Últimas

Segunda-Feira, 15 de Outubro de 2007, 05h:58 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:19

VARIEDADES

Proposta de Emenda Constitucional n.º 333/ 2004

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO N.º  333, DE 2004

(De Deputado Pompeo de Mattos)

“Modifica a redação do art. 29A e acrescenta art. 29B à
Constituição Federal para dispor sobre o limite de
despesas e a composição das Câmaras de Vereadores e
dá outras providência.”
AS MESAS DA CÂMARA DOS DEPUTADOS E DO SENADO
FEDERAL, nos termos do art. 60 da Constituição Federal, promulgam a seguinte
Emenda ao texto constitucional:
Art. 1º O art. 29A da Constituição Federal passa a vigorar com a
seguinte redação:
“Art. 29A
........................................................................................................................................
I – 7,5% (sete inteiros e cinco décimos por cento) para Municípios com
população de até 100.000 (cem mil) habitantes;
II – 6,5% (seis inteiros e cinco décimos por cento) para municípios com
população de mais de 100.000 (cem mil) e de até 250.000 (duzentos e cinqüenta mil)
habitantes;
III – 5,5% (cinco inteiros e cinco décimos por cento) para Municípios
com população de mais de 250.000 (duzentos e cinqüenta mil) e de até 500.000
(quinhentos mil) habitantes;
IV – 5% (cinco por cento) para Municípios com população de mais de
500.000 (quinhentos mil) e de até 1.500.000 (um milhão e quinhentos mil) habitantes;
V – 4,5% (quatro inteiros e cinco décimos por cento) para Municípios
com população de mais de1.500.000 (um milhão e quinhentos mil) e de até 3.000.000
(três milhões)de habitantes;
VI – 4% (quatro por cento) para Municípios com população acima de
3.000.000 (três milhões) de habitantes;
...............................................................................................................................................
Art. 2º A Constituição Federal passa a vigorar acrescida do seguinte
art. 29B;
“Art. 29B. Para a composição das Câmaras Municipais em todo o
Brasil, serão observados os seguintes limites:
I – 7 (sete) Vereadores, nos Municípios de até 5.000 (cinco mil)
habitantes;
II – 9 (nove) Vereadores, nos Municípios de mais de 5.000 (cinco mil) e
de até 15.000 (quinze mil) habitantes;
III – 11 (onze) Vereadores, nos Municípios de mais de 15.000 (quinze
mil) e de até 25.000 (vinte e cinco mil) habitantes;
IV – 13 (treze) Vereadores, nos Municípios de mais de 25.000 (vinte e
cinco mil) e de até 45.000 (quarenta e cinco mil) habitantes;
V – 15 (quinze) Vereadores, nos Municípios de mais de 45.000
(quarenta e cinco mil) e de até 70.000 (setenta mil) habitantes;
VI – 17 (dezessete) Vereadores, nos Municípios de mais de 70.000
(setenta mil) e de até 100.000 (cem mil) habitantes;
VII – 19 (dezenove) Vereadores, nos Municípios de mais de 100.000
(cem mil) e de até 250.000 (duzentos e cinqüenta mil) habitantes;
VIII – 21 (vinte e um) Vereadores, nos Municípios de mais de 250.000
(duzentos e cinqüenta mil) e de até 500.000 (quinhentos mil) habitantes;
IX – 23 Vereadores, nos Municípios de mais de 500.000 (quinhentos
mil) e de até 600.000 (seiscentos mil) habitantes;
X – 25 (vinte e cinco) Vereadores, nos Municípios de mais de 600.000
(seiscentos mil) e de até 700.000 (setecentos mil) habitantes;
XI – 27 (vinte e sete) Vereadores, nos Municípios de mais de 700.000
(setecentos mil) e de até 800.000 (oitocentos mil) habitantes;
XII – 29 (vinte e nove) Vereadores, nos Municípios de mais de 800.000
(oitocentos mil) e de até 900.000 (novecentos mil) habitantes;
XIII – 31 (trinta e um) Vereadores, nos Municípios de mais de 900.000
(novecentos mil) e de até 1.000.000 (um milhão) habitantes;
XIV – 33 (trinta e três) Vereadores, nos Municípios de mais de
1.000.000 (um milhão) e de até 1.200.000 (um milhão e duzentos mil) habitantes;
XV – 35 (trinta e cinco) Vereadores, nos Municípios de mais de
1.200.000 (um milhão e duzentos mil) e de até 1.600.000 (um milhão e seiscentos mil)
habitantes;
XVI – 37 (trinta e sete) Vereadores, nos Municípios de mais de
1.600.000 (um milhão e seiscentos mil) e de até 2.000.000 (dois milhões) de habitantes;
XVII – 39 (trinta e nove) Vereadores, nos Municípios de mais de
2.000.000 (dois milhões) e de até 3.000.000 (três milhões) de habitantes;
XVIII – 41 (quarenta e um) Vereadores, nos Municípios de mais de
3.000.000 (três milhões) e de até 4.000.000 (quatro milhões) de habitantes;
XIX – 43 (quarenta e três) Vereadores, nos Municípios de mais de
4.000.000 (quatro milhões) e de até 5.000.000 (cinco milhões) de habitantes;
XX – 45 (quarenta e cinco) Vereadores, nos Municípios de mais de
5.000.000 (cinco milhões) e de até 6.000.000 (seis milhões) de habitantes;
