Últimas

Quinta-Feira, 23 de Julho de 2009, 13h:40 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:23

VIOLÊNCIA

Relatório revela torturas físicas praticadas por militares

   Relatório do Ministério Público Federal retrata o clima de guerra civil que tomou conta da Fazenda Bridão Brasileiro, no Vale do Araguaia, em dezembro de 2002. Uma das testemunhas, presidente de uma das associações de produtores rurais da região, denunciou à secretaria estadual de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) as violências físicas e psicológicas, com lesões corporais, sofridas durante a desocupação da área. A ação foi comandada pelo capitão da Polícia Militar, Antônio de Moura Netto, preso no início do mês na Operação Pluma, da Polícia Federal.

   A testemunha relata ameaças de morte, sob a mira de espingardas calibre 12, e disparos de arma de fogo. Num dos trechos, o denunciante frisa que uma das mulheres acampadas sofreu um aborto devido à violência. Segundo a testemunha, o capitão Moura chegou a dizer aos ocupantes da fazenda que “quem havia comprado a área era um grupo poderoso, o Grupo AMaggi, e que Gilbertão era membro desse grupo, portanto, não deveriam criar caso”. Gilbertão é o apelido de Gilberto Luiz de Rezende, principal grileiro da região, apontado pela Polícia Federal como responsável por cooptar policiais, fazendeiros e até mesmo políticos.

   Conforme o relatório da procuradoria, 180 famílias que foram expulsas da Fazenda Bridão Brasileiro, ficaram por um tempo acampadas nas proximidades, mas devido às ameaças, tiveram que mudar para Confresa. Os militares, segundo o relato do ex-vereador de Confresa e morador da região, Gean Carlos Francisco Guimarães, permaneceram na fazenda por 90 dias para evitar o retorno dos sem-terra. “Logo após a execução da determinação judicial, policiais militares permaneceram no local, pagos pelos proprietário da fazenda para evitarem nova invasão por parte dos sem-terra”. 

    Gean Carlos é deficiente físico e teve paralisia infantil. No relato aos promotores, ele disse que sofreu ameaças de morte por defender os interesses dos sem-terra. Ele disse que os militares comandados pelo capitão Moura chegaram, inclusive, a oferecer dinheiro para não fazer denúncias. Segundo ele, houve assassinatos e os corpos foram enterrados nas proximidades da fazenda. Outra testemunha disse que levou golpes na cabeça, que provocaram lesões internas e externas. Os promotores frisam que as pancadas geraram tumores e que a testemunha teve que passar por duas cirurgias “(...) tendo inclusive se aposentado recentemente por invalidez pelo INSS”. (Andréa Haddad) 

Postar um novo comentário

Comentários (15)

  • Fernandes Arcanjo | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Essa pancadaria aconteceu em 2007, queremos ver o CORONEL SER PRESO TAMBEM, FEZ SEGURANÇA DE FAZENDA.

    Carro cheio de dinheiro em são paulo.

  • Carmem PMF | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Militar da PM, voce duvida que um desses envolvidos ainda pode ser o Comandante da PM.

    Só nós praças é que somos f......... engana-se que existe cumprimento de lei para os oficiais.

    Aposto com quem quizer, o metello será aposentado proporcional, recebendo líquido 7 Mil trezentos e vinte e dois reais por mes.

    Se fosse praça, alguem duvida se ele estaria no presídio, excluido, perdido o salário.

  • PM Reformado | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Esse negócio de espancamento é de longas datas, na academia onde formam os oficiais, vários deles foram espancados com vara de pescar.








































    O que foi processo final????????









































    Em 2009 os acusados são CORONEIS da PM, e na época eram tenentes.














































    Voces esperam o que? de uma PM dessa.



  • peixe | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Se depender da justiça desse país, como sempre acontece, não vai dar em nada. Principalmente em se tratando de pessoas influentes.

  • Jajá Da Jojó | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    A CARMEM DA PMF está correta em seu comentário. O que distancia um indivíduo da patente de coronel de um soldado em termos de promoção neste caso é que os estrelados devem saber muito de figurões de outras esferas e do próprio meio.

  • Carmem PMF | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    JAJA, o que voce não sabe, é que os crimes graves na PM são tratados diferentemente:

    Os oficiais são promovidos, dizem que o processo está na justiça e será julgado.

