Últimas

Segunda-Feira, 08 de Março de 2010, 18h:19 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:25

JUDICIÁRIO

Ramos reconhece desconforto e garante que Tribunal não parou

   Como presidente da comissão organizadora do concurso do público para ingresso no Tribunal de Justiça, o desembargador Rui Ramos, também vice-presidente do Tribunal Regional Eleitoral, tenta mostrar tranquilidade e continuidade nos trabalhos do Judiciário, mesmo após a aposentadoria compulsória de 10 magistrados acusados de repassar recursos à maçonaria irregularmente.

   Nesta segunda, às 14h30, ele recebeu a imprensa no órgão para falar sobre as etapas do concurso. Rui Ramos foi indagado sobre a imagem do Tribunal depois da decisão do Conselho Nacional de Justiça. Para o desembargador, “as atividades judiciárias acontecem normalmente, mesmo após a trombada que o órgão levou”.

   No sofá, sentado ao lado de processos empilhados, ele admitiu, com exclusividade ao RDNews, que a decisão unânime do Conselho causou desconforto, mas rejeitou a ideia de que a imagem do Tribunal esteja manchada. “Realmente algum grau de desconforto produziu. Mas eu e os demais magistrados não temos que parar. Ao contrário do que muitos pensam, o Judiciário não parou”.

   O desembargador evita emitir juízo de valor sobre os colegas afastados, mas não refuta o constrangimento. “Não temos como omitir falha alguma ou suposta falha. Estamos sensibilizados, somos humanos, e carregamos a sensação de desconforto, mas não é nada que nos impeça de atuar com a mesma presteza de sempre”, pondera.

   Rui Ramos rejeita também a ideia de que o Tribunal está sendo colocado “no eixo” com as aposentadorias que, para muitos, surgiram como uma sentença pedagógica. “As coisas não estão fora do lugar. Posso afirmar que, em relação ao cenário nacional do Judiciário, estamos trabalhando num bom nível”, diz.

   O Judiciário de Mato Grosso teve a imagem atingida com fatos negativos outras vezes. Em 1999, por exemplo, a morte do juiz Leopoldino Marques Amaral ganhou repercussão nacional. Ele denunciou colegas do órgão por práticas de tráfico de influência, corrupção, venda de sentença, nepotismo e até assédio sexual. O próprio Leopoldino estaria envolvido em desvios de recursos de depósitos judiciais na 2ª Vara de Família, onde era titular. Após a decisão do CNJ, os membros do Judiciário do Estado demonstram disposição em acelerar e divulgar os trabalhos, na tentativa de reverter o desgaste.

Postar um novo comentário

Comentários (5)

  • MARIA FERNANDA | Terça-Feira, 09 de Março de 2010, 09h38
    0
    0

    NO TJ E NO FÓRUM OS PROCESSOS QUE TEM APADRINHADOS ANDAM RÁPIDO. OS QUE NÃO TEM DURAM ANOS COMO É O MEU CASO. ESTOU COM UM PROCESSO NO GABINETE DO JUÍZ PARA DECISÃO DESDE 2007. JÁ TEVE AUDIÊNCIA, ESTOU SENDO PREJUDICADA PELA DEMORA DESSE JUIZADO. TEVE UMA PESSOA QUE ENTROU COM UM PROCESSO DE POSSE DE UMA CHÁCARA NUMA SEXTA FEIRA NO FINAL DA TARDE E CONSEGUIU NO MESMO DIA. O JUÍZ NEM MANDOU O OFICIAL DE JUSTIÇA AVERIGUAR A SITUAÇÃO SÓ PORQUE A ADVOGADA DA INTERESSADA É ESPOSA DE UM DESEMBARGADOR. ASSIM É QUE FUNCIONA A JUSTIÇA DE MT. POBRE PENA NA CADEIA E O RICO RECEBE APOSENTADORIA COMPULSÓRIA. ETA DANADO.

  • PITTER JOHNSON DA SILVA CAMPOS. | Terça-Feira, 09 de Março de 2010, 08h19
    0
    0

    Professor Rui Ramos, este sim, julga com imparcialidade e, concerteza, é um exemplo para o TJ - MT.

  • PITTER JOHNSON DA SILVA CAMPOS. | Terça-Feira, 09 de Março de 2010, 08h19
    0
    0

    Professor Rui Ramos, este sim, julga com imparcialidade, e concerteza é um exemplo para o TJ - MT.

  • Laercio Dias | Segunda-Feira, 08 de Março de 2010, 23h40
    0
    0

    O Dr Rui está certo...fazer o que tem que trabalhar...mas trabalhar mesmo, pois o Judiciário está aquém dos interesses da sociedade, infelizmente

  • Luis Antonio | Segunda-Feira, 08 de Março de 2010, 18h35
    0
    0

    V.Exa., é realmente um exemplo de magistrado, pois conheco sua caminhada desde o interior, porem, os aposentados compulsoriamente, ja deveriam ter ter saido em 1999. Ai era menos gastos a imagem do TJMT

Rejeição a Abílio sobe e cai a de EP

abilio junior 400 curtinha   Nos últimos 15 dias, o candidato a prefeito da Capital, Abílio Júnior (foto), do Podemos, viu a rejeição aumentar 12 pontos percentuais, quase um por dia, saindo de 19% para 31%, de acordo com a nova rodada da pesquisa Ibope, divulgada nesta sexta pela TV Centro América....

Fávaro deixa governador em saia-justa

carlos favaro 400 curtinha   O senador interino do PSD, Carlos Fávaro (foto), que busca a reeleição, deixou o governador Mauro Mendes (DEM) em uma saia-justa em Barra do Garças. Mendes, que já declarou apoio no horário eleitoral ao candidato à sucessão municipal Wellington Marcos, do mesmo...

Sob efeito-cavalo paraguaio em ROO

thiago muniz 400 curtinha   Em Rondonópolis, o candidato a prefeito, vereador e empresário Thiago Muniz (foto), se transformou num cavalo paraguaio, expressão muito usual no futebol quando se refere a um time que dispara no início do campeonato mas, lá pela metade, começa a cair pelas tabelas. Acreditava-se...

Lula na TV deve afundar mais Julier

lula 400   O advogado Julier Sebastião da Silva, que disputa pela segunda vez a Prefeitura de Cuiabá - na primeira, em 2016, pelo PDT, ficou em terceiro lugar e, agora, pelo PT -, levou para o seu horário eleitoral o ex-presidente Lula (foto). A participação, com pedido de voto para Julier, da maior...

Na contramão dos investimentos

jose wenceslau 400 curtinha   Ao invés de reconhecer e aplaudir a iniciativa do governo estadual, que anunciou investimentos de R$ 9,5 bilhões em obras e ações, sendo R$ 6 bilhões (63%) de recursos próprios, a Fecomércio-MT, sob José Wenceslau Júnior (foto), reagiu com críticas....

Filho de ex-deputado rumo a vereador

willy taborelli 400   O coronel PM da reserva e ex-deputado estadual Perry Taborelli, que concorreu e perdeu para prefeito de Várzea Grande em 2016, lançou de novo o filho à cadeira de vereador. Trata-se do jovem advogado Willy Jacyntho Taborelli (foto), de 32 anos. Desta vez, ele concorre pelo PV. Na eleição...