Últimas

Segunda-Feira, 29 de Janeiro de 2007, 08h:16 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Reformas e impunidade

   O país volta a colocar na pauta as reformas urgentes e necessárias, como a política, a tributária, a universitária e a trabalhista, além do ajuste na previdenciária. Especialistas entendem que o governo não pode, por exemplo, empurrar com a barriga a reforma tributária lançando pacotes simplistas e recheados de marketing como o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), insuficiente para destravar a economia brasileira. É preciso identificar as causas do baixo crescimento que são, em grande medida, estruturais e não conjunturais.

   Em meio às discussões sobre reformas, quase sempre vem aquele questionamento, seguido de uma resposta simplória e equivocada. Quem paga? O governo. Na realidade, é sempre a população, ou melhor, parte da população, que paga ou deixa de pagar por qualquer benefício, subsídio, financiamento, isenção ou favor recebido por qualquer outro grupo ou indivíduo do país. Sempre há alguém que paga e numa democracia a verdadeira pergunta é: quem?

    Assim, quando se fala (corretamente) da necessidade de se ajustar as contas públicas, eliminando o déficit que ameaça a estabilidade econômica e possibilitando que o país volte a crescer, estamos também falando de quem vai arcar com o ônus de fazê-lo. Infelizmente, não dá para cobrar os responsáveis por décadas de desperdício e irresponsabilidade. Resta ver com quem vai ficar a conta.

   De saída, parece óbvio que parte do custo vai cair, como sempre cai, sobre os menos capazes de pagá-lo. Cairá obrigatoriamente sobre os trabalhadores, que já perderam ou vão perder seus empregos. Cairá sobre as empresas que não deixam de pagar a sufocante carga de impostos, taxas, encargos e tributos com os quais nossos legisladores premiam a honestidade. Cairá ainda sobre os pobres, que precisam recorrer ao nosso desastrado sistema de saúde pública. E sobre as crianças, que precisam de uma educação de qualidade para poder participar da construção do Brasil de amanhã.

    Por que será que o projeto de lei que visa permitir que legisladores sejam processados por crimes comuns nunca é votado? Enquanto isso, continua grassando o maior mal do nosso país: a impunidade. Pior que a corrupção, a má gestão, a sonegação e todo o enxame de outras mazelas que nos atormentam, a impunidade é que mais dói e é a mais injusta. Não somos mais ou menos honestos do que os cidadãos de qualquer outro país. O que somos é muito mais impunes.

   Quantas vezes, caro leitor, você ouviu falar que "isto dá cadeia"? E quantas vezes deu? Onde estão os sonegadores, os corruptos, os que desviam dinheiro do imposto de renda na fonte que descontam dos seus empregados? Onde estão os especuladores que enriqueceram com informação privilegiada? E os inadimplentes com as suas contribuições ao INSS e ao FGTS? Por que será que continua bastando ter dinheiro para pagar um bom advogado para nunca ser preso por crimes contra o erário?

   Voltamos a discutir as reformas. O governo deve promover as reformas estruturais de base, vitais para permitir que o orçamento público seja equilibrado. Caso contrário, seremos precipitados numa crise ainda maior. Quanto antes equilibrarmos as contas públicas, tanto mais cedo será possível reduzir os juros elevadíssimos que nos amarram, permitindo que o Brasil entre no círculo virtuoso de uma economia que volta a crescer, inclusive com a eliminação gradual das terríveis distorções na distribuição da renda nacional, que tornam o Brasil um dos países socialmente mais injustos do planeta.

   É hora de acabarmos com os privilégios, desperdícios, distorções e impunidades. O desafio está lançado.

   Romilson Dourado é jornalista, editor de Política de A Gazeta e escreve neste espaço às segundas-feiras

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Francis sem os vereadores do partido

cesare 400 curtinha vereador caceres   A administração Francis Maris em Cáceres se tornou tão emblemática que perdeu apoio dos dois únicos vereadores do seu partido, o PSDB, na Câmara Municipal. Os tucanos Valdeniria Dutra e Claudio Henrique integram hoje o bloco de oposição ao prefeito,...

Gilberto prestigia sobrinho na Câmara

marcelo oliveira 400 curtinha   Depois de 11 meses sem pisar os pés na Câmara Municipal de Cuiabá, o vereador licenciado Gilberto Figueiredo, secretário estadual de Saúde e um dos pré-candidatos a prefeito do grupo do governador Mauro, apareceu neste sábado na sede do Legislativo, no ato que marcou a...

Suplente que terá 2 anos de mandato

adilton da levante 400 curtinha   Derrotado à reeleição em 2016, Adilson da Levante (foto) reassumiu cadeira de vereador pela Capital desde janeiro deste ano e deve prosseguir no cargo até o final do mandato, em dezembro de 2020. É que o titular Gilberto Figueiredo, que se elegeu pelo PSB e vai migrar para o DEM,...

PSDB veta Taques e vai priorizar Leitão

paulo borges 400 curtinha   O comando regional do PSDB não vai dar chance para Pedro Taques, caso este ensaie concorrer ao Senado com a provável suplementar, já no início de 2020 com a iminente cassação do mandato de Selma. Embora tenha dito que hoje se dedica à advocacia e à vida de professor...

Histórico de não que depois vira sim

blairo maggi 400 curtinha   Mesmo Blairo Maggi (PP) falando para todos que não será candidato ao Senado, na eleição suplementar de 2020 com a provável cassação de Selma, ninguém acredita. Nem aqueles que fazem parte dos grupos criados pelo próprio ex-governador e ex-senador. Em outros...

Francis dispara contra Túlio, Adriano...

tulio fontes 400 curtinha   O prefeito de Cáceres, Francis Maris, que chegou dos EUA na última quinta, aproveitou dois eventos para, publicamente, disparar sua metralhadora verbal contra algumas pessoas. Na sexta, inaugurou uma unidade do Centro de Testagem e Aconselhamento e fez abertura do Natal de Luzes, no centro. Nas duas...

MAIS LIDAS

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Como você avalia a decisão do Supremo de suspender prisão imediata após julgamento em segunda instância?

Concordo

Discordo

Tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.