente até 6% do imposto a ser pago. Poucas pessoas sabem dessa possibilidade de suporte financeiro às causas da infância e juventude e não há uma política mais forte de divulgação para chamar a atenção dos segmentos sociais produtivos, esclarecendo-lhes sobre as suas responsabilidades sociais e pedindo suas participações. Assim sendo, não custa fazer essa divulgação, a fim de que os Conselhos de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente, que são órgãos deliberativos e controladores das políticas de atendimento nos níveis federal, estadual e municipal, ao gerirem os fundos respectivos, tenham mais condições de fomentar os projetos e programas existentes com os recursos financeiros a serem obtidos.
     Não se deve esquecer que esses Conselhos possuem formação colegiada, onde participam pessoas indicadas pelo governo e pelas entidades componentes da sociedade civil organizada, os quais têm o dever de cobrar do poder público a implementação de uma política efetiva em benefício da criança e do adolescente, tendo em vista os princípios constitucional e estatutário da proteção integral. O que não pode ocorrer é o aporte de recursos com as doações solicitadas e faltarem projetos e programas sociais de atendimento aprovados pelo Conselho, pois ocorrerão duas situações negativas a serem imediatamente corrigidas: primeiro, a não utilização dos fundos em toda a sua potencialidade, e segundo, o imobilismo pela falta de ações sociais aprovadas pelo órgão competente. Os Conselhos devem ter papel preponderante na operacionalização e execução do fundo, uma vez que se trata de meio fundamental para o cumprimento do Estatuto da Criança e do Adolescente, e sem o suporte orçamentário os princípios e direitos nele consagrados não vão passar de louváveis intenções.

Antônio Horácio da Silva Neto é presidente da Associação Mato-grossense de Magistrados (Amam). E-mail: ahsneto@terra.com.br

 

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Secretário, furtos e a incompetência

rodrigo metello 400 curtinha   O secretário de Transporte e Trânsito de Rondonópolis, Rodrigo Metello (foto), filiado ao MDB e pré-candidato a vereador, corre risco de ser acionado na Justiça por centenas de pessoas que tiveram motocicletas apreendidas e que depois acabaram furtadas do Pátio Rondon. O local...

Vereador na base e críticas a Leonardo

leonardo 400 curtinha   Chico 2000, vereador pela Capital, assegura que não procede a informação de que o seu Partido Liberal irá romper com o prefeito Emanuel, não o apoiando à reeleição. Segundo ele, foi Leonardo Oliveira (foto), que participou na quarta de uma reunião do...

Embates sobre a cadeira da discórdia

selma arruda curtinha 400   A cadeira da senadora Selma Arruda (foto), que está cassada há um ano mas, mesmo assim, continua no cargo, vem dividindo opinião de vários líderes políticos, uns torcendo logo para a Mesa do Senado decretar a vacância para Carlos Fávaro assumir a vaga, outros...

PL avisa Chico que não apoiará EP

chico 2000 curtinha   O vereador Chico 2000 (foto), único do PL na Câmara de Cuiabá e governista de carteirinha, se mostrou  desconfortável politicamente quando foi informado nesta quinta que a legenda liberal não vai apoiar a reeleição do prefeito Emanuel, do MDB. O partido é comandado no...

Bolsonarista esperançoso no Patriota

roberto franca curtinha   Roberto França (foto) decidiu fazer uma aposta arriscada com vistas às urnas de outubro. Aos 71 anos, metade deles ocupando cargos eletivos, como de vereador, deputado estadual e federal e prefeito de Cuiabá, ele trocou um partido nanico por outro, do PV para o Patriota. A esperança do...

Ex-vereador abandona rei dos porcos

fernando morais 400 curtinha   Mesmo impedido de ser candidato, já que está inelegível por oito anos, o ex-vereador pela Capital Abílio Júnior segue se articulando politicamente, deixou o PSC e se filiou ao Podemos. Acabou dando de ombros para o empresário Fernando Morais (foto), o "rei dos porcos",...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você concorda com a decisão de prefeitos, que começam a decretar estado de emergência, fechando comércio, serviços públicos e o transporte coletivo?

sim

não

sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.