Últimas

Sexta-Feira, 29 de Dezembro de 2006, 00h:00 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Percepções sobre 2006 e 2007 (2)

      O jornalista Onofre Ribeiro escreve hoje (29) no Diário de Cuiabá que "a crise do agronegócio acabou setorizada, com reflexos sobre o conjunto econômico, mas não foram efeitos mortais".

Confira na reprodução abaixo.

     Em 2006 a economia de Mato Grosso foi surpreendida pelos efeitos da crise sobre o agronegócio e teve a impressão de que o estado falira. Engano. A crise do agronegócio acabou setorizada, com reflexos sobre o conjunto econômico, mas não foram efeitos mortais. Ficou claro que os setores da indústria, do comércio e dos serviços têm vida própria.

Porém, a crise serviu para algumas percepções importantíssimas:

      1- o setor agrícola se uniu e foi à luta com movimentos de protesto. O tratoraço foi um deles, além de seminários políticos em São Paulo e em Brasília para discutir a crise e a busca de soluções econômicas e políticas. No mínimo, fez o governo federal entender que fora de Brasília existe vida produtiva e cidadã;

      2- o setor buscou alternativas inteligentes e inovadoras, como os biocombustíveis, uma das coisas mais espetaculares da história brasileira recente. Surgiu nas fazendas o chamado “biodiesel caipira”, uma mistura de álcool, ou de diesel a óleo de soja esmagado ali mesmo. Hoje já se tem uma usina de produção de biodiesel no estado, mais 25 consultas para projetos pequenos, médios e grandes para produção de biodiesel. Isso dribla o preço maluco do diesel na produção agrícola. Mato Grosso poderá, em dois anos, tornar-se grande exportador de álcool de cana e de biodiesel. Espera-se 1 milhão de novos hectares plantados com cana nos próximos dois anos;

     3- o setor industrial está se juntando ao agrícola, através de dois projetos pioneiros de aglomerado agroindustrial para abate de 2 milhões de frangos/dia em 2007. Isso reflete em compra firme de grãos e na transformação de grãos em carne. A agregação tecnológica e de valor no estado será fantástica diretamente e através das cadeias acessórias e de projetos semelhantes já encaminhados;

     4- o reflorestamento, o manejo sustentado e a agregação de valor à madeira, são resultados da malfadada “Operação Curupira”, de junho de 2005, que arrasou com o setor de base florestal. Mas ele está se resgatando por sua por sua própria força e empreendedorismo;

    5- o setor energético está avançando muito acelerado, quer por 12 usinas hidrelétricas pequenas em construção, por uma grande a se iniciar em 2007 em Aripuanã, e a de Couto Magalhães, no rio Araguaia, na reta final das discussões. Isso, fora dois grandes linhões, um para o Sul e outro para o Noroeste.

     Ainda continua jogando contra a economia mato-grossense a infraestrutura de transportes, que usa rodovias construídas entre 20 e 30 anos. Elas transportavam a produção de 2 milhões de toneladas de grãos, e hoje mais de 26 milhões. É um gargalo total.

     Contudo, uma coisa está bem clara: a economia mato-grossense a cada dia se desvincula mais da política e se globaliza, apesar da carga tributária e dos juros altos. O empreendedorismo, porém, é maior do que a má vontade oficial.

     Mato Grosso saiu da crise e terá em 2007 a recuperação do 1 milhão de hectares agrícolas não-plantados em 2006/2007. Será um ano de atividades econômicas muito diversificadas e não ligadas a este ou àquele setor produtivo. Tempos promissores! As crises sempre foram boas professoras. Como a dor, que ensina gemer.



    * ONOFRE RIBEIRO é articulista deste jornal e da revista RDM (onofreribeiro@terra.com.br)

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

IFMT e jogos de azar em campeonato

ivo da silva 400 curtinha   O professor Ivo da Silva (foto), que integra a Diretoria de Ensino do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de MT (IFMT), com sede em Cuiabá, apresentou um requerimento ao reitor Willian de Paula, solicitando que sejam suspensas todas as modalidades esportivas correlatas ao...

5 empresas de ônibus estão na disputa

Cinco empresas concorrem à milionária licitação do transporte coletivo de Cuiabá, que será feita em três etapas. Entregaram a documentação nesta sexta à Comissão de Licitação. São elas:  Integração Transporte LTDA; Caribus Transportes e Serviços LTDA; Rápido Cuiabá Transporte Urbano LTDA; Viação Paraense LTDA e Pantanal Transporte...

Nildo deixa Gefron e assume Cáceres

 Jos� Nildo Silva   O coronel José Nildo Silva (foto) deixa o comando do Gefron, responsável pelas ações de combate aos crimes na fronteira, especialmente tráfico de drogas, para assumir o 6º Comando Regional de Cáceres. Antes, Nildo também liderou o Bope, tropa de elite da...

Vereador ganha mais que o prefeito

emanuel pinheiro 400 curtinha   Vereadores estão sendo pressionados por sindicatos de servidores da Capital para levar a Câmara Municipal a elaborar e aprovar uma lei, aumentando o salário do prefeito Emanuel (foto) para, a partir dessa elevação do teto, beneficiar também diversas categorias. Nessa...

MT cria delegacia contra à corrupção

O governador Mauro Mendes (DEM), atendendo exigência do ministério da Justiça e Segurança Pública, sob Sérgio Moro, determinou a criação da Delegacia Especializada de Combate à Corrupção (DECCOR). A medida visa ter acesso aos recursos do Fundo Nacional de Segurança Pública. No decreto, fica estabelecido que a DECCOR será conduzida por um delegado da classe especial e que será subordinada...

Vereador terá de devolver R$ 106 mil

justino malheiros 400 curtinha   Justino Malheiros (foto), que está licenciado da Câmara de Cuiabá para tratamento de saúde, terá de restituir R$ 106,6 mil aos cofres públicos juntamente com a empresa Votech Tecnologia em Votação Eireli. E o valor deve ser corrigido monetariamente pelo IPCA...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

O que você acha das denúncias, principalmente sobre pagamento de propina, feitas pelo ex-presidente da AL José Riva, que tenta fechar delação?

São verdadeiras

Nem tudo é verdade

Acho que ele está mentindo

Não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.