Últimas

Quinta-Feira, 25 de Janeiro de 2007, 07h:55 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

PAC... grandes promessas!

    Em artigo nesta quinta (25), em A Gazeta, o economista Amado de Oliveira Filho considera que, se a maioria das promessas do PAC feitas a MT for cumprida, o Estado terá resolvido grande parte dos sérios problemas de logística. Confira reprodução abaixo.

   Em uma análise minuciosa do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) lançado pelo governo federal, verifica-se a maior promessa que o Estado de Mato Grosso já conheceu em toda a sua história. Se cumprido, nosso Estado terá resolvido grande parte dos sérios problemas causados pelo seu fator locacional, que se agrava com as atividades do agronegócio, que se caracteriza como contratante de grandes volumes de transporte.

   A começar pela duplicação da BR-163/364 de Rondonópolis ao Posto do Gil que para seus usuários parece um sonho impossível. Se concluída otimizará o transporte de grãos de toda a região do Médio-Norte mato-grossense, facilitando a alimentação da ferrovia, que, como prevê o PAC, chegará a Rondonópolis, outro grande sonho, se levarmos em conta o interesse da América Latina Logística (ALL) em seu último evento em Cuiabá.

   Já a construção de um trecho da BR-242, ligando Sorriso a Cocalinho, em Mato Grosso, ou seja, ligando a BR-163 à BR-158, ambas também com conclusão garantida no PAC, é algo tão grandioso para a economia de nosso Estado que incluirá uma grande região produtiva no cenário econômico nacional com amplas possibilidades de exportação da produção. Uma promessa e tanto!

   Em sentido oposto, o PAC assegura a conclusão da BR-364 no trecho Diamantino a Comodoro, oferecendo duas alternativas de escoamento da produção, tanto pela Hidrovia da Hermasa, como através da BR-163, alcançando o Porto de Santarém. As alternativas de escoamento da produção ganharão também a construção de um alcoolduto/polioduto ligando Cuiabá a Paranaguá, no Paraná, permitindo a exportação de biodiesel.

   A infra-estrutura logística, mesmo sem novidades no segmento hidroviário, apenas com a dragagem da hidrovia Paraguai/Paraná, para Mato Grosso está de bom tamanho. Porém, o PAC é composto ainda pela infra-estrutura energética e social-urbana, que trataremos em outra oportunidade, mas pode-se afirmar que nestas Mato Grosso não tem grande participação. Agora a pergunta que se faz: tudo isto é possível?

   Sem sombras de dúvidas um dos empecilhos o ministro Mantega já denunciou à Nação, quando dizendo: "Viu, Meirelles? O mercado está esperando a queda das taxas de juros!". Esta questão é de grande relevância, já que mais de R$ 240 bilhões terão que vir de investidores privados. Outros empecilhos serão os estados das grandes economias, especialmente os da região Sudeste, que espernearão em função das perdas de receitas pela desoneração tributária prevista, além dos já conhecidos de natureza política.

   Uma observação nada positiva do plano é o anúncio de seu valor global, de mais de R$ 500 bilhões. Este montante é também resultado da somatória dos orçamentos das estatais, que quando se observa o nível de detalhamento das obras que serão realizadas, percebe-se claramente que estamos vendo o orçamento plurianual da Eletrobrás, Petrobras, Caixa Econômica Federal, Dnit, etc, que seria realizado no período. O lado bom é que ao abrir isto à nação, quem sabe sejam de fato executadas dentro de um cronograma que atenda aos diversos agentes econômicos.

   Se tudo der certo, Mato Grosso se tornará um dos estados mais viáveis da Federação, os investimentos privados serão vistos em todo o Estado, teremos finalmente uma competição entre os custos de fretes rodoviários, ferroviários e hidroviários, mesmo estando as hidrovias fora do Estado de Mato Grosso. Precisamos acreditar, esta é a única forma de conseguirmos a sustentabilidade econômica ao agronegócio mato-grossense.

  Amado de Oliveira Filho é economista em Cuiabá e escreve às quartas-feiras em A Gazeta (amadoofilho@ig.com.br)

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Lei em Cuiabá veta cortar luz e telefone

misael galvao 400 curtinha   Seguindo exemplo de outros municípios, a Câmara de Cuiabá, sob Misael Galvão (foto), rejeitou veto do prefeito Emanuel e promulgou uma lei, que proíbe empresas de gás e concessionárias de serviço público de energia elétrica, no caso a Energisa,...

Visita a todos setores e agradecimento

domingos neto tce 400 curtinha   Numa demonstração de humildade e respeito aos servidores, o presidente do TCE Domingos Neto visitou nesta 4ª todo os setores do Tribunal para agradecer pessoalmente o esforço, dedicação e a contribuição de cada colaborador para que sua gestão do...

Equipe, foco e elogios ao governador

mauro carvalho 400 curtinha   Mauro Carvalho (foto), o número 2 do Palácio Paiaguás, faz questão de destacar que o governador Mauro Mendes está fechando o 1º ano de mandato sem promover uma única mudança no quadro dos 16 secretários, incluindo os que comandam a CGE e PGE. Entende isso...

Até Galvan quer o Senado pelo agro

antonio galvan 400 curtinha   A eleição suplementar ao Senado para início de 2020 começa a despertar interesse de diferentes setores. Só dos chamados representantes do agronegócio são pelo menos quatro possíveis candidatos. Até Antonio Galvan (foto), presidente da Aprosoja Mato...

Sem elo com a servidora denunciante

abilio 400 curtinha   Sob investigação da Comissão de Ética da Câmara de Cuiabá por causa de reincidentes casos de quebra de decoro, Abílio Brunini (foto), em nota, contesta o colega Juca do Guaraná, que divulgou imagens e afirmou que o vereador do PSC esteve no Hospital São Benedito e...

Goleada na cassação no TRE e no TSE

edson fachin 400 curtinha   No TRE-MT, em abril, a juíza aposentada e senadora Selma Arruda, que trocou o PSL pelo Podemos, teve o mandato cassado por unanimidade. No julgamento do recurso da parlamentar no TSE, nesta terça, o placar também foi "elástico": 6 a 1. Somente o ministro Edson Fachin (foto) votou acatando o...

MAIS LIDAS

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Como você avalia a decisão do Supremo de suspender prisão imediata após julgamento em segunda instância?

Concordo

Discordo

Tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.