Últimas

Quinta-Feira, 26 de Junho de 2008, 09h:54 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:21

VARIEDADES

Representação contra Mauro Mendes

Excelentíssima Senhora Doutora Juíza de Direito da 1ª Zona Eleitoral de
Cuiabá/MT, relativo à distribuição de Representações sobre Propaganda
Eleitoral.

 

  O  MINISTÉRIO  PÚBLICO  ELEITORAL,  por  seu representante, infra-assinado, no uso de suas atribuições legais, vem perante Vossa Excelência, com fulcro no artigo 36, da Lei nº 9.504/97, oferecer REPRESENTAÇÃO POR PROPAGANDA ELEITORAL EXTEMPORÂNEA em desfavor de MAURO  MENDES  FERREIRA, brasileiro, casado, empresário, podendo ser localizado BIMETAL - Engenharia, situada na rodovia do Imigrantes, km 3,5, nesta  Capital,  tel.  funcional  (65)  2123-5073  e  2123-5000 mauro@bimetal.eng.br, onde é Diretor Presidente e contra o PARTIDO DA REPÚBLICA, PR, representado pelo seu Diretório Municipal, localizado na rua das Orquídeas, 235, bairro Bosque da Saúde tel. (65) 3648-2222, também, nesta Capital, mediante as razões e fundamentos que ora seguem:

1) O FATO.

  O  representado,  em epígrafe, na condição de pré-candidato a prefeito municipal, por meio de inserções veiculadas no dia 23 de junho de 2008, nos intervalos da telenovela "A Favorita", transmitido pela emissora ? TV Centro América, filiada a rede Globo, bem como em outras emissoras local, expôs seu nome, imagem e partido político, levando ao conhecimento geral sua candidatura, com o propósito, dissimulado, efetuando com isso, autopromoção indevida e propaganda eleitoral extemporânea, com o fito de influenciar no convencimento dos eleitores de modo a quebrar o equilíbrio da disputa que se  aventura entre os candidatos ou viciar a vontade livre e soberana dos cidadãos, de forma irregular e antecipada.

Confira-se:

     DVD  : Veiculação 23/06/2008, Intervalo A Favorita.

    " O PR é o partido que tem o compromisso com o bem-estar das pessoas, e com desenvolvimento econômico, social e ambiental. Veja o exemplo do Governo do Estado uma aplicação responsável do dinheiro público, com austeridade, trransparência e projetos de grande alcance social o PR está transformando num Estado mais justo, livre e forte. O jeito de governar do PR é referência para administração pública."

   A jurisprudência do E. Tribunal Superior Eleitoral é pacífica quanto aos requisitos necessários para a configuração de propaganda eleitoral:

  "(...) Entende-se como ato de propaganda eleitoral       aquele que leva ao conhecimento geral, ainda que de    forma dissimulada, a candidatura, mesmo que apenas postulada,  a  ação  política que se pretende            desenvolver ou razões que induzam a concluir que o     beneficiário é o mais apto ao exercício de função           pública(...)" (TSE, Ac. N° 16.183, de 17.2.2000, rel. Min. Eduardo Alckmin; no mesmo sentido o Ac. N° 15.732, de 15.4.99, do mesmo relator, e o Ac. N° 16.426, de 28.11.2000, rel. Min. Fernando Neves).

    Desse modo, tais inserções do PR, provoca uma concorrência desleal com os futuros candidatos, vindo a macular o princípio da igualdade de condições, eis que massifica ostensivamente o seu nome e, ante a natureza de como é apresentado, há intensa associação da sua imagem, nome, partido político, bem como associa as realizações do Poder Executivo Estadual, indevidamente, demonstrando ser o mais apto ao exercício da função pública, inclusive com o apoio irrestrito do Governo Estadual, produzindo, assim, cooptação de votos de forma irregular, antes da data fixada: 06 de julho de 2008, consoante o disposto no artigo 3º, da Resolução  nº  22.718,  de 28/02/2008, caracterizando às escâncaras, propaganda antecipada, nos termos do disposto no artigo 36 da lei n° 9.504/97.

  Essa  mesma  disposição,  ressalvou  apenas  a propaganda intrapartidária, feita pelo postulante à candidatura de cargo eletivo, nos quinze dias que antecedem a escolha de um nome pelo partido, mesmo assim, sem utilização de rádio, televisão e outdoor.

