Últimas

Segunda-Feira, 05 de Março de 2007, 07h:56 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

PAC, pac, pac da educação

    O governo federal pretende pôr em prática um conjunto de medidas para melhorar a qualidade de ensino no país, sobretudo na educação básica (fundamental e média), por meio de aporte orçamentário e mudanças em regulamentações. O plano está sendo apelidado de PAC da educação, em alusão ao Programa de Aceleração do Crescimento. Conta com R$ 500 milhões. Nesse montante não estão inclusas as verbas do Fundo da Educação Básica (Fundeb), principal projeto do atual governo na área.
     O MEC anuncia ainda que negocia outros R$ 400 milhões com a área econômica. Recursos, pelo visto, não faltam. O que falta mesmo é vontade política e a determinação em bem aplicar o orçamento. Assim como o PAC original, o da educação tende a andar a passos lentos. Não consegue nem seguir os passos do pac, pac, pac... da modelo na passarela.

 

    Esse novo pacote de investimentos na área educacional é propagado como uma nova aposta do MEC para reverter os maus desempenhos dos alunos em exames nacionais, cada vez mais com piores notas. Nessa discussão, bem que o governo poderia dar espécie de um apoio técnico mais consistente às cidades com as maiores dificuldades no ensino, aquelas que têm mais problemas com fatores como evasão, repetência e desempenho nos exames nacionais (como a Prova Brasil).

     Aliado a isso, deveria também investir na formação de professores e em tecnologia. Nossos gestores, de um modo geral, se contentam com o orçamento de 25% ao setor. Acham que cumprindo o limite mínimo de investimentos na educação está de bom tamanho.

    São muitos os desafios na área educacional. O país está se arriscando a viver um apagão nesta área vital para o futuro brasileiro, a exemplo do que aconteceu no setor de energia elétrica.

     Faltam hoje pelo menos 30 mil professores da quinta à oitava série do ensino fundamental e de todo o ensino médio no Brasil. É uma realidade que só tende a se agravar com o crescente aumento de matrículas nessas etapas escolares. Para atender ao número de alunos hoje existentes na rede pública, que corresponde a 90% do universo de matrículas, são necessários mais de 230 mil professores no ensino médio e cerca de 500 mil nas turmas de quinta à oitava série. O desfalque é maior nas áreas de ciências e matemática.

     Há duas explicações para a falta de professores: a explosão do crescimento do ensino médio e outros mercados de trabalho que têm atraído os docentes. No Brasil, se faz pouco para acelerar a formação de professores e prevenir um colapso iminente.

     Outra preocupação é quanto ao analfabetismo. Apenas 25% dos brasileiros acima dos 15 anos têm domínio pleno das habilidades de leitura e de escrita. Isso significa que só um em cada quatro brasileiros consegue entender totalmente as informações de textos mais longos e relacioná-las com outros dados. Uma recente pesquisa do Ibope revela que 38% dos brasileiros podem ser considerados alfabetos funcionais, pois não conseguem utilizar a leitura e a escrita na vida cotidiana. Desses, 8% são absolutamente analfabetos, e 30% têm um nível de habilidade muito baixo, ou seja, conseguem somente identificar uma informação simples em um só enunciado, como um anúncio. O triste é que de um a três anos de estudo, o percentual dos que não têm condições básicas de alfabetização atinge 83%.

      A história mostra que as políticas públicas na área educacional também têm fracassado na tentativa de atrair adultos. Nos últimos 25 anos, o Brasil fez a transição da ditadura militar para a democracia e teve seis presidentes. Todos tentaram atacar o problema do analfabetismo adulto. Não conseguiram, porém, atrair os analfabetos para a sala de aula.

Romilson Dourado é jornalista, editor de Política de A Gazeta e escreve neste espaço às segundas-feiras


Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Governo "desmama" senador do Dnit

wellington fagundes 400   O Governo Bolsonaro conseguiu, enfim, "desmamar" Wellington Fagundes (foto) do Dnit. Há décadas, entra e sai governo e o ex-deputado federal por seis mandatos (24 anos) e no cargo de senador desde 2015 vinha indicando apadrinhados no cargo de superintendente regional do Dnit em MT. O último foi Orlando...

Ex-deputado demitido de assessoria

luiz soares 400   O ex-deputado Luiz Soares (foto), hoje com 63 anos, foi exonerado do cargo de assessor parlamentar do contemporâneo Wilson Santos. Ganhava quase R$ 10 mil brutos. Estava lotado no gabinete do deputado tucano havia quase dois anos. Soares é pensionista do extinto Fundo de Assistência Parlamentar, ganhando...

Arsec concede reajuste; prefeito veta

alexandro adriano arsec 400   No último dia 22, a diretoria-executiva colegiada da Agência Municipal de Regulação de Serviços Públicos Delegados de Cuiabá (Arsec), presidida por Alexandro Adriano Lisandro (foto), aprovou índice de reajuste de 2,21% nas tarifas de água e esgoto. E...

Novo ensaio do privilegiado Neurilan

neurilan fraga 400   Neurilan Fraga (foto) transformou mesmo a AMM não apenas num cabide de emprego, mas numa entidade para, em alguns casos, atender a seus interesses pessoais. Ali, investido no cargo de presidente, inclusive já pelo quarto mandato, mesmo não sendo mais prefeito, ele se articula politicamente o tempo todo....

Dobradinha no Podemos pela reeleição

claudinei 400 curtinha   Eleito deputado na onda Bolsonaro, o delegado de Polícia Claudinei de Souza Lopes (foto) resolveu deixar o PSL e vai se abrigar no Podemos. Sonha com a reeleição. Sua estratégia é trabalhar o que se chama de dobradinha eleitoral com o deputado federal José Medeiros, especialmente em...

Valtenir atrai lideranças para o MDB

valtenir pereira 400   Mesmo sem mandato eletivo, o ex-vereador pela Capital e ex-deputado federal Valtenir Pereira (foto) continua se articulando nos bastidores, agora pelo fortalecimento do seu partido, o MDB. Ele está convencendo algumas lideranças a se filiar na legenda emedebista. Dois líderes são prefeitos...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

O Governo de MT optou pela implantação do BRT em Cuiabá-VG em detrimento do VLT. O que você acha disso?

Estou de acordo

Discordo

Tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.