Últimas

Sexta-Feira, 29 de Junho de 2007, 09h:03 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:16

Artigo

Os fundos de direitos da criança e do adolescente

     Por diversas vezes se ouve falar que os atos infracionais cometidos por crianças e adolescentes não são suficientemente punidos pela nossa legislação, pois o seu estatuto, que é a Lei Federal 8.069/90, lhes dá muita proteção e os incentiva para a reiteração de tais condutas. Essa afirmativa, que se coloca como senso comum na nossa sociedade, sempre ganha maior força quando a imprensa noticia algum crime grave cometido por essa categoria diferenciada, com são os casos de roubo, homicídio, latrocínio, estupro, etc. A parti daí, começam as pregações oportunistas contra a referida lei e ganham alento os discursos imediatistas em prol da diminuição da idade penal, como se isso pudesse resolver o problema.
     Não são válidos esses argumentos e movimentações, pois o estatuto é uma lei completa. No entanto, não se encontra devidamente implantado, é mal utilizado e pouco conhecido pelos entes federativos e diversos setores sociais. De igual forma, o aumento da idade penal é apenas um paliativo, maquiador do problema, que ataca o resultado e não a sua causa. Antes de tudo, é necessário a criação e o investimento nos projetos e programas sociais para atender a criança, o adolescente e suas famílias. Para que isso ocorra, além de vontade política, é preciso de dinheiro. Dinheiro que, segundo afirmam os respectivos chefes de poder de cada esfera, a União, os estados, o Distrito Federal e os municípios não têm para aplicar, pelo menos nos valores considerados razoáveis para implementação de tais práticas salutares. Para essa falta material de recursos, o criticado estatuto indica em seus regramentos (art. 260) que as pessoas físicas e jurídicas podem contribuir com os fundos dos direitos da criança e do adolescente, destinando parte dos valores devidos a título de imposto de renda.
     A empresa tributada pelo lucro real pode receber redução integral do valor doado até 1% do imposto devido a receita federal, enquanto que a pessoa física pode doar e deduzir integralmente até 6% do imposto a ser pago. Poucas pessoas sabem dessa possibilidade de suporte financeiro às causas da infância e juventude e não há uma política mais forte de divulgação para chamar a atenção dos segmentos sociais produtivos, esclarecendo-lhes sobre as suas responsabilidades sociais e pedindo suas participações. Assim sendo, não custa fazer essa divulgação, a fim de que os Conselhos de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente, que são órgãos deliberativos e controladores das políticas de atendimento nos níveis federal, estadual e municipal, ao gerirem os fundos respectivos, tenham mais condições de fomentar os projetos e programas existentes com os recursos financeiros a serem obtidos.
     Não se deve esquecer que esses Conselhos possuem formação colegiada, onde participam pessoas indicadas pelo governo e pelas entidades componentes da sociedade civil organizada, os quais têm o dever de cobrar do poder público a implementação de uma política efetiva em benefício da criança e do adolescente, tendo em vista os princípios constitucional e estatutário da proteção integral. O que não pode ocorrer é o aporte de recursos com as doações solicitadas e faltarem projetos e programas sociais de atendimento aprovados pelo Conselho, pois ocorrerão duas situações negativas a serem imediatamente corrigidas: primeiro, a não utilização dos fundos em toda a sua potencialidade, e segundo, o imobilismo pela falta de ações sociais aprovadas pelo órgão competente. Os Conselhos devem ter papel preponderante na operacionalização e execução do fundo, uma vez que se trata de meio fundamental para o cumprimento do Estatuto da Criança e do Adolescente, e sem o suporte orçamentário os princípios e direitos nele consagrados não vão passar de louváveis intenções.

Antônio Horácio da Silva Neto é presidente da Associação Mato-grossense de Magistrados (Amam). E-mail: ahsneto@terra.com.br

 

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Mauro sofre 2 derrotas para Emanuel

mauro mendes 400 curtinha   Mauro Mendes (foto), principal estrela do DEM em MT, acabou amargando duas derrotas em Cuiabá para o prefeito Emanuel, neste ano, embora não tenha sido candidato nas urnas. Em princípio, buscou candidatura própria com o seu partido, mas todos os nomes possíveis, como de Gilberto, Gallo,...

Três derrotas do marqueteiro Antero

antero de barros curtinha 400   O ex-senador, jornalista e marqueteiro Antero de Barros (foto) não levou sorte nas campanhas eleitorais as quais coordenou nestas eleições. Em Lucas do Rio Verde, empurrou à reeleição o prefeito Luiz Binotti que, mesmo com o poder da máquina, perdeu para o...

Lideranças jogaram duro contra EP

carlos favaro 400 curtinha   Emanuel Pinheiro teve uma reeleição sofrida em Cuiabá. Lutou contra os principais líderes políticos, que se juntaram em torno da candidatura de Abílio, uns publicamente, outros nos bastidores. O governador Mauro Mendes, por exemplo, jogou pesado para tentar derrotá-lo....

Bezerra ignora filiado do seu filiado

carlos bezerra 400   Carlos Bezerra (foto), o "cacicão" do MDB, abandonou antes da hora o palanque de Emanuel Pinheiro, mesmo se tratando do filiado mais importante em representatividade partidária no Estado. Bastou a pesquisa Ibope mostrar que o prefeito da Capital estava atrás de Abílio nas intenções de...

Sob ataques e humilhação e vitorioso

emanuel pinheiro 400 curtinha   Emanuel Pinheiro (foto) se emocionou ao falar com a imprensa neste domingo, pela primeira vez como prefeito reeleito. Lembrou que foi atacado não só neste período eleitoral, mas desde o início do mandato. Destacou a aprovação popular, com 86% de avaliação...

PT na oposição independente do eleito

edna sampaio 400   Independente de quem ocupar o Palácio Alencastro, a partir de janeiro, a professora Edna Sampaio (foto), única eleita pelo PT à Câmara de Cuiabá, fará oposição ao prefeito. E dá sinais de que será uma parlamentar bastante atuante. Neste segundo turno, como o seu...

MAIS LIDAS