Últimas

Domingo, 18 de Março de 2007, 09h:24 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Preservação, sim; desperdício, não

    As tentativas dos governos no que  tange  à preservação ambiental ainda são muito tímidas, em que pese o grande avanço tecnológico, como é o caso do sistema Detecção de Desmatamento em Tempo Real, que é desenvolvido por um  sensor (modis) que esta acoplado aos satélite (Acqua e terra) e concomitantemente  ao uso  do GPS (Global Posiotioning System), que permitem um  deslocamento  mais preciso até o local degradado. O que tem dificultado uma atuação mais rápida são as grandes  distâncias e a falta de um efetivo contingente para desenvolver os trabalhos. Isso compromete  a manutenção das  florestas em pé.

    Infelizmente, as ações antrôpicas vêm ocorrendo por desrespeito de alguns  e ignorância  de outros. Os trabalhos desenvolvidos  pelos   órgãos  ambientais são extremamente elogiáveis, porém  com pouca  eficácia no que diz respeito à punição dos  infratores, que na maioria das vezes são  multados,  porém não  são  obrigados  a  fazer o PRAD (Programa de  Recuperação  de Áreas Degradadas).

     Após o cometimento do ilícito, a madeira  é transportada de forma ilegal. Quando é   apreendida  pelo órgão de fiscalização no nosso Estado, que é a Secretaria  Estadual do Meio Ambiente, que tem uma atuação  eficiente, diga-se de passagem, a madeira apreendida  é levada para a Delegacia da Natureza, onde é feito  todo procedimento  administrativo  imputando ao proprietário as sanções  legais  a partir de  multas e outras penalidades.

   O produto apreendido é levado ao pátio à  céu-aberto, ficando passível a todo processo  de intemperismo,  e vai-se  ali avolumando  em grandes  lotes  geralmente  madeiras de lei. Esse problema se agrava  neste  período chuvoso, quando tranformam-se  grandes  possas  d’água  e  tem-se início a um processo  de destruição  desse material, levando-se em conta que  a instituição Judicial  no Brasil, por sua natureza,  é longa, complexa e demorada, podendo perdurar por anos, enquanto  aguarda  manifestação da Justiça  acerca  de sua  destinação.

     Em que pese o governador Blairo Maggi   ter  investido  maciçamente   em habitações  populares  de  alvenaria  em  nosso Estado, ainda  há déficit habitacional  e  esta madeira  poderia  ser usada para construção  de casas populares ou até  mesmo ser destinada em prol da sociedade na  forma de doação  a órgãos  da administração  pública,  entidades beneficentes,  religiosas, educacionais, científicas, hospitalares, como preconiza a lei no  artigo  25, parágrafo 2º  da Lei  nº. 9605/98 combinado com o artigo  2º parágrafo 6º , inciso  III  , do decreto nº. 3179/99, que  diz  evitar manter em depósito madeira apreendida  administrativamente,  proporcionando-lhe de  forma  antecipada  destinação  útil.

    O objetivo desta matéria não é polemizar e nem tampouco criar  celeuma. O que  a  população quer  saber é  quem tem competência na  manutenção  desse produto  ora  apreendido, e  se porventura  não for possível  uma  liberação imediata  desse material através dos  órgãos  competentes,   que se busque   um local  adequado  para manutenção  desse  produto perecível. Pior que a agressão ambiental é o desperdício.

    Buscando modelos que deram certo, como o que ocorreu no município de Pimenta Bueno, no Estado de Rondônia, onde  a instalação do DLIS (Desenvolvimento Local  Integrado e Sustentável), que é uma estratégia  de desenvolvimento  que facilita e potencializa a participação coletiva, promove  parcerias  entre  as iniciativas privadas de cidadãos e os  programas públicos, buscando  sinergias  entre as diversas ações  já existentes.

    Participantes do Fórum de Desenvolvimento Local, Prefeitura Municipal, Suframa, Ibama e Sebrae apresentaram sugestões, que resultaram na liberação das madeiras apreendidas que foram doadas com a finalidade de construção  de casas populares, organizados em sistema de mutirão para  atender famílias que apresentam baixo Índice de Desenvolvimento Humano. 

        

   Licio  Antonio  Malheiros é professor, graduado em Geografia e pós-graduado em Didática do Ensino Superior (liciomalheiros@yahoo.com.br)

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Máquinas para reciclar garrafas pets

maquina 400 curtinha   Sob iniciativa da secretaria de Inovação e Comunicação da Capital, dentro dos projetos que buscam a sustentabilidade, a prefeitura vai colocar máquinas de reciclagem de garrafas pets em 15 pontos da cidade e com possibilidade de ampliar os locais de recolhimento. Em troca, o cidadão...

4 fora da reeleição em Rondonópolis

jailton 400 vereador curtinha   Em Rondonópolis, quatro dos 21 vereadores não devem ir à reeleição, sendo eles Thiago Muniz (DEM), Rodrigo da Zaeli (PSDB), Hélio Pichioni (PSD) e Jailton do Pesque e Pague (foto), do PSDB. Thiago e Rodrigo têm esperanças de concorrer a...

Prefeito apoia vice à briga em Cáceres

eliene liberato 400 curtinha   Francis Maris vai mesmo declarar apoio oficial à pré-candidatura da empresária Eliene Liberato à sucessão em Cáceres. Em público, o prefeito faz mistério para não contrariar outros pretensos candidatos do grupo e que têm esperanças de receber...

Preparando um dos aliados a federal

mauro carvalho 400 curtinha   Embora não comente publicamente, o governador Mauro Mendes está "costurando" acordos políticos com líderes mais próximos, visando não só o pleito de 2020, mas também às eleições gerais de 2022. Em época de busca de projetos e de...

Salvando 1º ano de mandato no cargo

selma arruda 400 curtinha   Embora "sangrando" e com a imagem arranhada, a juíza aposentada e senadora cassada pelo TRE-MT Selma Arruda, que trocou o PSL pelo Podemos, consegue concluir este primeiro de oito anos de mandato. E vai se licenciar nos próximos dias para ceder espaço aquele que financiou a sua campanha,...

Barbudo é menos empreguista de MT

nelson barbudo 400 curtinha   Dos oito deputados federais de MT, o estreante Nelson Barbudo (foto) é o menos "empreguista". Nestes 10 primeiros meses de mandato, ele nomeou no gabinete em Brasília e no escritório político em Cuiabá apenas 15 assessores. Cada gabinete pode ter até 25 secretários...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Como você avalia a decisão do Supremo de suspender prisão imediata após julgamento em segunda instância?

Concordo

Discordo

Tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.