Últimas

Terça-Feira, 17 de Abril de 2007, 10h:01 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Pequenos ditadores

André Petry critica, em artigo em Veja desta semana, alguns lideres religiosos e meia dúzia de petistas, para quem tentam interditar o debate acerca sobre discriminalização do aborto. Leia reprodução abaixo.


    A sugestão do ministro da Saúde, José Temporão, de que o país faça um debate sobre a descriminalização do aborto, seguido de um plebiscito, já teve efeito esclarecedor: mostrou que quando um punhado de líderes religiosos se une a uns petistas desgarrados a coisa acaba num misto de autoritarismo e arrogância. Desde que o ministro disse em público o que todo mundo já sabia – que o aborto é uma delicada questão de saúde pública –, alguns líderes religiosos, aliados a meia dúzia de petistas, ficaram ouriçados e começaram a tentar interditar o debate, censurar opiniões, impedir a palavra. Não querem discussão, plebiscito, nada. O recado que nos mandam é: calem-se, todos.
    Na semana passada, sob o comando do deputado Luiz Bassuma, petista da Bahia, líderes católicos, evangélicos e espíritas saudaram a chegada do ministro a Fortaleza com faixas, cartazes e vaias. Têm o direito de se manifestar e defender a posição que bem entenderem. Só que não estavam ali para marcar posição contra o aborto. Mas contra o debate. Dizem que são defensores do direito à vida, mas não respeitam nem o direito à palavra. Querem apenas calar a todos. O arcebispo de São Paulo, dom Odilo Scherer, disse que a convocação de um plebiscito sobre o assunto é "um absurdo". De novo, a idéia é que ninguém se aprofunde ou se esclareça sobre o tema. O recado é o mesmo: calem-se, todos.
    A sugestão de um plebiscito é polêmica. Tem gente contra, tem gente a favor. Tem país que mudou sua legislação sobre o aborto por meio de plebiscito, como o caso mais recente de Portugal. Tem país que mudou na Justiça, como os Estados Unidos, onde o direito ao aborto é garantido por decisão da Suprema Corte desde 1973. Pode-se, portanto, ser contra ou a favor do plebiscito. Contra ou a favor do aborto. Mas interditar o debate é coisa de pequenos ditadores, que se julgam em posição de dizer ao país: calem-se, todos.
    A histeria autoritária faz parte do truque. Se houver um debate amplo sobre o aborto, ninguém pode prever qual será a opinião majoritária dos brasileiros. Hoje, de acordo com a pesquisa mais recente do Datafolha, 65% querem que a lei continue como está, permitindo o aborto apenas nos casos de risco de morte para a mãe ou de gravidez decorrente de estupro. No plebiscito do desarmamento, as primeiras pesquisas mostravam que a maioria queria proibir as armas. O resultado final acabou sendo o inverso.
    O debate é duplamente positivo: porque é democrático e porque é uma chance, ainda que remota, de virar o jogo. Seria ótimo se os brasileiros ampliassem o direito ao aborto. Ótimo para o Brasil e para as brasileiras, sobretudo para as mais pobres. Ninguém desconhece que, com dinheiro, se faz aborto em boas clínicas clandestinas no país. Sem dinheiro, é o caos. Por isso, 220.000 mulheres são atendidas por ano nos hospitais públicos em função de complicações decorrentes de abortos espontâneos ou voluntários. Por isso, é um assunto de saúde pública.
    É difícil que haja plebiscito. Mais difícil ainda é que, em havendo, o aborto seja ampliado. Mas, no fim, teríamos ao menos o prazer de dizer: não, não nos calamos.

André Petry é articulista da revista Veja.

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Scheila assume APDM e cita projetos

scheila pedroso 400   Esposa do prefeito sinopense Roberto Dorner, Scheila Pedroso (foto), primeira-dama e secretária municipal de Assistência Social, passa a tocar, pelos próximos dois anos, a Associação para o Desenvolvimento Social dos Municípios de MT (APDM/MT). Ela promete juntar força com os...

Prefeito de Araputanga negocia praça

enilson rios prefeito 400 araputanga   O prefeito de Araputanga, Enilson Rios (foto), que ganhou as eleições do ano passado por uma diferença de apenas 56 votos sobre Joel Martins, com placar de 3.492 a 3.436, está no centro de uma polêmica. Ele aceitou uma proposta do Sicredi para utilização de um...

Barra recebe R$ 1,9 mi pra bancar UTIs

adison gon�alves 400   Em Barra do Garças, com 61 mil habitantes e 5.929 casos confirmados de Covid-19, inclusive com 207 mortes, incluindo 26 óbitos de indígenas em consequência da doença, o prefeito Adilson Gonçalves (foto) abriu crédito suplementar no orçamento de R$ 1,9...

De MT para USP; governo comemora

gabriel usp ribeiraozinho 400   O governador Mauro Mendes comemorou o fato do estudante Gabriel Rodrigues Ribeiro (foto), de 18 anos, morador de Ribeirãozinho, município mato-grossense com menos de três mil habitantes, ter conseguido ingresso no curso de medicina da USP, considerada a melhor universidade do país. Aos 18...

ICMS e R$ 150 mi a mais a municípios

rogerio gallo 400 curtinha   O secretário Rogério Gallo (foto), da Fazenda, assegura que o governo estadual já enviou para os municípios, no primeiro trimestre deste ano, R$ 150 milhões somente em ICMS arrecadado a mais do que estava previso na lei orçamentária. O valor é 8 vezes...

Fúrio, última ação no MPE e morte

celio furio 400   Célio Joubert Fúrio (foto), que morreu nesta sexta, aos 56 anos, vítima da Covid-19, foi um incansável combatente de atos de improbidade administrativa em MT e na defesa do patrimônio público. Integrava aos quadros do Ministério Público Estadual havia 29 anos. Ele atuou...

MAIS LIDAS