Últimas

Terça-Feira, 17 de Abril de 2007, 10h:01 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Pequenos ditadores

André Petry critica, em artigo em Veja desta semana, alguns lideres religiosos e meia dúzia de petistas, para quem tentam interditar o debate acerca sobre discriminalização do aborto. Leia reprodução abaixo.


    A sugestão do ministro da Saúde, José Temporão, de que o país faça um debate sobre a descriminalização do aborto, seguido de um plebiscito, já teve efeito esclarecedor: mostrou que quando um punhado de líderes religiosos se une a uns petistas desgarrados a coisa acaba num misto de autoritarismo e arrogância. Desde que o ministro disse em público o que todo mundo já sabia – que o aborto é uma delicada questão de saúde pública –, alguns líderes religiosos, aliados a meia dúzia de petistas, ficaram ouriçados e começaram a tentar interditar o debate, censurar opiniões, impedir a palavra. Não querem discussão, plebiscito, nada. O recado que nos mandam é: calem-se, todos.
    Na semana passada, sob o comando do deputado Luiz Bassuma, petista da Bahia, líderes católicos, evangélicos e espíritas saudaram a chegada do ministro a Fortaleza com faixas, cartazes e vaias. Têm o direito de se manifestar e defender a posição que bem entenderem. Só que não estavam ali para marcar posição contra o aborto. Mas contra o debate. Dizem que são defensores do direito à vida, mas não respeitam nem o direito à palavra. Querem apenas calar a todos. O arcebispo de São Paulo, dom Odilo Scherer, disse que a convocação de um plebiscito sobre o assunto é "um absurdo". De novo, a idéia é que ninguém se aprofunde ou se esclareça sobre o tema. O recado é o mesmo: calem-se, todos.
    A sugestão de um plebiscito é polêmica. Tem gente contra, tem gente a favor. Tem país que mudou sua legislação sobre o aborto por meio de plebiscito, como o caso mais recente de Portugal. Tem país que mudou na Justiça, como os Estados Unidos, onde o direito ao aborto é garantido por decisão da Suprema Corte desde 1973. Pode-se, portanto, ser contra ou a favor do plebiscito. Contra ou a favor do aborto. Mas interditar o debate é coisa de pequenos ditadores, que se julgam em posição de dizer ao país: calem-se, todos.
    A histeria autoritária faz parte do truque. Se houver um debate amplo sobre o aborto, ninguém pode prever qual será a opinião majoritária dos brasileiros. Hoje, de acordo com a pesquisa mais recente do Datafolha, 65% querem que a lei continue como está, permitindo o aborto apenas nos casos de risco de morte para a mãe ou de gravidez decorrente de estupro. No plebiscito do desarmamento, as primeiras pesquisas mostravam que a maioria queria proibir as armas. O resultado final acabou sendo o inverso.
    O debate é duplamente positivo: porque é democrático e porque é uma chance, ainda que remota, de virar o jogo. Seria ótimo se os brasileiros ampliassem o direito ao aborto. Ótimo para o Brasil e para as brasileiras, sobretudo para as mais pobres. Ninguém desconhece que, com dinheiro, se faz aborto em boas clínicas clandestinas no país. Sem dinheiro, é o caos. Por isso, 220.000 mulheres são atendidas por ano nos hospitais públicos em função de complicações decorrentes de abortos espontâneos ou voluntários. Por isso, é um assunto de saúde pública.
    É difícil que haja plebiscito. Mais difícil ainda é que, em havendo, o aborto seja ampliado. Mas, no fim, teríamos ao menos o prazer de dizer: não, não nos calamos.

André Petry é articulista da revista Veja.

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Ação de promotor e volta de restrições

Adalberto Ferreira   O promotor de Justiça Adalberto Ferreira garante que prefeito de Juscimeira Moisés dos Santos não havia editado nenhum decreto endurecendo as regras de restrições à pandemia do coronavírus antes do MPE propor ação na Justiça. Ao falar sobre nota publicada...

Oséas agora está nas mãos de Abílio

oseas machado 400 curtinha   Oséas Machado (foto) conseguiu derrubar Abílio Júnior, a quem denunciou por quebra de decoro parlamentar, e assumiu a cadeira deste na Câmara da Capital. Agora, o cassado se articula para dar o troco. O problema é que ambos estão no PSC. Oséas quer buscar a...

Decreto "anula" o MPE em Juscimeira

moises 400 juscimeira curtinha   Em Juscimeira, o promotor de Justiça Adalberto Ferreira recorreu à Justiça de forma desnecessária. Pleiteou e conseguiu uma liminar para suspender um decreto do prefeito Moisés dos Santos que, segundo a ação, havia reduzido as medidas de isolamento social, permitindo...

Kero-Kero quer levar Abílio para Pode

wilson kero kero 400 curtinha   Na contagam regressiva do prazo para o troca-troca partidário - vence em 3 de abril para quem pretende ser candidato em outubro deste ano -, o vereador Wilson Kero-Kero (foto), do PSL e um dos opositores à gestão Emanuel Pinheiro em Cuiabá, está fortalecendo o Podemos. E se...

ECSP explica confusão com Marcrean

marcrean 400 curtinha   A Empresa Cuiabana de Saúde Pública (ECSP) emitiu nota sobre a suposta “carteirada” do vereador Marcrean Santos (foto) no HMC. Ele foi pivô de confusão e um vídeo viralizou nas redes sociais. Segundo a ECSP, o parlamentar foi até o local pedir informações...

PL quer suspender dívidas das cidades

max russi curtinha 400   Ex-prefeito de Jaciara, o deputado Max Russi (PSB) apresentou projeto que visa suspender os pagamentos das dívidas dos municípios com o Estado, durante o período de calamidade pública que foi decretado pelo governo por causa da pandemia do coronavírus. Max ressalta que MT não deve...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você concorda com a decisão de prefeitos, que começam a decretar estado de emergência, fechando comércio, serviços públicos e o transporte coletivo?

sim

não

sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.