Últimas

Terça-Feira, 19 de Dezembro de 2006, 05h:01 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Reforma política

      Em artigo publicado nesta terça (19) em A Gazeta (www.gazetadigital.com.br), o advogado e jornalista Maurício de Campos Bastos, discorre sobre a Adin movida pelos partidos contra a cláusula de barreira.

Confira abaixo a reprodução na íntegra

  

     Reforma política

       Maurício de Campos Bastos

     O julgamento da ação de inconstitucionalidade (Adin) movida por diversos partidos contra a chamada cláusula de barreira ou de exclusão, legalmente conhecida como de desempenho eleitoral, não inviabiliza de maneira alguma a propalada reforma política, reconhecidamente a principal de que o país carece para alavancar o seu desenvolvimento.

    Sem uma legislação política bem feita, sem "pegadinhas", com espírito público e amor à democracia, pode-se imaginar que o Brasil continuará dando passos alternados, para frente e para trás, prevalecendo a lei do mais forte e as coligações mal explicadas, danosas à moralidade política e fraudadoras da vontade do eleitor.

      O que o Supremo sinalizou para o Congresso nada mais foi do que reiterar, pela undécima vez, que as liberdades de expressão, de associação, de reunião, de participar da vida política e pregar idéias não podem ser suprimidas por nenhuma lei.

     A Constituição fixa as condições para um partido político ser criado. É só seguir o que está no artigo 17 da Lei Maior para se reconhecer que o Supremo Tribunal Federal não provocou nenhum rombo no casco do navio político que o impeça de continuar navegando e seguir pelos mares da vida da Nação adotando o que de novo for sendo visto pelos homens públicos.

     Todos os partidos devem ter os seus estatutos registrados no Tribunal Superior Eleitoral e de acordo com o parágrafo terceiro do art.17 "têm direito a recursos do fundo partidário e acesso gratuito ao rádio e à televisão, na forma da lei".

    Ora, a Constituição não quer igualar os desiguais, remetendo o uso do rádio, da televisão e dos recursos do fundo partidário à lei comum. Assim, cabe ao legislador aplicar o bom senso que deve presidir a construção de qualquer norma legal e enquadrar as conhecidas três categorias de legendas partidárias nos seus devidos lugares, regulando-lhes as condições de ascensão quanto a tempo e valores.

     Evidentemente, não haverá jamais como cercear dos cidadãos o direito constitucional de se reunirem para fundar um partido político. As idéias não são privilégios das maiorias ocasionais, do mesmo modo que não se pode admitir que um partido político não tenha a ambição de crescer e de chegar ao poder, por suas próprias forças ou em coligação com outras legendas.

     O que deve ser proibido para sempre são as barganhas políticas, as trocas vergonhosas de legendas, o recebimento direto ou indireto de vantagens para passar de um partido para outro, de um bloco parlamentar para outro, sair e voltar de um partido para influir numa votação qualquer, enfim, tem que ser abolida do cenário político brasileiro a má-fé, a esperteza de querer levar vantagem, a tática do ludíbrio, a mercancia que tanto infelicitou diversas sessões legislativas de todos os níveis ao longo de muitos e muitos anos de regime republicano.

      Não concordamos que o povo pague tudo para os partidos políticos, assim como o fundo partidário deveria ser constituído por um desconto obrigatório no salário de cada parlamentar, ainda que mínimo, mas é deles a obrigação de formarem as suas reservas financeiras para se juntarem aos recursos públicos que vão para o fundo existente.

     As doações têm que acabar e não sei como a legislação permite, ainda, aquelas que são feitas depois de conhecido o resultado dos pleitos. É uma vergonha, data venia, por que ficam escancarados o interesse do doador e o compromisso do donatário de ser agradecido à oferta pecuniária. Não compreendo uma norma que permita doações depois de apurados os votos. O caminho para a corrupção fica mais do que transparente!

     Isto não pode continuar numa próxima lei que seja realmente produto do desejo do Congresso Nacional de recuperar a sua imagem tão desgastada pelos escândalos que geraram tantas CPIs.

     Maurício de Campos Bastos é advogado, jornalista e juiz federal do Trabalho inativo

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

DEM consulta sobre regras ao Senado

julio campos 400 curtinha   Atendendo orientação da Nacional do DEM, na luta para ampliar bancada no Congresso, o diretório regional do partido vai apostar todas as fichas na disputa suplementar ao Senado. E, antes de avançar na definição de nome, o partido decidiu encaminhar consulta ao TSE para saber se...

Expediente suspenso e posse no TCE

guilherme maluf 400 curtinha   O expediente no TCE-MT será suspenso na segunda, a partir das 12 horas. É que às 15 horas acontece a sessão especial na Escola Superior de Contas, marcando a posse de Guilherme Maluf (foto) na presidência do órgão fiscalizador. O hoje presidente Domingos Neto passa ao...

Túlio, desgaste e disputa em Cáceres

tulio 400 caceres   Derrotado a deputado estadual duas vezes, a última em 2018, Túlio Fontes (foto) não sustenta mais o que declarou há três meses, quando anunciou que ficaria de fora da corrida à Prefeitura de Cáceres. Mesmo tendo abandonado o município por um bom tempo, desde quando concluiu...

Disputa em Sinop e vaga na Câmara

juarez costa 400 curtinha   O deputado federal Juarez Costa (foto) tem espalhado que será candidato a prefeito de Sinop, posto já ocupado por ele por dois mandatos. No fundo, o emedebista espera que Rosana Martinelli (PL), que foi sua vice e depois se elegeu prefeita nas urnas de 2016, desista do projeto de reeleição...

Francis forçando a barra ao Senado

francis maris 400 curtinha   Francis Maris (foto), empresário e prefeito de Cáceres, é mesmo corajoso. Ele anunciou que vai reunir colegas prefeitos da região Oeste para discutir a ideia de entrar na disputa ao Senado, na eleição suplementar para a vaga de Selma, cassada esta semana. Francis se acha "o...

Sindal repudia postura de "indicado"

O presidente do Sindal Jovanildo da Silva se diz traído por Osmar Capilé, representante dos segurados da AL e que exerce cargo de diretor dos Aposentados, que votou favorável a nova alíquota de 14% no Conselho da Previdência. O apoio ao aumento da cobrança gerou revolta entre os servidores do Legislativo, que partiram para cima de Jovanildo cobrando explicações. Em nota de repúdio, o sindicato, que o indicou como representante no...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Como você avalia a decisão do Supremo de suspender prisão imediata após julgamento em segunda instância?

Concordo

Discordo

Tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.