Últimas

Quinta-Feira, 21 de Dezembro de 2006, 05h:29 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Quando o Congresso trabalha

   O economista Paulo Ronan afirma, em artigo no Diário de Cuiabá desta quinta (21), que "todas as reviravoltas que ocorreram nos processos de inserção do setor privado no setor de saneamento foram por conta da falta de regulação para o setor".

Leia reprodução abaixo

Quando o Congresso trabalha

         Todas as reviravoltas que ocorreram nos processos de inserção do setor privado no setor de saneamento foram por conta da falta de regulação para o setor. A retirada das gigantes do ramo da América Latina foi explicada no sentido de que faltaria ao continente segurança jurídica. Não conheço os motivos da saída da Águas de Barcelona de Campo Grande, mas a retirada dos franceses de Manaus e de Buenos Aires e do grupo que operava em Manágua, na Nicarágua, seria a tal “falta de regras claras”. Kirchner anunciou ontem (escrevo na quarta) que manterá a política de congelamento de tarifas na Argentina. Acredita ser isso que vem mantendo o país com taxas de crescimento chinês. Isso deve ocasionar um recuo até em privatizações de outros setores. Torcer para a América Latina dar certo é pior que torcer para o Japão de Zico na copa do mundo.

        Mas esta desculpa acabou. O Congresso aprovou no último dia 12 a lei que vai regulamentar a atividade no Brasil, que será seu marco regulatório. Ninguém duvida da sanção do presidente Lula. Foi aprovado por acordo de líderes e ele costuma honrar estas tratativas, principalmente da Câmara, embora não honre muito coisa de Mercadante no Senado.

        Fruto de um ampla discussão, seu relator Dep. Júlio Lopes, do Rio de Janeiro, foi competente na condução do projeto de lei. Exauriu a discussão com a sociedade e todo mundo foi ouvido. Viajou muito e esteve inclusive em Cuiabá. Talvez tenha sido esta saudável democracia que o levou, talvez, a cometer um único erro no projeto. O texto final se omitiu quanto a titularidade do serviço, se municipal, estadual ou da união. Ontem pela manhã (quarta) estive com um especialista que me falou que faltou consenso no Congresso e o relator preferiu um julgamento da nossa suprema corte para uma posterior regulamentação.

       Outra confusão feita pela imprensa não dizia respeito ao projeto. ‘Uma possível compensação no imposto a recolher do ICMS da energia elétrica das empresas de saneamento. Isto é matéria em outro projeto de lei que trata do assunto para o comércio e tais empresas sonham pegar uma carona. A indústria já goza deste benefício.

       O resto é só coisa boa, e segundo os entendidos resolverá a falta de investimento do setor. Estima o governo federal ser de 100 bilhões de dólares o que precisaria para equacionar o problema do saneamento básico no Brasil. Em Cuiabá, segundo cálculos da equipe do prefeito Wilson Santos, mais de 150 milhões, acima do que estimou, mas não diferente em dimensão enquanto problema, a UFMT, em 100 milhões. É muito dinheiro que talvez o poder público não tem onde arrumar, daí a a lei aprovada criar toda uma proteção para a entrada do setor privado no negócio. Por exemplo, será permitido compensar valores investidos no PIS/PASEP e no CONFINS. Muito boa esta solução.

       Admite e até sugere a concessão aos municípios do serviço, aliada a criação de conselhos consultivos e até de gestão. E determina ficar a tarefa de planejamento indelegável, ou seja, mesmo no caso de conceder o serviço fica o titular, aqui em Cuiabá o município, como responsável pelo planejamento. Junto a isso cria sob sua responsabilidade o plano de saneamento básico, também indelegável. Caminha desta forma o texto final para valorizar o controle social do serviço principalmente quando delegado.

       Bloqueia o acesso de concessionários a recursos orçamentários federais e aos recursos do FGTS e do FAT, o que deve provocar uma seleção natural, dando-lhes, portanto, um perfil de maior musculatura econômico-financeira. Em outras palavras, os aventureiros estarão fora. Valoriza as cooperativas de catadores e outras instituições ligadas ao setor e torna extremamente rigoroso o processo de licitacão para contratação de prestador de serviço.

       Traz no seu interior toda uma preocupação com o papel do município na vigilância, controle e avaliação quando o serviço for delegado e protege de forma ardente o consumidor, inclusive tratando da questão da suspensão do serviço, o famoso corte.

       Por último arruma briga com os Correios tirando-lhes o monopólio da entrega das contas de água. Faz isso de forma inteligente ao classificar tal serviço como não postal. Deve gerar a primeira briga na justiça.


     * PAULO RONAN é economista, ex-professor de Economia da UFMT  (
cpmpj@uol.com.br)

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Os virtuais candidatos a governador

ygor moura 400   Mesmo que timidamente, alguns começam a externar, em privado, o desejar de disputar o governo estadual por um bloco de oposição, contrapondo o projeto de reeleição de Mauro Mendes. O empresário Ygor Moura (foto), da rede de clínicas de depilação Espaçolaser,...

Nomes "de fora" pra deputado federal

valtenir pereira 400   Enquantos os oito deputados da bancada federal de MT (Barbudo, Medeiros, Leonardo, Rosa Neide, Juarez, Bezerra, Emanuelzinho e Neri) vão em busca da reeleição, na esperança de continuarem em Brasilia por mais quatro anos, outros líderes correm por fora, dispostos a também entrar na...

Todos federais vão tentar a reeleição

carlos bezerra 400   Todos os oito deputados federais mato-grossenses estão trabalhando projeto de reeleição. Mas um resolveu espalhar, em paralelo, a ideia de tentar o Senado: Neri Geller (PP). Sabe-se, porém, que a jogada do deputado de Lucas do Rio Verde e que já foi ministro da Agricultura não passa de...

Mil cestas básicas vão para músicos

alberto machado 400   O secretário estadual de Cultura, Esporte e Lazer, Alberto Machado, o Beto 2 a 1 (foto), está comemorando a decisão do governador Mauro Mendes e da primeira-dama Virginia Mendes, que desenvolve ações sociais de forma voluntária, de disponibilizar mil cestas básicas para...

Assembleia cede espaço pra vacinação

Eduardo Botelho _ 400   O prefeito cuiabano Emanuel Pinheiro procurou e encontrou apoio da Assembleia para ampliar locais de vacinação da população contra Covid-19. Em reunião nesta sexta entre o prefeito e os deputados Eduardo Botelho (foto), Paulo Araújo e João José, que preside a...

VG fatura com os clientes da Capital

Com o feriado em Cuiabá nesta quinta (8), por força do aniversário de 302 de emancipação político-administrativa, o movimento no comércio migrou para a vizinha Várzea Grande, segundo maior município do Estado. Em alguns trechos, especialmente na região central, registrou-se congestiomanento no trânsito praticamente o dia todo. Em tempos de pandemia e com horário de funcionamento reduzido, lojistas e comerciantes...