Últimas

Segunda-Feira, 09 de Abril de 2007, 09h:01 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Pena de morte e poucos valores

Fernando Rodrigues fala sobre o apoio à pena de pena de morte, que teve um aumento considerável.    

     Subiu para 55% o apoio à pena de morte. Desde 1993 o Datafolha não registrava tal marca. Essa adesão ao medieval "prenda e arrebenta" é de origem difusa. Mas a inação dos políticos tem razoável culpa no cartório. Um dos fatores mais inibidores do crime não é o tamanho da pena, mas a inevitabilidade da punição.
Nesse quesito, os políticos produzem contra-exemplos em série. Deputados e senadores cometem crimes. Renunciam para escapar da punição. Voltam reeleitos. Seus colegas se comportam como se nada tivesse ocorrido.
Respira-se em Brasília o ar da impunidade. Valores republicanos estão em falta. Há exemplos em profusão. Um caso já antigo é emblemático pela singeleza do ato e pelo protagonista envolvido. Em uma de suas andanças já como presidente, em 2004, Lula recebeu um bombom. A mídia captou a cena. O doce foi desembrulhado e saboreado. O papel, amassado. Da mão do petista, caiu ao chão.
Lula seguramente não viu nada de muito errado nesse ato. Deve considerá-lo assunto quase irrelevante. Se alguém o menciona, o petista possivelmente classificará a crítica como firula, preconceito. Não é.
No Brasil é rara a punição -se é que existe- para pequenas infrações como jogar papel no chão. Delitos milionários também ficam nos escaninhos do Judiciário anos a fio.
Malufs podem até amargar uns dias de cadeia, mas logo estão por aí, leves e soltos, desfrutando de foro privilegiado. Já pobres diabos vão para a cadeia por furtarem um frasco de xampu no mercado. Aí está parte da gênese do inconformismo de alguns, até ingênuos, defensores de uma solução extrema como a pena de morte. Gente que talvez também jogue na calçada a embalagem do bombom de maneira irrefletida. São "milhões de Lulas", martelava o jingle do petista. São todos a cara do Brasil.

Fernando Rodrigues é jornalista

 

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Nezinho, nova derrota e aposentadoria

nezinho 400   Aos 69 anos, o petebista Carlos Roberto da Costa, o Nezinho (foto), considerado da velha guarda política, tentou, mas foi reprovado nas urnas em Nossa Senhora do Livramento. Ele concorreu a prefeito em quatro pleitos. E já exerceu dois mandatos. Nezinho já foi secretário-adjunto de Fazenda do Estado,...

EP cresce 5; Abílio perde 3, diz Ibope

emanuel pinheiro 400 curtinha   Pelos números do Ibope, revelados nesta sexta à noite pela TV Centro América (Globo), Abílio Júnior (Podemos) oscilou negativamente 3 pontos percentuais em menos de uma semana, de 48% para 45% das intenções de voto. Já o emedebista Emanuel Pinheiro (foto)...

Sob arrogância, ataque e desrespeito

abilio junior 400 curtinha   O candidato Abílio Junior (foto), que disputa o segundo turno em Cuiabá com o prefeito Emanuel, chegou bastante nervoso e irritado para o debate nesta sexta, na TV Vila Real (Record). Demonstrando arrogância, ignorou o superintendente do Grupo Gazeta de Comunicação, Dorileo Leal, na...

Candidatos, tensão, debate e bate boca

antoniocarlos   Em debate tenso, na TV Vila Real (do grupo Gazeta) e, após troca de acusações sobre atos de corrupção e servidores fantasmas, os candidatos à Prefeitura de Cuiabá Abílio Júnior (Pode) e Emanuel Pinheiro (MDB) protagonizaram bate boca por mais de uma vez. O clima ficou...

Abílio contrata 400 fiscais para eleição

A campanha do candidato Abílio Júnior (Pode) decidiu contratar 400 fiscais para atuar nesta eleição de domingo. Isso derruba o discurso do candidato do Podemos de que todos atuam de forma voluntária em prol da sua vitória. Aliás, quando questionado sobre a grande estrutura que montou neste segundo turno, inclusive sobre a equipe de marketing, disse que todos são colaboradores. Na sua versão, ninguém recebe pelo trabalho,...

Entrando na briga à AMM muito tarde

maurao curtinha 400   Mauro Rosa, o Maurão (foto), que está encerrando o segundo mandato como prefeito de Água Boa, é o único candidato no duelo com Neurilan Fraga, que busca mais um mandato no comando da AMM, entidade que representa as prefeituras mato-grossenses. O problema é que Maurão entrou...