XXI – 47 (quarenta e sete) Vereadores, nos Municípios de mais de
6.000.000 (seis milhões) e de até 7.000.000 (sete milhões) de habitantes;
XXII – 49 (quarenta e nove) Vereadores, nos Municípios de mais de
7.000.000 (sete milhões) e de até 8.000.000 (oito milhões) de habitantes;
XXIII – 51 (cinqüenta e um) Vereadores, nos Municípios de mais de
8.000.000 (oito milhões) e de até 9.000.000 (nove milhões) de habitantes;
XXIV – 53 (cinqüenta e três) Vereadores, nos Municípios de mais de
9.000.000 (nove milhões) e de até 10.000.000 (dez milhões) de habitantes;
XXV – 55 (cinqüenta e cinco) Vereadores, nos Municípios de
população acima de 10.000.000 (dez milhões) de habitantes.”
Art. 3º A população de cada Município, para os fins do art. 29B da
Constituição Federal, será a constante da estimativa mais atualizada do órgão oficial de
estatística.
Art. 4º Revoga-se o inciso IV do art. 29 da Constituição Federal.
Art. 5º Esta Emenda Constitucional entra em vigor na data de sua
promulgação, com efeitos para a Legislatura à iniciar-se em 1º de janeiro de 2009.
JUSTIFICATIVA
A nossa Proposta de Emenda à Constituição tem por escopo alterar a
redação do art. 29A, bem como inserir o art. 29B, da Constituição Federal, de forma a
fixar os limites máximos de Vereadores para os Municípios, observando a
proporcionalidade populacional.
Ainda que o legislador constituinte originário tenha concebido os limites mínimo e
máximo de acordo com a proporcionalidade à população do Município, atribuiu às leis
orgânicas dos Municípios, observada a autonomia municipal, a definição do seu número
de vereadores, observados os limites constitucionais.
Com a autonomia Municipal, constitucionalmente prevista, os Muncípios
passaram a definir os seus mínimos e máximos, gerando distorções que ferem o princípio
da proporcionalidade. Assim proliferaram Ações Civis Públicas questionando o número
de vereadores em Municípios em todo o território nacional.
Foram tantas as Ações que o Tribunal Superior Eleitoral, num primeiro
pronunciamento sobre a matéria, tendo como Relator o Ministro Maurício Correa,
declarou a inconstitucionalidade de dispositivo de Lei Orgânica (Município de Mira
Estrela), por considerar que a redação constitucional estabelece um critério de
proporcionalidade aritmética para o cálculo do número de Vereadores, não cabendo aos
Municípios alterá-lo. Concomitantemente ao entendimento na lide supra, editou a
Resolução nº 21 702, em 02 de abril de 2004, fixando faixas populacionais com número
exato de vereadores para cada faixa, a partir de Município com 47.619 habitantes.
Tal Resolução suscitou, não obstante a necessidade entendida pelo Pretório
Excelso, dúvidas quanto à constitucionalidade do ato, muito embora contivesse, no seu
bojo, dispondo, in verbis:
“Art. 3º. Sobrevindo emenda constitucional que altere
o art. 29, IV, da Constituição, de modo a modificar os
critérios referidos no art. 1º, o Tribunal Superior
Eleitoral promoverá a observância das novas
regras.”
Assim, diante de todo o histórico precedente, de fato torna-se imperativo que o
dispositivo constitucional despose nova redação estabelecendo de maneira irrefutável os
limites para o número de vereadores municipais.
A nossa proposta deve ser interpretada como sendo uma forma de reduzir as
despesas com o Poder Legislativo local. Essa afirmação é ainda mais relevante se
considerarmos que está alterando a redação dada pela PEC nº 574, de 2002, que alterou a
redação dada ao art. 29A da Constituição Federal.
A definição do número de Vereadores, em função do número de habitantes do
Município, diz respeito à representavidade da população dentro da Câmara de
Vereadores, em face do referido princípio da democracia representativa.
Com a nossa proposta aplica-se o princípio da isonomia, absolutamente necessária
para evitar-se as desigualdades econômicas também na representação municipal em
decorrência da receita auferida. São 5.554 municípios e, por certo, grandes desigualdades
que, se não ajustadas constitucionalmente, agravarão os desequilíbrios regionais e de
representatividade. Tampouco essa representatividade pode ser tratada ao pé da letra, uma
vez que o disparate pela aplicação da proporcionalidade aumentaria desmesuradamente as
Câmaras Municipais.
Assim optamos por estabelecer 25 faixas, com números exatos, cada faixa por um
número ímpar de vereadores para facilitar o processo de deliberação local. Assim,
atendidos os pressupostos, esperamos merecer a acolhida dos nobres Pares deste Poder
para a aprovação de nossa Proposta, sem comprometer a representatividade e a
determinação constitucional.
Sala das Sessões, 20 de outubro de 2004
POMPEO DE MATTOS
DEPUTADO FEDERAL
VICE-LÍDER -PDT

