Últimas

Quinta-Feira, 25 de Janeiro de 2007, 07h:55 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

PAC... grandes promessas!

    Em artigo nesta quinta (25), em A Gazeta, o economista Amado de Oliveira Filho considera que, se a maioria das promessas do PAC feitas a MT for cumprida, o Estado terá resolvido grande parte dos sérios problemas de logística. Confira reprodução abaixo.

   Em uma análise minuciosa do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) lançado pelo governo federal, verifica-se a maior promessa que o Estado de Mato Grosso já conheceu em toda a sua história. Se cumprido, nosso Estado terá resolvido grande parte dos sérios problemas causados pelo seu fator locacional, que se agrava com as atividades do agronegócio, que se caracteriza como contratante de grandes volumes de transporte.

   A começar pela duplicação da BR-163/364 de Rondonópolis ao Posto do Gil que para seus usuários parece um sonho impossível. Se concluída otimizará o transporte de grãos de toda a região do Médio-Norte mato-grossense, facilitando a alimentação da ferrovia, que, como prevê o PAC, chegará a Rondonópolis, outro grande sonho, se levarmos em conta o interesse da América Latina Logística (ALL) em seu último evento em Cuiabá.

   Já a construção de um trecho da BR-242, ligando Sorriso a Cocalinho, em Mato Grosso, ou seja, ligando a BR-163 à BR-158, ambas também com conclusão garantida no PAC, é algo tão grandioso para a economia de nosso Estado que incluirá uma grande região produtiva no cenário econômico nacional com amplas possibilidades de exportação da produção. Uma promessa e tanto!

   Em sentido oposto, o PAC assegura a conclusão da BR-364 no trecho Diamantino a Comodoro, oferecendo duas alternativas de escoamento da produção, tanto pela Hidrovia da Hermasa, como através da BR-163, alcançando o Porto de Santarém. As alternativas de escoamento da produção ganharão também a construção de um alcoolduto/polioduto ligando Cuiabá a Paranaguá, no Paraná, permitindo a exportação de biodiesel.

   A infra-estrutura logística, mesmo sem novidades no segmento hidroviário, apenas com a dragagem da hidrovia Paraguai/Paraná, para Mato Grosso está de bom tamanho. Porém, o PAC é composto ainda pela infra-estrutura energética e social-urbana, que trataremos em outra oportunidade, mas pode-se afirmar que nestas Mato Grosso não tem grande participação. Agora a pergunta que se faz: tudo isto é possível?

   Sem sombras de dúvidas um dos empecilhos o ministro Mantega já denunciou à Nação, quando dizendo: "Viu, Meirelles? O mercado está esperando a queda das taxas de juros!". Esta questão é de grande relevância, já que mais de R$ 240 bilhões terão que vir de investidores privados. Outros empecilhos serão os estados das grandes economias, especialmente os da região Sudeste, que espernearão em função das perdas de receitas pela desoneração tributária prevista, além dos já conhecidos de natureza política.

   Uma observação nada positiva do plano é o anúncio de seu valor global, de mais de R$ 500 bilhões. Este montante é também resultado da somatória dos orçamentos das estatais, que quando se observa o nível de detalhamento das obras que serão realizadas, percebe-se claramente que estamos vendo o orçamento plurianual da Eletrobrás, Petrobras, Caixa Econômica Federal, Dnit, etc, que seria realizado no período. O lado bom é que ao abrir isto à nação, quem sabe sejam de fato executadas dentro de um cronograma que atenda aos diversos agentes econômicos.

   Se tudo der certo, Mato Grosso se tornará um dos estados mais viáveis da Federação, os investimentos privados serão vistos em todo o Estado, teremos finalmente uma competição entre os custos de fretes rodoviários, ferroviários e hidroviários, mesmo estando as hidrovias fora do Estado de Mato Grosso. Precisamos acreditar, esta é a única forma de conseguirmos a sustentabilidade econômica ao agronegócio mato-grossense.

  Amado de Oliveira Filho é economista em Cuiabá e escreve às quartas-feiras em A Gazeta (amadoofilho@ig.com.br)

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Deputado ajudou a enterrar Binotti

neri 400 curtinha   O deputado federal Neri Geller (foto), que se acha um grande líder político, ajudou a enterrar nas urnas o projeto de reeleição do prefeito Luiz Binotti (PSD), derrotado à reeleição. Perdeu para o ex-vice-prefeito Miguel Vaz (Cidadania), que contou com apoio do ex-prefeito e atual...

Euclides "torra" R$ 8 mi na campanha

euclides ribeiro 400 curtinha   O advogado milionário Euclides Ribeiro (foto), que tem na carteira de clientes grandes produtores rurais, registra R$ 8,2 milhões de receitas e despesas de campanha ao Senado. Concorrendo pelo Avante, Euclides só chegou a 58.455 votos. Ficou em nono lugar, à frente apenas de Reinaldo...

Fávaro é quem mais gastou ao Senado

carlos favaro 400 curtinha   O senador reeleito Carlos Fávaro (foto) foi o que mais gastou na campanha. Oficialmente, arrecadou R$ 11,7 milhões. As maiores contribuições financeiras vieram de empresários do agronegócio. Orcival Guimarães, dono de rede de empresas de implementos agrícolas, doou...

Beto deve repensar projeto a federal

beto farias 400 curtinha   A derrota nas urnas do seu afilhado político, vice-prefeito Wellington Marcos (DEM), que tentou o Executivo de Barra do Garças e ficou em segundo lugar, obtendo somente metade dos votos em relação aos atribuídos ao eleito Adilson Gonçalves, pode levar o prefeito Beto Farias (foto)...

Erros estratégicos e fim de mandato

niuan ribeiro 400   Niuan Ribeiro (foto) termina melancolicamente o mandato de vice-prefeito da Capital, marcado pela ambiguidade, erros estratégicos e vacilações. Logo no início da gestão, resolveu romper politicamente com o prefeito Emanuel, a quem passou a criticar, achando que se consolidaria como...

Retorno ao TCE ou cargo no governo

marcelo bussiki 400 curtinha   A partir de 1º de janeiro, com o fim do mandato de vereador pela Capital, Marcelo Bussiki (foto) retorna ao cargo efetivo de auditor do TCE-MT. Mas é possível que ele seja convidado por Mauro Mendes para compor o quadro de principais assessores do chefe do Executivo estadual. Bussiki foi...

MAIS LIDAS