   Portanto,  a  propaganda  que  não  seja  aintrapartidária antes da data exposta acima, configura hipótese clara de propaganda eleitoral extemporânea, merecendo da Justiça e do Ministério Público Eleitoral um combate imediato e eficaz.

2)   O DIREITO.

2.1) A LEGITIMIDADE ATIVA DO MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL.

  Nada obstante a omissão do artigo 96 da Lei nº 9.504/97,  a  jurisprudência é pacífica no sentido de reconhecer a legitimidade do Ministério Público Eleitoral para oferecer representação em face do descumprimento do referido diploma legal ( Acórdão nº 2744, Relator Min. Sepúlveda Pertence, j. em 24-09-2001; Acórdão nº 2009, Relator Min. Maurício Correa, j. em 23-11-1999; Acórdão nº 1577, j. 16.190, j. 16-12-99, Relator Min. Eduardo Ribeiro ). 

 Não por outra razão, é expressamente reconhecida a legitimidade do Parquet Eleitoral no artigo 2º, da Resolução TSE nº 22.624 (Instrução nº 113), de 13.12.2007. 

2.2) A PRÁTICA DE PROPAGANDA ELEITORAL ANTECIPADA. CONTRARIEDADE AO DISPOSTO NO ARTIGO 36, CAPUT, DA LEI Nº 9.504/97.

 As  regras  a  serem observadas na propaganda eleitoral estão previstas na Lei nº 9.504/97 (artigos 36 a 57) e, mais especificadamente, em relação ao pleito de 2008, na Resolução TSE nº 22.718. Ditas normas visam, fundamentalmente, a possibilitar a divulgação e propagação das candidaturas, garantindo-se a igualdade de oportunidades entre os candidatos, coibindo, para tanto, eventuais excessos e abusos que possam causar desequilíbrio na disputa pelo cargo eletivo.

  Dentro desse contexto, a primeira regra a ser observada, quanto à realização de propaganda eleitoral, é a de que ela somente é permitida a partir de 06 de julho de 2008 (artigo 36, da Lei nº 9.504/97 e artigo 3º, da Resolução TSE nº 22.718).

 Reza o artigo 36, da Lei nº 9.504/97, o seguinte:            Art.36. A propaganda eleitoral somente é permitida       após o dia 5 de julho do ano da eleição. § 1º. Ao postulante a candidatura a cargo eletivoé permitida a realização, na quinzena anterior à escolha pelo partido, de propaganda intrapartidária à  escolha  pelo  partido,  de  propaganda intrapartidária com vista à indicação de seu nome, vedado o uso de rádio, televisão e outdoor.

            § 2º....

           § 3º. A violação do disposto neste artigo sujeitará  o responsável pela divulgação da propaganda e,           quando  comprovado  seu prévio conhecimento, o            beneficiário, à multa no valor de vinte mil UFIR ou           equivalente ao custo da propaganda, se este for            maior.

  A Resolução TSE nº 22.718 (Instrução nº 121), de 28.02.2008, a seu turno, ante a proibição de veiculação de propaganda eleitoral anteriormente ao dia 05 de julho do ano da eleição, estabelece oseguinte, ipsis litteris:

       Art.  3º. A propaganda eleitoral somente será            permitida a partir de 6 de julho de 2008, vedado            qualquer tipo de propaganda política paga no rádio      ou televisão (Lei nº 9.504/97, art. 36, caput e § 2º).            § 1º. Ao postulante a candidatura a cargo eletivo é           permitida a realização, na quinzena anterior à            escolha  pelo  partido político, de propaganda            intrapartidária com vista à indicação de seu nome,         inclusive mediante a afixação de faixas e cartazes           em local próximo da convenção, com mensagem aos  convencionais, vedado o uso de rádio, televisão,          outdoor e internet (Lei nº 9.504/97, art. 36, §

            1º).
            § 2º. A propaganda de que trata o parágrafo            anterior deverá ser imediatamente retirada após a            convenção.

            § 3º. A partir de 1º de julho de 2008, não será       veiculada a propaganda partidária gratuita prevista       na Lei nº 9.096/95 ( Lei nº 9.504/97, art. 36, §

              2º).

            § 4º. A violação do disposto neste artigo sujeitará o responsável pela divulgação da propaganda e o           beneficiário,  aquando comprovado o seu prévio            conhecimento, à multa no valor de R$ 21.282,00            (vinte e um mil duzentos e cinco reais) a R$            53.205,00 (cinquenta e três mil duzentos e cinco            reais) ou equivalente ao custo da propaganda, se            este for maior (Lei nº 9.504/97, art.36, § 3º).