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Ex-prefeito no páreo em Alta Floresta

robson silva 400 curtinha   Alta Floresta, uma das cidades pólos do Nortão, tem sete candidatos a prefeito. Um deles é Robson Silva (foto), empresário, ex-prefeito entre 93 e 96 e que concorre pelo MDB, mesmo partido do prefeito Asiel Bezerra, que está encerrando o segundo mandato e se tornou um dos principais...

Vice sinopense quer retornar à Câmara

gilson de oliveira 400 curtinha   O vice-prefeito de Sinop e apresentador de TV, Gilson de Oliveira (foto), resolveu concorrer a vereador, cadeira já ocupada por ele por dois mandatos, o primeiro pelo PSDB, entre 2005 e 2008, e, depois, pelo PSD (2009/2012). Foi candidato a deputado estadual duas vezes (2006 e 2010) e, como suplente da...

Vice que morreu na praia em Tangará

renato gouveia 400 curtinha   Assim que percebeu que não seria escolhido pelo prefeito Fabio Junqueira (MDB) como o candidato governista na briga pela Prefeitura de Tangará da Serra, ainda em junho, o vice-prefeito Renato Gouveia (foto), do PV, correu para os braços do tucano Vander Masson. Levou com ele uma chapa de 21...

Câmara chama secretária para vaga

chico 2000 curtinha   Após a destituição de Ralf Leite (MDB) da vaga de Chico 2000 (foto), licenciado, por força de decisão judicial, a Câmara de Cuiabá convocou a primeira suplente Luciana Zamproni (MDB) para assumir mandato temporário no Legislativo, menos de 30 dias. Ela atua como...

PTB perdeu uns, mas ganhou outros

emanuelzinho 400   Em Várzea Grande, enquanto alguns militantes do PTB, puxados pelo secretário jaymista Silvio Fidelis foram para os braços do candidato a prefeito Kalil Baracat (MDB), que tem Hazama (DEM) de vice, militantes de outras legendas decidiram abraçar a candidatura do petebista Emanuelzinho (foto). São...

PT de Cuiabá passivo; ROO, autêntico

kleber amorim 400 curtinha   O PT de Rondonópolis se organizou melhor, mobilizou a militância, se tornando mais autêntico do que o núcleo petista de Cuiabá. Para se ter ideia, o partido, numa posição de coragem e levando preocupação ao prefeito Zé do Pátio, que tinha...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você acha que o efeito-Bolsonaro terá impacto no resultado das eleições de novembro em MT?

sim - onda Bolsonaro continua

não - efeito não influencia mais

sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.