Últimas

Domingo, 31 de Dezembro de 2006, 00h:38 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Percepções sobre 2006 e 2007 (3)

     O jornalista Onofre Ribeiro destaca, em artigo no Diário de Cuiabá neste último dia de 2006, que o 'estilo Lula é mal compreendido e combatido e por isso merece mais discussões do que preconceitos'.

     Leia abaixo a reprodução da íntegra.

 

     As eleições presidenciais de 2006 consagraram um estilo de governar chamado “estilo Lula”. Mal compreendido e combatido, merece mais discussões do que preconceitos. É a nova cara do Brasil, queiramos ou não. 2007 entrará com Lula presidente, eleito legitimamente e sobrevivente de uma catástrofe chamada Partido dos Trabalhadores.

     Lula traz no mesmo balaio que o elegeu a derrota dos sistemas políticos e institucionais brasileiros. Vale citá-los

    1 – O Congresso Nacional auto-desmilinguiu-se numa sucessão de erros e de envolvimentos inadmissíveis, mas é tão impermeável que não se apercebeu que perdeu o senso de representante da sociedade;

    2 – os partidos políticos perderam-se na sua própria falta de história. Até o PT que tinha DNA, vendeu-o por um projeto mal-feito de poder. Sai da História pela porta dos fundos, por onde saíram todos os demais. Uma reforma política urge mais do que urgente, mas não sairá já porque a sobrevivência do agora respira mais do que a do futuro. Deverá vir a conta-gotas;

    3 – o Judiciário entrou na ciranda da política e acabou espremido entre o corporativismo e a perplexidade da dinâmica social. Já não representa a garantia do equilíbrio social pelo respeito das leis vigentes;

    4 – as universidades públicas entraram em colapso, supostamente por falta de recursos, mas vítimas do corporativismo retrógrado que sonha com tempos passados de dinheiro farto. Produzir conhecimento e vendê-lo seria um dos caminhos. Mas isso custa trabalho. Melhor queixar-se do governo, ou fazer greves;

    5 – a classe média perdeu-se no meio do caminho da suposta ascensão social das bolsas-família do presidente Lula, os impostos e os péssimos serviços públicos que pagam em dobro para existir. Nos últimos anos cedeu espaço para as classes mais pobres, animadas com a chamada “política de compensações sociais” do governo. O país empobrece sem o fermento da classe média;

    6 – as classes menos favorecidas começam a se organizar num contexto muito mal-costurado de ascensão social, mas legítimo, ainda que sustentado pelos cofres públicos. De qualquer forma, é melhor do que a miséria por destino, já que sempre foram as maiores vítimas dos desacertos econômicos de todos os governos;

   7 – a economia descolou-se da política no correr e depois da enorme crise política que começou em junho de 2005 e arrastou o Congresso, o presidente, os partidos políticos, congressistas e terceiros nos sucessivos escândalos. A política descia a serra, e a economia sustentava o país. Este talvez tenha sido o imenso avanço da crise;

   8 – por último, está em andamento no Brasil um sutil movimento de organização social que é muito maior do que tudo que já se viu até hoje. Claro que levará um tempo até consolidar-se. Mas será alimentado pelos erros do governo, das instituições e da política. Mas, mesmo o brasileiro mais pessimista não poderá negar que o país avançou com as crises e com a reeleição do presidente Lula. Foi uma espécie de fatalismo do tipo seja o que Deus quiser. Melhor do que encolher-se e esperar a mão de Deus vir sabe-se lá de onde para interferir em nossas vidas e na vida do Brasil! 

   * ONOFRE RIBEIRO é articulista deste jornal e da revista RDM (onofreribeiro@terra.com.br)

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Servidores sem pagar os empréstimos

adevair cabral curtinha 400   A Câmara de Cuiabá rejeitou o veto total do prefeito Emanuel e promulgou a Lei 6.547, que suspende por 90 dias o pagamento de parcelas de contrato de crédito consignados tanto dos servidores públicos ativos e inativos da prefeitura quanto da própria Câmara Municipal. A...

Eleição ao Senado junto com municipal

carlos favaro 400 curtinha   A eleição suplementar para uma vaga ao Senado deve ocorrer em MT junto com o pleito municipal, em 15 de novembro. A definição oficial partirá do TSE até o final deste mês. Em princípio, a suplementar estava marcada para abril, mas, por causa da pandemia, foi...

Wellington tem 47 lotados no Senado

wellington 400 curtinha   Com dois meses e meio na cadeira de senador, Carlos Fávaro tem hoje 18 assessores lotados no gabinete, muito aquém do quadro dos colegas Jayme Campos e Wellington Fagundes. O chefe de gabinete de Fávaro é o advogado Irajá Rezende de Lacerda, filho do primeiro-suplente Zé Lacerda....

Cáceres, lockdown e frases de alerta

francis maris 400 curtinha   Em Cáceres, o prefeito Francis Maris (foto) decretou lockdown desde a última segunda, dia 29, como forma de forçar os moradores a permanecer em casa para conter o avanço da Covid-19. Mas as medidas restritivas não estão surtindo tanto efeito na prática. Muitos continuam...

4 prefeitos de MT com coronavírus

luiz binotti 400 curtinha   Pelo menos quatro prefeitos em Mato Grosso já foram diagnosticados com Covid-19. O caso mais recente envolve Luiz Binotti (foto), de Lucas do Rio Verde. Ele aguarda resultado de exames, mas já se encontra em isolamento domiciliar. Com sintomas do novo coronavírus, Binotti decidiu ficar em casa. De um...

Forçando cuiabanos a ficar em casa

emanuel pinheiro 400 curtinha   Acuado por causa do avanço dos casos de Covid-19, o que tem provocado colapso na rede pública de saúde, principalmente em Cuiabá, o prefeito Emanuel Pinheiro (foto) decidiu adotar medidas mais restritivas para conter circulação e aglomerações de pessoas,...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Em Cuiabá, o prefeito suspendeu a decisão de implantar rodízio de veículos entre placas pares e ímpares devido à Covid-19. Mas quer debater a ideia. Você concorda com rodízio?

concordo

discordo

tanto faz

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.