Últimas

Domingo, 31 de Dezembro de 2006, 00h:38 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Percepções sobre 2006 e 2007 (3)

     O jornalista Onofre Ribeiro destaca, em artigo no Diário de Cuiabá neste último dia de 2006, que o 'estilo Lula é mal compreendido e combatido e por isso merece mais discussões do que preconceitos'.

     Leia abaixo a reprodução da íntegra.

 

     As eleições presidenciais de 2006 consagraram um estilo de governar chamado “estilo Lula”. Mal compreendido e combatido, merece mais discussões do que preconceitos. É a nova cara do Brasil, queiramos ou não. 2007 entrará com Lula presidente, eleito legitimamente e sobrevivente de uma catástrofe chamada Partido dos Trabalhadores.

     Lula traz no mesmo balaio que o elegeu a derrota dos sistemas políticos e institucionais brasileiros. Vale citá-los

    1 – O Congresso Nacional auto-desmilinguiu-se numa sucessão de erros e de envolvimentos inadmissíveis, mas é tão impermeável que não se apercebeu que perdeu o senso de representante da sociedade;

    2 – os partidos políticos perderam-se na sua própria falta de história. Até o PT que tinha DNA, vendeu-o por um projeto mal-feito de poder. Sai da História pela porta dos fundos, por onde saíram todos os demais. Uma reforma política urge mais do que urgente, mas não sairá já porque a sobrevivência do agora respira mais do que a do futuro. Deverá vir a conta-gotas;

    3 – o Judiciário entrou na ciranda da política e acabou espremido entre o corporativismo e a perplexidade da dinâmica social. Já não representa a garantia do equilíbrio social pelo respeito das leis vigentes;

    4 – as universidades públicas entraram em colapso, supostamente por falta de recursos, mas vítimas do corporativismo retrógrado que sonha com tempos passados de dinheiro farto. Produzir conhecimento e vendê-lo seria um dos caminhos. Mas isso custa trabalho. Melhor queixar-se do governo, ou fazer greves;

    5 – a classe média perdeu-se no meio do caminho da suposta ascensão social das bolsas-família do presidente Lula, os impostos e os péssimos serviços públicos que pagam em dobro para existir. Nos últimos anos cedeu espaço para as classes mais pobres, animadas com a chamada “política de compensações sociais” do governo. O país empobrece sem o fermento da classe média;

    6 – as classes menos favorecidas começam a se organizar num contexto muito mal-costurado de ascensão social, mas legítimo, ainda que sustentado pelos cofres públicos. De qualquer forma, é melhor do que a miséria por destino, já que sempre foram as maiores vítimas dos desacertos econômicos de todos os governos;

   7 – a economia descolou-se da política no correr e depois da enorme crise política que começou em junho de 2005 e arrastou o Congresso, o presidente, os partidos políticos, congressistas e terceiros nos sucessivos escândalos. A política descia a serra, e a economia sustentava o país. Este talvez tenha sido o imenso avanço da crise;

   8 – por último, está em andamento no Brasil um sutil movimento de organização social que é muito maior do que tudo que já se viu até hoje. Claro que levará um tempo até consolidar-se. Mas será alimentado pelos erros do governo, das instituições e da política. Mas, mesmo o brasileiro mais pessimista não poderá negar que o país avançou com as crises e com a reeleição do presidente Lula. Foi uma espécie de fatalismo do tipo seja o que Deus quiser. Melhor do que encolher-se e esperar a mão de Deus vir sabe-se lá de onde para interferir em nossas vidas e na vida do Brasil! 

   * ONOFRE RIBEIRO é articulista deste jornal e da revista RDM (onofreribeiro@terra.com.br)

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

DEM-Cuiabá projeta até 4 vereadores

beto 400 curtinha   O presinte da Provisória do DEM da Capital e secretário estadual de Governo, Alberto Machado, o Beto 2 a 1 (foto), está animado com as chapas do partido construídas para o embate eleitoral. Já conta com 38 pré-candidatos a vereador e avalia que todos são competitivos. Uma das...

Chapa de Pivetta faltando um nome

adilton sachetti curtinha 400   O empresário Otaviano Pivetta continua avaliando um nome para composição de sua chapa ao Senado na suplementar de 26 de abril para a vaga da cassada Selma Arruda. A primeira-suplência deve ficar mesmo com o ex-prefeito rondonopolitano e ex-deputado federal Adilton Sachetti (foto), do PRB....

Senado, disputa interna e PT rachado

verinha_curtinha   O PT, que recebe hoje as inscrições de pré-candidatos ao Senado, deve ter apenas um nome na disputa interna, o do deputado e presidente estadual da sigla Valdir Barranco. A ex-vereadora Enelinda, com dificuldade, corre contra o tempo para se viabilizar. Enquanto isso, membros de outras correntes menos...

Falta na votação da emenda impositiva

jose medeiros 400 curtinha   O deputado José Medeiros (foto), vice-líder do Governo Bolsonaro na Câmara e pré-candidato a senador na suplementar de 26 de abril, explica que não procede a informação de que teria votado favorável à PEC 34/19, que assegura o orçamento impositivo de...

Feliz da vida na base e com emendas

wilson santos 400 curtinha   Wilson Santos (foto) já chegou com moral no Governo Mauro Mendes. Depois de um ano fazendo oposição ao Palácio Paiaguás, o deputado tucano se tornou governista de carteirinha. E começa a colher os dividendos. Uma de suas emendas de R$ 300 mil para ajudar na...

Voto a favor e agora contra Congresso

O pitbull do governo Bolsonaro, deputado federal José Medeiros (foto), está pegando carona num protesto, marcado para 15 de março, onde não deveria porque os seus atos não correspondem ao discurso, ao menos segundo sustentam seus adversários políticos. Contam que Medeiros foi um dos parlamentares que aprovaram o orçamento impositivo de R$ 30 bilhões, vetado pelo presidente. Eis que agora, ele próprio, defende a...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Na sua opinião, como está indo o Governo Bolsonaro...

excelente

bom

razoável

ruim

péssimo

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.