Últimas

Sexta-Feira, 28 de Novembro de 2008, 21h:25 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:22

AGRONEGÓCIO

Problema nacional e solução em conta gotas

   A atual crise financeira, hoje de âmbito mundial, teve início nos EUA com as garantias imobiliárias superavaliadas pelos bancos credores. A avaliação mais realista diz que estas garantias não cobrem 60% da carteira americana de créditos imobiliários. É o chamado subprime imobiliário. O estouro desta bolha teve um efeito dominó, quebrando bancos, financeiras, corretoras e disparou a recessão econômica naquele país, varrendo o sistema financeiro mundial.

   O governo Lula tem se esforçado em negar a chegada da crise na economia brasileira, em razão da solidez dos fundamentos econômicos, controle da inflação, saldo da balança comercial e equilíbrio do sistema bancário. A verdade, no entanto, é que não se apresentou nenhum fator desencadeante da crise brasileira, até agora.

   Corremos o risco de desatarmos um subprime do endividamento rural que, paira como uma sombra sobre a atividade rural. É um fato inquestionável que a carteira de garantias das dívidas dos agricultores junto aos bancos credores, especialmente os bancos de fábrica, representadas por máquinas e equipamentos de produção, não garantem 40% das dívidas do setor. Se houver uma insolvência geral e articulada, a bolha do subprime agrícola pode arrebentar, levando de roldão os bancos de montadoras. E, independente da ação do governo, se quebrar um, ou mais bancos, todo o sistema bancário será vulnerabilizado. A crise bateria à porta da economia brasileira, quebrando indústrias, bancos, corretoras e financeiras. Este filme nós já assistimos nos EUA há pouco tempo e, sabemos no que deu.

   A economia de um país emergente, caso do Brasil, não é feita só dos setores, bancário, automobilístico e de energia, segmentos que estão recebendo atenção política e financeira do governo, que não admite trabalhar com a hipótese destes setores desandarem. A economia também é integrada pelo agronegócio. Não custa lembrar que a produção rural responde por mais de 35% das exportações brasileiras.

   É chegado o momento do Governo Federal abandonar as medidas paliativas, utilizadas na última década para empurrar com a barriga a questão do endividamento rural brasileiro e, articular um grande pacto nacional com o setor. Este pacto terá que sustentar uma nova política para o campo, que garanta crédito para a produção, renda para o produtor, garantia de preços mínimos de mercado para os produtos de exportação e da cesta básica e, um escalonamento das dívidas fundadas, em prazos e condições que permitam ao agricultor planejar sua quitação sem comprometer a renda da sua atividade.

   A decisão de ontem (27) do Judiciário mato-grossense, concedendo liminar à ação civil pública, movida pelo Comitê da Crise Rural, através da Famato, é apenas uma vitória parcial. O Comitê, formado pela Famato, Aprosoja, Sindicato Rural de Rondonópolis, Aprosmat e Ampa, sabe que só adiamos uma solução. A iniciativa agora passa a ser do Governo Federal, na medida em que é uma boa hora de resolver a crise no campo de forma definitiva. Até porque esperar que esta crise se transforme na bolha do subprime agrícola, cujo estouro jogaria no chão a economia brasileira seria, no mínimo, irresponsabilidade política do Governo Federal.

   O Judiciário reconheceu a insensatez de se tomar máquinas dos produtores no meio da safra. Foi mais longe em sua decisão ao proibir a inclusão de agricultores, que não quitaram a parcela de outubro da dívida, nos serviços de proteção ao crédito. Duas decisões que repõem um mínimo de racionalidade no trato da questão do campo, resgatando a tranqüilidade para o produtor continuar os trabalhos da safra. O Governo Federal tem, agora, que fazer sua parte e buscar um novo pacto efetivo e, definitivo, com o setor produtivo rural.

    Ricardo Tomczyk é advogado, produtor rural, presidente do Sindicato Rural de Rondonópolis e diretor da Aprosoja-MT

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Apelo dramático da Santa Casa de ROO

bianca talita 400 santa casa roo   A superintendente da Santa Casa de Rondonópolis, Bianca Talita (foto), fez um apelo dramático nesta terça, num grupo de WhatsApp, esperando sensibilizar o prefeito Zé do Pátio a repassar com urgência os recursos que estão repressados no Fundo Municipal de...

Emendas para todos os 24 deputados

Max 400 curtinha   O presidente da Assembleia, Max Russi (foto), em visita ao Grupo Rdnews, quando concedeu entrevista ao portal e à tv web Rdtv, defendeu as emendas impositivas, que são indicadas pelos deputados e pagas pelo governo, via orçamento. Lembra que são instrumentos importantes para fazer com que obras e...

Deputado defende cultos com até 600

sebastiao rezende 400   Num momento em que a segunda onda de contaminação pelo novo coronavírus avança em MT, levando o governo a retomar medidas restritivas para evitar colapso, já que cerca de 90% das UTIs estão lotadas, o deputado Sebastião Rezende (foto), da Igreja Assembleia de Deus, teve a...

"Batida" em apresentador por engano

ricardo martins 400   Durante a dupla operação deflagrada pela PF nesta terça em alguns municípios de MT, entre eles Cuiabá, agentes federais, por um equívoco no cumprimento de mandados, acabou batendo na porta do apresentador da TV Cidade Verde, Ricardo Martins (foto), que não tem a ver com o caso....

Paccola é cotado para diretor-geral

gianmarco paccola 400   O discreto e atuante delegado Gianmarco Paccola (foto), hoje diretor-geral-adjunto da Civil, já desponta nos bastidores como nome preferencial do Palácio Paiaguás para eventual substituição a Mário Demerval, que deve mesmo deixar o posto de diretor-geral para disputar as...

Luta pra isentar parte dos aposentados

eduardo botelho 400 curtinha   Primeiro-secretário da Assembleia, Eduardo Botelho (foto) disse que foi criada espécie de força-tarefa dos deputados para fechar um acordo com o governo, de modo a ajudar aposentados e pensionistas e portadores de doenças raras para isenção do pagamento da alíquota da...

MAIS LIDAS