    Conforme as normas de regência acima transcritas,sujeitam-se à penalidade de multa pela ocorrência de propaganda eleitoral antecipada tanto o responsável por sua divulgação quanto o beneficiário,quando comprovado seu prévio conhecimento.

            In casu, a responsabilidade pela divulgação da propaganda antecipada cabe não só ao candidato MAURO MENDES FERREIRA, mas também ao PARTIDO DA REPÚBLICA - PR, representado pelo seu Diretório Municipal. Sendo assim, a sanção do artigo 36, § 3º da Lei 9.504/97, deve ser aplicada uma vez para cada inserção, e, em cada uma deles, em seu grau máximo,  considerando-se  o grande impacto visual utilizado, dada a divulgação de uma candidatura, e sua autopromoção. 

3) DO PEDIDO.

      Diante de todo exposto, requer o Ministério Público Eleitoral sejam os representados:

            1.  Cessem imediatamente, no prazo de 24h, a propaganda extemporânea, com a não veiculação das inserções do PARTIDO DA REPÚBLICA, da forma como foi apresentada, sob pena de configurar o delito de desobediência, previsto no artigo 347 do Código Eleitoral.

     2. Notificados, tanto o Prefeito Municipal MAURO MENDES FERREIRA, quanto o PARTIDO DA REPÚBLICA, PR,  na pessoa do presidente do seu Diretório Municipal, para, querendo, apresentarem defesa no prazo estabelecido no artigo 96, § 5º da Lei 9.504/97 e nos termos da Resolução TSE nº 22.624, de 13.12.2007, julgando-se, ao final, procedente a presente representação, reconhecendo-se a prática de propaganda eleitoral antecipada, com a condenação dos representados às sanções previstas no artigo 36, § 3º da Lei nº 9.504/97 e artigo 3º, § 4º da Resolução TSE nº 22.718, a serem aplicadas em grau máximo para cada inserção, aqui relacionadas.

   Protesta por todos os meios de provas admitidos, requerendo desde já a juntada do referido DVD, transcrito.

 Termos em que ,

 Pede deferimento.

 Cuiabá/MT, 26 de junho de 2008.

João Augusto Veras Gadelha
Promotor Eleitoral

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Deputado, Mesa da AL e incoerência

claudinei 400   Claudinei Lopes (foto), delegado de polícia que, na onda Bolsonaro, se elegeu deputado pelo PSL, em 2018, se mostra cada vez mais incoerente. É daqueles que gostam de levantar polêmicas e críticas, mas sem consistência. Ele se manifestou, por exemplo, contra a reeleição à Mesa...

Dilmar ensaia disputa para federal

dilmar dal bosco 400   Todos os deputados estaduais querem buscar a reeleição, com exceção de Dilmar Dal Bosco (foto), que está no terceiro mandato. Integrante da nova Mesa Diretora da Assembleia, como primeiro-vice-presidente, e líder do Governo Mauro, Dilmar não esconde o desejo de disputar cadeira...

Com Covid-19 e frequentando a AL

paulo araujo 400   O deputado Paulo Araújo (foto), do PP, está com reinfecção pelo Covid-19 e, mesmo assim, continua frequentando o prédio da Assembleia normalmente, como se não tivesse contaminado. Na primeira vez que foi infectado pelo vírus, também fez igual. Colegas parlamentares e...

2 abstenções e briga pela 4ª Secretaria

silvio favero 400   Dois deputados se abstiveram na eleição da Mesa Diretora da Assembleia desta terça cujo votação foi secreta. Nos bastidores, os comentários são de que as abstenções foram de Sílvio Fávero (foto), que se lançou à disputa e, sequer, teve...

Petista, incoerência e voto contrário

ludio cabral 400   O petista Lúdio Cabral (foto), daqueles parlamentares do morde e assopra, na tentativa de marcar posição, expõe cada vez mais suas incoerências em votação na Assembleia. Na sessão que antecedeu a eleição para a nova Mesa Diretora, provocada pela decisão...

Projeto sobre VI na Saúde está na AL

gilberto figueiredo 400 curtinha   Já está na Assembleia, para votação dos deputados, o projeto do governo que garante retomada do pagamento da verba indenizatória aos profissionais da Saúde que atuam na linha de frente do combate à Covid-19 nas unidades hospitalares, ambulatoriais e...