Últimas

Quarta-Feira, 17 de Outubro de 2007, 12h:40 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:19

EXCLUSIVO

Presidente do TSE vê risco de cassar Maggi

 O presidente do Tribunal Superior Eleitoral e ministro do Supremo Tribunal Federal, Marco Aurélio de Mello, disse nesta quarta (17), em entrevista exclusiva, por telefone, ao RDNews, que "não queria estar na pele" do governador Blairo Maggi (PR), caso este tenha entregue a ficha de desfiliação do PPS após 27 de março, data a partir da qual passou a validar a regra da fidelidade partidária.

     O ministro explicou ainda, um dia após o TSE estender a fidelidade para ocupantes de cargos no Executivo e no Senado, que no caso de vice, seja de prefeito ou de governador, este não terá direito à cadeira se pertencer à coligação pela qual concorreu às eleições. Sendo assim, o vice-governador Silval Barbosa (PMDB), por exemplo, mesmo não tendo mudado de sigla, não poderá assumir o mandato, caso Blairo Maggi seja efetivamente cassado por ter trocado o PPS pelo PR, após a eleição. "Vai ter que haver nova eleição", destaca Marco Aurélio.

     Para ele, a regra estabelecida pelo TSE é de extrema importância para a política brasileira. "A medida serve de alerta a todos para que se atentem aos princípios e  ainda que observem as regras do jogo, ou seja, o que consta nas leis. Precisamos principalmente de homens públicos que observem a legislação vigente".

    Confira abaixo os principais trechos da entrevista com o presidente do TSE, ministro Marco Aurélio. 

RDNews - A regra da fidelidade partidária vale a partir de quando no caso de prefeitos, governadores e presidente da República que mudaram de legenda após as eleições?

Marco Aurélio de Mello - No próximo dia 25, nós deveremos aprovar uma resolução para disciplinar o processo administrativo de justificação e de abandono da sigla. Daí vamos abordar essa matéria.

RDNews - O que ocorre, ministro, quando o vice que deveria assumir a vaga também tenha mudado de sigla após as eleições?

Marco Aurélio - Não há uma chapa do próprio partido que possa ser observada. No caso, devemos ter novas eleições. Agora, o que devemos presumir é que não haja mais o troca-troca. Nas eleições majoritárias não temos suplentes. Já, no Senado nós temos uma chapa, composta por um titular e dois suplentes. Mas se os suplentes tiverem mudado de partido, se caminha para novas eleições também.

RDNews - No caso de parlamentares, a vaga deve ser requerida pelo partido. E se o partido não o fizer, o suplente pode tomar a iniciativa? Por uma situação de amizade com o parlamentar infiel, o partido pode resistir a idéia de requer a vaga, que por direito é dele. E como fica o suplente?

Marco Aurélio - A idéia é abrir o leque para viabilizar a legitimação de qualquer um dos interessados, e o suplente o seria.

RDNews - Em Mato Grosso, temos o caso de Blairo Maggi, único governador a trocar de partido após as eleições. Ele correrá o risco de perder o mandato?

Marco Aurélio - Antes de 27 de março o Supremo acabou anistiando esses infiéis.

RDNews - Apesar de ter declarado desfiliação do PPS e filiação ao PR antes de 27 de março, parece que o governador entregou a ficha de desfiliação na Justiça Eleitoral depois dessa data.

Marco Aurélio - Eu não gostaria de estar na pele do governador.

RDNews - Quando o detentor de mandato eletivo alega que mudou de partido porque estava sofrendo perseguição interna, como é avaliado esse caso?

Marco Aurélio - Na quinta-feira da outra semana, nós teremos as regras estabelecidas pelo TSE. Elas não existem por enquanto. E esse processo de justificação de abandono da sigla a qual serviu na eleição visa justamente esclarecer esses fatos se a culpa é do partido evidentemente não pode ser prejudicado o candidato eleito e detentor do mandato. Apreciaremos caso-a-caso, mas deve registrar que a regra não é a perseguição política, não é a mudança em si de plataforma pelo partido, mesmo porque a mudança depende de uma deliberação coletiva, e se o partido é uma associação, ele é regido pelas regras do colegiado, a maioria é que define os destinos do partido e não a visão individual do detentor do mandato. Mas, cada caso será analisado, e as provas devem ser apresentadas.

RDNews - Como o senhor avalia essa decisão do TSE pró-fidelidade partidária?

Marco Aurélio - Primeiro, uma revelação da concretude do acabou-se o normativo, e principalmente da nossa Constituição Federal, que precisa ser um pouco mais amada. Segundo, é uma alerta a todos para que se atentem aos princípios e atentem-se para o acabou-se o normativo para a legislação e ainda que observem as regras do jogo, ou seja, o que está nas leis. Precisamos deixar de ser um país simplesmente formal. Temos que procurar a concretude, a realidade, e a eficácia da disciplina legal. Precisamos principalmente de homens públicos que observem a legislação vigente. Ontem, o TSE não legislou, ele simplesmente declarou o alcance da legislação aprovada pelos congressistas. (Pollyana Araújo)

Postar um novo comentário

Comentários (7)

  • José Luís Blaszak | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Com todo o respeito a esse grande Ministro do TSE e do STF, Marco Aurélio de Mello, ouso discordar da interpretação dada sobre a data base da perda de mandato para cargos majoritários, ainda que prematura, tendo em vista o seguinte: se houvesse a possibilidade de alcance da decisão de 27/03/2007 aos cargos majoritários por que não foi feita no teor da mesma? Por uma razão simples, dita na própria sessão que decidia em 27/03/2007, ou seja, a consulta era específica aos cargos proporcionais. Aquela decisão não permitia comunicação entre cargos proporcionais com majoritários. Ora, se lá em 27/03/2007 não se comunicava proporcional com majoritário, por que alcançaria agora? Creio que o STF, no seu pleno, será coerente decidindo pela data base para cargos majoritários a data de 16/10/2007.

