Últimas

Sábado, 30 de Junho de 2007, 08h:50 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:16

Artigo

Proteção e Acolhimento

     O Estatuto da criança e do adolescente prevê em seu art. 1º a proteção integral à criança e ao adolescente, mas, infelizmente, nossas crianças e adolescente cada dia mais estão envolvidos com a prática de atos infracionais de forma assustadora e chamando cada vez mais atenção de toda a sociedade.
     Os adolescentes vivem em conflito com a lei, no contexto do tráfico e consumo de drogas, assassinatos, roubos, entre outros delitos que tem invadido a base de nossa sociedade e provocando a degradação familiar.
     A legislação garante ao adolescente autor de ato infracional proteção integral, assegurando-lhes, por lei ou por outros meios, todas as oportunidades e facilidades, a fim de lhes facultar o desenvolvimento físico, mental, moral, espiritual e comunitário.
     Essa proteção é representada pela re-educação, através da aplicação das medidas sócio-educativas. Educação esta que difere da punição, uma vez que educar se baseia em oferecer um lugar propício para a assimilação de conhecimentos e punir constitui apenas o ato de aprisionar, excluir da sociedade.
     A sociedade brasileira não pode permitir que as nossas crianças e adolescentes sejam expostas às violações aos seus direitos fundamentais inerentes a pessoa humana, tais como: maus tratos, o abuso e a exploração sexual, a exploração do trabalho infantil; as adoções irregulares, o tráfico internacional e os desaparecimentos; a fome; o extermínio, a tortura e as prisões arbitrárias, Essas violações, infelizmente, ainda compõem o cenário por onde desfilam nossas crianças e adolescentes.      Essa proteção é oriunda da Carta Magna, segundo o qual: "é dever da família, da sociedade e do      Estado assegurar à criança e ao adolescente, com absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária".
     Para transformamos a lei em pleno exercício da cidadania e promoção da doutrina da proteção integral é preciso entender o Estatuto da Criança e do Adolescente como um projeto de sociedade, na medida em que chama família, sociedade e poder público a participar de ações articuladas e planejadas na busca de uma existência digna à todas as crianças e adolescentes brasileiras, pois só assim, efetivamente estaremos cumprindo a lei que determina a proteção integral às nossas crianças e adolescentes
     Contudo, para que a sociedade brasileira, possa fazer valer a lei, em todos os seus aspectos da vida social, torna-se urgente e inadiável que, além da proteção integral, é imperioso que acolhamos as nossas crianças e adolescentes. Esse acolhimento é feito de duas formas: o acolhimento familiar e o acolhimento institucional.
     Acolhimento familiar: é o ato de acolher e cuidar dos filhos de outra pessoa por um tempo determinado, onde uma família acolhe em sua casa uma criança filho de uma outra família.
     Acolhimento institucional: é o atendimento realizado por instituições governamentais e não governamentais.
     O acolhimento é voltado para crianças e adolescentes em situação de risco pessoal e social, ou seja, que estejam sendo vítimas de violência, abandono, dentre outras formas reprováveis a que são submetidas nossas crianças e adolescentes.
     Para a concretização desse acolhimento necessário se faz que o Poder Público invista, principalmente na área de prevenção, de capacitação profissional, do re-ordenamento das instituições de atendimento as crianças e adolescentes, bem como o atendimento especializado, inclusive às famílias.
     É imperioso que o Poder Público priorize os investimentos para concretizar os direitos humanos das nossas crianças e adolescentes, pois só assim, numa ação orquestrada entre a sociedade civil organizada e o poder público, conseguiremos dar proteção, acolhimento e a possibilidade de resgatá-las da situação de abandono na qual se encontram, dando-lhes a possibilidade de ressocialização para que tenham uma existência digna.
    Proteger e acolher devem ser o ideal a ser alcançado por todos os setores da sociedade civil organizada, pois só assim, as nossas crianças e adolescentes efetivamente serão prioridade absoluta e terão os seus direitos fundamentais garantidos.


Ana Cristina da Silva é juíza de Direito da Vara Especializada da Infância e Juventude da Comarca de Várzea Grande

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

4 fora da reeleição em Rondonópolis

jailton 400 vereador curtinha   Em Rondonópolis, quatro dos 21 vereadores não devem ir à reeleição, sendo eles Thiago Muniz (DEM), Rodrigo da Zaeli (PSDB), Hélio Pichioni (PSD) e Jailton do Pesque e Pague (foto), do PSDB. Thiago e Rodrigo têm esperanças de concorrer a...

Prefeito apoia vice à briga em Cáceres

eliene liberato 400 curtinha   Francis Maris vai mesmo declarar apoio oficial à pré-candidatura da empresária Eliene Liberato à sucessão em Cáceres. Em público, o prefeito faz mistério para não contrariar outros pretensos candidatos do grupo e que têm esperanças de receber...

Preparando um dos aliados a federal

mauro carvalho 400 curtinha   Embora não comente publicamente, o governador Mauro Mendes está "costurando" acordos políticos com líderes mais próximos, visando não só o pleito de 2020, mas também às eleições gerais de 2022. Em época de busca de projetos e de...

Salvando 1º ano de mandato no cargo

selma arruda 400 curtinha   Embora "sangrando" e com a imagem arranhada, a juíza aposentada e senadora cassada pelo TRE-MT Selma Arruda, que trocou o PSL pelo Podemos, consegue concluir este primeiro de oito anos de mandato. E vai se licenciar nos próximos dias para ceder espaço aquele que financiou a sua campanha,...

Barbudo é menos empreguista de MT

nelson barbudo 400 curtinha   Dos oito deputados federais de MT, o estreante Nelson Barbudo (foto) é o menos "empreguista". Nestes 10 primeiros meses de mandato, ele nomeou no gabinete em Brasília e no escritório político em Cuiabá apenas 15 assessores. Cada gabinete pode ter até 25 secretários...

Rossato quer "minar" reeleição de Ari

dilceu rossato 400 curtinha   Em Sorriso, a capital nacional do agronegócio, a tendência é da disputa à sucessão no próximo ano ficar polarizada entre o prefeito Ari Lafin, do PSDB, e seu antecessor, Dilceu Rossato (foto), hoje filiado ao PSL. Embora se movimente nos bastidores, o deputado Xuxu Dal Molin...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Como você avalia a decisão do Supremo de suspender prisão imediata após julgamento em segunda instância?

Concordo

Discordo

Tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.