    Os praças são excluidos, mesmo não sabendo se serão inocentados na Justiça.

    O CRIME PRATICADO É O MESMO.

    Não sei quem poderia investigar isso para nós, e está fácil de ser comprovado.

    É só checar os promovidos (CORONEL - ÚLTIMO POSTO, EXEMPLO DE PM) desde 2005 e seus processos na Justiça Militar. Checar os praças excluídos na Corregedoria da PM, e comprovarão este CRIME QUE JÁ ESTÁ MATERIALIZADO. Faltando apenas prender quem proporcionou estas promoções.

  • Pesquisador | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Antonio de Moura Netto???

    Acho melhor verificar isso.
    Não existe esse Capitão na PM.

  • Dr Jeová Ferreira | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Parabns Romilson, Admiro muito a forma como voce faz jornalismo, fatos são fatos, a população precisa saber! voce tem demonstrado este profissionalismo meu irmão, é por isso que voce hoje, no mato grosso, basta que tenha internet, não importa o tamanho da cidade, as pessoas te conhecem de fato, por causa dos fatos...Parabens Romilsom, precisamos de jornalista com voce...Um abraço,

  • Robson Caetano | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Em primeiro lugar parabens Romilson por dar destaque a esses crimes cometidos na regiao mais pobre do mato grossoo Araguaia , pobre de presença do estado mas aqui tem pessoas de valor q trabalham mas esse governo como outros esqueceram daqui. Aqui ainda caminhao cai de balsa dentro do rio, tem pistoleiro misturado com policia matando extorquindo, roubando. Gostaria q vc continuasse colocando na midias essa noticias pra ver se o governo frderal faça alguma coisa. Porque logo esses bandidos vao estar soltos e nao vai dar em nada.

  • Bruxo | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Ai ai ai ai ai ain ai ai ai, antes puseram o W. Fagundes agora já apareceu a Amaggi, .
    Uma investigação tem que ser feita de qualquer maneira e urgente.

Sob efeito-cavalo paraguaio em ROO

thiago muniz 400 curtinha   Em Rondonópolis, o candidato a prefeito, vereador e empresário Thiago Muniz (foto), se transformou num cavalo paraguaio, expressão muito usual no futebol quando se refere a um time que dispara no início do campeonato mas, lá pela metade, começa a cair pelas tabelas. Acreditava-se...

Lula na TV deve afundar mais Julier

lula 400   O advogado Julier Sebastião da Silva, que disputa pela segunda vez a Prefeitura de Cuiabá - na primeira, em 2016, pelo PDT, ficou em terceiro lugar e, agora, pelo PT -, levou para o seu horário eleitoral o ex-presidente Lula (foto). A participação, com pedido de voto para Julier, da maior...

Na contramão dos investimentos

jose wenceslau 400 curtinha   Ao invés de reconhecer e aplaudir a iniciativa do governo estadual, que anunciou investimentos de R$ 9,5 bilhões em obras e ações, sendo R$ 6 bilhões (63%) de recursos próprios, a Fecomércio-MT, sob José Wenceslau Júnior (foto), reagiu com críticas....

Filho de ex-deputado rumo a vereador

willy taborelli 400   O coronel PM da reserva e ex-deputado estadual Perry Taborelli, que concorreu e perdeu para prefeito de Várzea Grande em 2016, lançou de novo o filho à cadeira de vereador. Trata-se do jovem advogado Willy Jacyntho Taborelli (foto), de 32 anos. Desta vez, ele concorre pelo PV. Na eleição...

Beto vê aliado como mais preparado

wellington marcos 400   O prefeito de Barra do Garças, Beto Farias (MDB), tem sido um cabo eleitoral fundamental para o candidato à sucessão municipal, advogado e atual vice-prefeito Wellington Marcos (foto), do DEM. Beto, que está concluindo o segundo mandato consecutivo com 80% de aprovação popular,...

Produtores e a unificação de eleições

antonio galvan 400 curtinha   Mato Grosso pode ter três eleições no mesmo dia, 15 de novembro. Isso porque, além das municipais e a suplementar ao Senado, alguns produtores rurais se movimentam para que a escolha do novo presidente da Aprosoja também seja na mesma data das eleitorais. Inicialmente, o pleito da...