  • José Luís Blaszak | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    PARABÉNS pela bela entrevista com o Min. Marco Aurélio de Mello!!!
    1000 pontos para vcs !!!
    Olha, vou profetizar aqui: está a caminho um novo jornal no Mato Grosso!!! Que tal???
    Valeuuuuuuuuuuuuuu Deus abençoe vcs!!
    Abraço fraterno,

    José Luís Blaszak

  • Jeovaldo Rosa de Magalhães | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Olha ai moço, se tudo isso ai que o Srº diz for verdade, o Brasil finalmente vai entrar no eixo da moralidade e construção, mais se for mentira e ninguem for cassado, ai sim, só o juizo final para dar jeito, e nos o POVO continuamos dando dinheiro, para essas pessoas sem justificar para que veio. tem todas as mordomias que o POVO dá de bandeja. Se não funcionar vamos fechar essa casa, que so serve para aumentar ainda mais o gasto do Brasil. E rogar para o Srº Jesus, vir logo para a purificação e acabar com a "desgraça" do POVO num todo. Porque de falação nos já estamos cheio, o que realmente precisamos e de mais ação, e ação concreta, não de demagogia barata, quer dizer "Cara", pois o salario e muito bom, fora as ajudas de tudo que e tipo: Moradia, carro, motorista....etc...etc....Fui......

  • Manoel Stroff | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Eu duvido que 10% do eleitor vote em partido, eu e mais 90% votamos no perfil do candidato, não importando de qual partido ele pertença.
    O que deveria acabar, era com a legenda, uma vergonha um certo candidato fazer mais votos que outro e não assumir a cadeira, que por direito deveria ser sua, simplesmente porque seu partido não atingiu a quantia de votos necessários.
    E ninguem vota em vice, aliás os suplentes de senadores ninguem ver falar, ninguem sabe que são. VERGONHOSO ISSO.

  • wALTER,,,. | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Cambá, desta ves o Governador Maggi, vai pra roça literalmente. O Percival já declarou ao RDNEWS que vai buscar o mandato de governador de Mato Grosso.

    O tempo fecho e nuves negras sobre o Palácio Paiaguas. Eu hêm, vou ficar bém de longe deste furacao só vê o que vais restar.

    Se tiver outra eleição quem será o novo governador????

    walter ,, tijucal

  • Neto | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Eu votei no Blairo Maggi, e não no PPS, como que poderá o governador perder o cargo baseado numa decisão meramente política do TSE, esse ministro Marco Aurélio tem o mesmo sobrenome de um ex presidente, será coincidência?

  • Maneporrete | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    O Min.esteva na reunião onde os Ministros procuravam a Sra. Moral em pleno tribunal. Não a encontraram,e o Sr. perdeu a oportunidade de se pronunciar.Não há partido algum neste País com algum resquicio de ideologia,caro Sr.. O que há é o mais puro fisiologismo,demagogia e corruptos, de cabo a rabo.Saudoso dos holofotes,e vendo uma geladeira abrindo,imagina um flashe e arrogante, abre o penacho e faz o seu desfile. Mas o Min. como todo pavão tem os pés horríveis,e trata de esconde-los,OU SERIAM ELES DE BARRO?!!!

2 da AL em chapas distintas à AMM

nininho 400   Dois deputados estaduais estão divididos em chapas de honra da eleição da AMM, que acontece no próximo dia 15. O curioso é que Ondanir Bortolini, o Nininho (foto), filiado ao PSD e hoje presidente de honra da entidade comandada pelo segundo mandato consecutivo por Neurilan Fraga (PL), caiu fora da...

Trentini perde de novo para Pitucha

roland trentini 400 curtinha   Na queda-de-braço nos bastidores, o ex-prefeito por três mandatos de Alto Garças, Roland Trentini (foto), perdeu de novo para o rival político histórico, o também ex-prefeito Júnior Pitucha. Ambos, que já protagonizaram disputas acirradas, tensas e...

2 maiores líderes sob crise partidária

mauro mendes 400 curtinha   Os dois maiores chefes de Executivos em MT hoje enfrentam problemas partidários internamente. O governador Mauro Mendes (foto), mesmo sendo a principal estrela do DEM no Estado, não está confortável dentro do partido por causa de conflitos com os irmãos Júlio e Jayme Campos....

MM e deputados derrotados do MDB

carlos bezerra 400 curtinha   Por coincidência, deputados do MDB que tiveram seus candidatos derrotados nas urnas estão de afagos com o governador Mauro. E até convidaram-no para deixar o DEM e migrar para o MDB, numa articulação do cacicão do partido, o federal Carlos Bezerra (foto), que puxou a corda da...

Os Maia fincam força no Legislativo

silvio maia 400   O ex-prefeito por quatro vezes de Alto Araguaia, Maia Neto, perdeu nas urnas na majoritária, mas ganhou na proporcional. De um lado, a irmã Martha Maia, seu braço-direito durante todos os mandatos, foi derrotada à prefeita por Gustavo Melo, que se reelegeu. Por outro, Maia Neto viu dois dos seus...

Reeleito, Gustavo derruba o clã Maia

gustavo melo 400   O jovem prefeito de Alto Araguaia, Gustavo de Melo (foto), de 36 anos, manteve mesmo o "apertado" favoritismo, conforme mostrou na reta final a pesquisa do instituto Analisando, e derrotou o clã Maia. Venceu por 962 votos de diferença. Filiado ao PSB, Gustavo chegou a 4.805, enquanto Martha Maia (PP) registrou 3.840...