Últimas

Quarta-Feira, 10 de Janeiro de 2007, 09h:12 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Política de valorização do mínimo

    "A instituição de uma política pública de salário mínimo é conquista e vitória de toda a sociedade brasileira", escreve o ministro do Trabalho e Emprego, em artigo na Folha de São Paulo desta quarta (10). Leia abaixo a reprodução.

     PELO SEGUNDO ano seguido, governo e centrais sindicais demonstram maturidade ao negociar com responsabilidade o melhor reajuste possível para o piso nacional.
    E, mais que definir o mínimo em R$ 380, em 2007, a negociação permitiu delinear uma Política de Valorização do Salário Mínimo até 2023, baseada no bom senso e no equilíbrio tanto das contas públicas quanto dos benefícios para os trabalhadores.
A instituição de uma política pública de salário mínimo é conquista e vitória de toda a sociedade brasileira.
Para as centrais sindicais, representa o atendimento de uma reivindicação histórica. Para trabalhadores e empregadores, propicia a possibilidade de planejamento de suas ações a curto, médio e longo prazos. No caso dos empresários, a previsibilidade é imprescindível na hora de programar novos investimentos. Já ao governo, possibilitará a definição de políticas públicas de investimento e de geração de emprego e renda, de distribuição de renda e de redução das desigualdades com a antecedência necessária.
     A importância dessa negociação inédita se revela ao assegurar que, independentemente de governos, a política não sofrerá recuo. Não depende de vontade política. Está definida e se tornará lei com o aval dos parlamentares, que, com certeza, terão consciência de que o Brasil precisa avalizar o acordo tal como foi negociado.
    O protocolo de intenções, assinado no dia 27/12 por representantes do governo e das centrais sindicais, prevê reajustes anuais do mínimo até 2011, com a data-base antecipada gradualmente, chegando a 1º de janeiro em 2010. De 2007 a 2011, além da reposição integral da inflação, o salário mínimo será acrescido do PIB realizado sempre dois anos antes da vigência do novo valor. Para 2008, o PIB será o de 2006, e assim sucessivamente.
    O Ministério do Trabalho e Emprego coordenará um grupo de trabalho que fará monitoramento constante dos efeitos dessa política e, com base em indicadores de avaliação do impacto provocado na distribuição de renda, no mercado de trabalho e nas receitas e despesas da União, Estados e municípios, poderá fazer uma revisão a cada quatro anos -em 2011, em 2015 e em 2019. 
    Em termos macroeconômicos, o impacto da remuneração básica nacional não se traduz só em gastos. É preciso computar o aumento que ela provoca na arrecadação e no dinamismo da economia. Esse dinheiro a mais estimula os pequenos negócios e o comércio local. O consumo das famílias, impulsionado pelo salário mínimo e pela expansão do crédito, cresce a 13 trimestres consecutivos.
    O novo valor do salário mínimo injetará diretamente na economia, a partir do quinto dia útil de maio e no decorrer de 2007, cerca de R$ 8,5 bilhões e representará aumento na arrecadação em torno de R$ 2,1 bilhões.
    E, mais do que de números, estamos falando de cidadãos que dependem do mínimo para sobreviver com dignidade. São mais de 40 milhões de brasileiros, na ativa ou não, que têm renda de até um salário mínimo. Desse total, 16,4 milhões são beneficiários de Previdência e assistência social, e 26 milhões são trabalhadores que ganham mensalmente salário igual ou inferior à remuneração legal mínima, de acordo com dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) 2005.
     Além dos trabalhadores de baixa renda, o acordo que o governo federal firmou com as centrais sindicais beneficiou também a classe média, uma vez que o protocolo assinado prevê a correção da tabela e das deduções do Imposto de Renda em 4,5% em 2007, 2008, 2009 e 2010.
    Ao definirmos uma política perene para o mínimo com parâmetros reais e o reajuste da tabela do IR pelos próximos quatro anos, com revisões quadrienais, estamos pensando não só no aumento do poder de compra mas também na melhoria da qualidade de vida de todas as classes sociais.
     Os números só ajudam a mensurar parte dessa melhoria, que resulta também de uma combinação do controle da inflação com a desoneração tributária. A partir de abril deste ano, com um salário mínimo, será possível comprar 2,42 cestas básicas, contra 1,3 em março de 2003 -um ganho de 85,2%. É o maior poder de compra do mínimo nos últimos 28 anos.
     Garantir o poder de compra dos trabalhadores e distribuir renda pela melhoria da massa salarial foi um compromisso assumido pelo presidente Lula em 2003, renovado na cerimônia de assinatura do acordo, quando pediu para os sindicalistas combinarem a palavra desenvolvimento com distribuição de renda.
Essa é a grande conquista de todos os brasileiros.

 


LUIZ MARINHO, 47, bacharel em direito, é o ministro do Trabalho e Emprego. Foi presidente nacional da Central Única dos Trabalhadores

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Viúva de Adriano disputa em Cáceres

anelise silva 400 curtinha   Anelise Silva (foto), viúva do ex-reitor da Unemat e ex-deputado Adriano Silva, lançou pré-candidatura à prefeita de Cáceres pelo DEM do governador Mauro. Ela enfatiza que sofre a dor da perda e que decidiu entrar no páreo para dar continuidade ao projeto de Adriano de...

Vereador tenta barra compra de cestas

diego guimaraes 400 curtinha   O vereador pela Capital, Diego Guimarães (foto), denunciou junto à Ouvidoria do TCE o que definiu como irregular a aquisição, com dispensa de licitação, de cinco mil cestas básicas de alimentos pela secretaria municipal de Assistência Social e Desenvolvimento...

Apresentador de TV luta contra Covid

alexandre mota 400 curtinha   Alexandre Mota (foto), apresentador desde abril do programa de variedades Balanço Geral, da TV Vila Real de Cuiabá (Record), está internado na UTI do hospital São Mateus. É mais uma vítima diagnosticada com Covid-19. O seu quadro clínico se agravou. O pulmão...

Campanha une as primeiras-damas

virginia mendes 400 curtinha   As primeiras-damas Virginia Mendes (foto) e Michelle Bolsonaro, de MT e do país, respectivamente, têm mantido um relacionamento bem estreito no desenvolvimento de projetos e ações sociais. No final de abril, Michelle postou um elogio e divulgou, na sua conta do Instagram, a campanha de...

Se EP recuar, PV lança Stopa a prefeito

justino malheiros 400 curtinha   O ex-presidente da Câmara de Cuiabá e membro do diretório municipal do PV, vereador Justino Malheiros (foto), disse nesta segunda que o partido estará com o prefeito Emanuel Pinheiro até o último momento, apostando no projeto de reeleição do emedebista. Mas,...

Disputa a prefeito e apoio de Sachetti

 luizao_curtinha400   O empresário Luiz Homem de Carvalho, o Luizão (foto), ex-presidente da CDL de Rondonópolis, está mesmo determinado a encarar, pela primeira vez, o teste das urnas para prefeito. E inicia uma oposição dura à gestão Zé do Pátio, que buscará a...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Em Cuiabá, o prefeito suspendeu a decisão de implantar rodízio de veículos entre placas pares e ímpares devido à Covid-19. Mas quer debater a ideia. Você concorda com rodízio?

concordo

discordo

tanto faz

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.