Últimas

Quarta-Feira, 06 de Junho de 2007, 09h:08 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Quem somos e o que queremos

       A opinião pública brasileira - e particularmente a mato-grossense - ainda não assimilou com clareza a formação do Bloco de Esquerda integrado pelo PCdoB, PSB, PDT, PMN, PRB, PHS e PAN. Muitos acreditam que é um mero bloco parlamentar para dar mais visibilidade e voz a esses partidos no Congresso Nacional. Já outros imaginam que se trata apenas de uma reunião de nanicos para tentar melhorar resultados eleitorais no pleito do ano que vem. Há ainda os que consideram que o Bloco de Esquerda é o presságio de uma ruptura com o PT e o Governo Lula. Ledo engano.
     Primeiro, é importante informar quem é esse bloco e o que ele representa. Os partidos que o integram formam a chamada esquerda partidária brasileira, embora reconheça que PT e PPS, fora do bloco, também se alinham no campo da esquerda. (O PPS está fora por uma opção política equivocada de se opor ao governo Lula).
     Juntos, os sete partidos do bloco somam 78 deputados federais, 8 senadores, governadores e grande número de prefeitos e vereadores em todo o país. Constitui-se, portanto, numa força política expressiva.
     Sua finalidade fundamental é articular e aglutinar essas forças de esquerda para impulsionar medidas e ações políticas que garantam o avanço do Brasil e do Governo Lula; e ao mesmo tempo se constitua num contraponto concreto às políticas conservadoras – no momento em que a luta de classes em escala global, e particularmente na América do Sul, ocorre de maneira intensa.
     No seu espectro ideológico, o bloco se afirma como uma referência de valores como a soberania nacional, a autodeterminação dos povos, a inclusão social, o desenvolvimento sustentado, o combate à fome, às oligarquias financeiras e ao capital predador, entre outros. São pontos convergentes a todos os partidos do bloco.
     No plano político, o bloco se identifica como parte da coalizão que dá sustentação ao governo do presidente Lula, ao qual ajudamos a eleger e do qual participamos. E aqui reside uma particularidade do bloco: por se tratar de um governo de coalizão, é natural que haja contradições no seu seio, e que as diferentes forças políticas, embora aliadas pela convergência de governo, travem uma luta política e ideológica sobre inúmeros temas. É o que chamam de unir sem misturar. Somos aliados, mas somos diferentes.
     O bloco de esquerda visa, nessa dimensão, garantir que a esquerda consiga exercer influência real nos rumos do Governo Lula, sendo o fiador dos compromissos assumidos pelo presidente com o povo brasileiro e os movimentos sociais durante a última campanha.
     Tarefa que, reconheça-se, não cabe apenas ao PT, uma vez que, na condição de partido do presidente, partido majoritário do governo, precisa ter uma relação mais flexível com as demais forças que compõem a coalizão nacional.
     Não significa, portanto, que o Bloco de Esquerda esteja ou deseja romper com o PT. Ao contrário, o Bloco tem a missão de fortalecer o núcleo de esquerda dentro do governo, e também nos movimentos sociais, na sociedade. E, nesse intercurso, o PT continua sendo um aliado estratégico dos partidos que compõem o Bloco, especialmente do PCdoB.
     Isso passa pelas eleições municipais de 2008 e pelas eleições estaduais e a federal de 2010? Certamente que sim. Uma das formas dos partidos políticos influenciarem a sociedade é disputando os espaços públicos, conquistando e exercendo poder. Mas, reconheça-se também, não seria correto afirmar que o bloco só se coligará entre si. O bloco, ao contrário, deverá formar um núcleo para as mais amplas coligações.
     Para nós do PCdoB está claro que o Brasil vive um momento peculiar da sua história, com avanços concretos na luta popular, com uma experiência fundamental de governo. Entretanto, nossa maior preocupação política no momento é garantir que o rumo do governo Lula seja balizado pelo pensamento progressista, pelo compromisso social, e que nosso país construa solidamente um projeto nacional de desenvolvimento alternativo ao neoliberalismo.

 

Professora Janete é dirigente estadual do PCdoB de Mato Grosso ( jocd@terra.com.br )

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

4 fora da reeleição em Rondonópolis

jailton 400 vereador curtinha   Em Rondonópolis, quatro dos 21 vereadores não devem ir à reeleição, sendo eles Thiago Muniz (DEM), Rodrigo da Zaeli (PSDB), Hélio Pichioni (PSD) e Jailton do Pesque e Pague (foto), do PSDB. Thiago e Rodrigo têm esperanças de concorrer a...

Prefeito apoia vice à briga em Cáceres

eliene liberato 400 curtinha   Francis Maris vai mesmo declarar apoio oficial à pré-candidatura da empresária Eliene Liberato à sucessão em Cáceres. Em público, o prefeito faz mistério para não contrariar outros pretensos candidatos do grupo e que têm esperanças de receber...

Preparando um dos aliados a federal

mauro carvalho 400 curtinha   Embora não comente publicamente, o governador Mauro Mendes está "costurando" acordos políticos com líderes mais próximos, visando não só o pleito de 2020, mas também às eleições gerais de 2022. Em época de busca de projetos e de...

Salvando 1º ano de mandato no cargo

selma arruda 400 curtinha   Embora "sangrando" e com a imagem arranhada, a juíza aposentada e senadora cassada pelo TRE-MT Selma Arruda, que trocou o PSL pelo Podemos, consegue concluir este primeiro de oito anos de mandato. E vai se licenciar nos próximos dias para ceder espaço aquele que financiou a sua campanha,...

Barbudo é menos empreguista de MT

nelson barbudo 400 curtinha   Dos oito deputados federais de MT, o estreante Nelson Barbudo (foto) é o menos "empreguista". Nestes 10 primeiros meses de mandato, ele nomeou no gabinete em Brasília e no escritório político em Cuiabá apenas 15 assessores. Cada gabinete pode ter até 25 secretários...

Rossato quer "minar" reeleição de Ari

dilceu rossato 400 curtinha   Em Sorriso, a capital nacional do agronegócio, a tendência é da disputa à sucessão no próximo ano ficar polarizada entre o prefeito Ari Lafin, do PSDB, e seu antecessor, Dilceu Rossato (foto), hoje filiado ao PSL. Embora se movimente nos bastidores, o deputado Xuxu Dal Molin...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Como você avalia a decisão do Supremo de suspender prisão imediata após julgamento em segunda instância?

Concordo

Discordo

Tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.