Últimas

Sábado, 09 de Junho de 2007, 09h:14 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Podres poderes

     Muita gente anda reclamando do uso excessivo de medidas provisórias. De acordo, o presidente Lula da Silva bateu o governo FHC de longe na edição de MPs, ficando campeão neste mister autoritário. Elas são editadas principalmente em duas condições: quando o governo pressente que um projeto de lei de seu interesse pode ser derrotado na votação, e quando há interesse tanto do Executivo quanto de maioria do Legislativo em aprovar "sem problemas" determinada matéria.
     O pesquisador Fernando Limonge diz que o poder presidencial foi enormemente reforçado na Constituição de 88. O chamado Poder de agenda presidencial conferido ao presidente mantém a concepção e direção imposta pelo regime militar, como no caso do foro especial para ocupantes de cargos (chame-se intransparência e impunidade). Uma versão em voga é o poder de alterar unilateralmente o rito legislativo formal pela chamada MP, incidindo também sobre o processo orçamentário no Congresso. Só que, MPs, para que se tornem leis, têm que ser aprovadas pelo Plenário, isto é, contar com o apoio da maioria. O que temos em discussão é sobre o "varal" de corrupção que habita no processo orçamentário em todos os níveis de governo.
     No Congresso Nacional a vitrine é a tão disputada Comissão Mista de Orçamento. Um verdadeiro cartório corporativo carimbador e espaço de triagem da alocação de recursos públicos. Aqui, a força dos lobbyes, desde empreiteiras até indústria farmacêutica e alimentar. Parte expressiva de parlamentares no Congresso serve a interesses dos grandes negócios, e seu faturamento no mercado brasileiro. Podem vender seus votos muito caro! Recentemente em uma roda de papo aqui em Cuiabá, o prato era a má fama dos políticos. Argumentou-se, como exemplo, que um determinado parlamentar não coloca a mão no "tacho do dinheiro público". Simplesmente porque sua estratégia seria só de vender seus votos a "peso de ouro" no Congresso para interesse de grandes grupos privados ligados ao agronegócio. Assim seria explicado seu rico patrimônio financeiro.
     Imaginem então se ocorre uma auditoria na origem do dinheiro e da riqueza de tantos que conhecemos por aqui mesmo!!! Tendencialmente é bom dar uma olhada nas fontes de financiamento declaradas ao TRE. Indústrias como a armamentista investiram pesado em algumas campanhas. Empreiteiras e bancos investiram muito mais na última campanha do PT (antes de 2000, com poucos recursos). Os acordos de "governabilidade", além da sede de poder, tem aqui em MT, possivelmente como um dos elementos, abortar a possibilidade de ir a fundo nas denúncias e evidências de caixa 2 na última campanha à Prefeitura de Cuiabá. Abranches chama de presidencialismo de coalizão esta forma que perdura, onde o presidente constrói maiorias parlamentares, investido de consideráveis poderes legislativos.
     A maioria das iniciativas dos PLs vem do Executivo, e as MPs têm como primeira função enfraquecer o Legislativo. Continuamos assistindo o uso do orçamento nacional e da oferta de cargos a troco de apoio político, desencadeantes de corrupção, fisiologismo, nepotismo e uso de diferentes formas de patrimonialismo e patronagem. As emendas significam parte da sobrevivência de parlamentares nos cargos, aumentando a incerteza política, com intensificação das manobras de interesses circunstanciais. Legaliza-se o uso do orçamento público para fidelizar apoio em quaisquer condições. Desqualifica a função parlamentar, na medida em que ficam no âmbito de políticas localistas e clientelistas, quando deveriam ser nacionais. Assim, é canhestro o "distributivismo" por emendas. Esta troca de apoio entre o Executivo e Legislativo é altamente prejudicial à democracia. Malversação do orçamento e emendas são fundantes da corrupção. O Congresso Nacional, ouvidas as "bases", tentará de tudo para aprovar foro privilegiado também a ex-ocupantes de cargos. Manobra indecorosa, amoral e antiética. Lobos tomando conta de cordeiros!

Waldir Bertúlio, médico sanitarista, é professor na UFMT.

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Deputado ajudou a enterrar Binotti

neri 400 curtinha   O deputado federal Neri Geller (foto), que se acha um grande líder político, ajudou a enterrar nas urnas o projeto de reeleição do prefeito Luiz Binotti (PSD), derrotado à reeleição. Perdeu para o ex-vice-prefeito Miguel Vaz (Cidadania), que contou com apoio do ex-prefeito e atual...

Euclides "torra" R$ 8 mi na campanha

euclides ribeiro 400 curtinha   O advogado milionário Euclides Ribeiro (foto), que tem na carteira de clientes grandes produtores rurais, registra R$ 8,2 milhões de receitas e despesas de campanha ao Senado. Concorrendo pelo Avante, Euclides só chegou a 58.455 votos. Ficou em nono lugar, à frente apenas de Reinaldo...

Fávaro é quem mais gastou ao Senado

carlos favaro 400 curtinha   O senador reeleito Carlos Fávaro (foto) foi o que mais gastou na campanha. Oficialmente, arrecadou R$ 11,7 milhões. As maiores contribuições financeiras vieram de empresários do agronegócio. Orcival Guimarães, dono de rede de empresas de implementos agrícolas, doou...

Beto deve repensar projeto a federal

beto farias 400 curtinha   A derrota nas urnas do seu afilhado político, vice-prefeito Wellington Marcos (DEM), que tentou o Executivo de Barra do Garças e ficou em segundo lugar, obtendo somente metade dos votos em relação aos atribuídos ao eleito Adilson Gonçalves, pode levar o prefeito Beto Farias (foto)...

Erros estratégicos e fim de mandato

niuan ribeiro 400   Niuan Ribeiro (foto) termina melancolicamente o mandato de vice-prefeito da Capital, marcado pela ambiguidade, erros estratégicos e vacilações. Logo no início da gestão, resolveu romper politicamente com o prefeito Emanuel, a quem passou a criticar, achando que se consolidaria como...

Retorno ao TCE ou cargo no governo

marcelo bussiki 400 curtinha   A partir de 1º de janeiro, com o fim do mandato de vereador pela Capital, Marcelo Bussiki (foto) retorna ao cargo efetivo de auditor do TCE-MT. Mas é possível que ele seja convidado por Mauro Mendes para compor o quadro de principais assessores do chefe do Executivo estadual. Bussiki foi...

MAIS LIDAS