Últimas

Sábado, 04 de Agosto de 2007, 08h:52 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:16

Artigo

Rumos desviados

     Deixamos no passado o tempo do Estado provedor, paternalista e assistencialista para entrarmos na era do Estado fiscalizador e regulador, dos serviços públicos delegáveis. Queremos normas e qualidade para telefonia, energia elétrica, saneamento, gás, transportes aéreo, rodoviário, hidroviário, ferroviário, e tantas outras áreas.
     Para tratar de cada uma dessas áreas surgiram, após as concessões, as agências nacionais de regulação até hoje, pouco compreendidas pelos poderes constituídos: judiciário, legislativo e executivo este último, seu próprio criador.
     A partir das agencias nacionais criou – se, na maioria dos estados brasileiros, agencias reguladoras, multisetorias que, além de regular e fiscalizar os serviços de titularidade do Estado, recebem delegação Federal para fiscalizar serviços de sua titularidade, mas padecem da mesma incompreensão por parte dos poderes.
     Precisamos de uma vez por todas entender as agências reguladoras como estruturas de Estado e não de Governo. Isso quer dizer que elas devem ser conduzidas com imparcialidade e autonomia. Por sua vez os governos, políticos por essência natural, mas ainda assim, titulares do Poder Concedente, deixam de tomar as decisões necessárias, para não ferir interesses políticos ou econômicos de grupos ou segmentos setoriais e com isso prejudicam a segurança e a qualidade dos serviços prestados a população.
     Para dirigir essas agências o Poder Legislativo, Senado e Assembléias Legislativas, não só votam, como testam em sabatinas, os membros indicados pelos governantes, Presidente da República e Governadores de Estados. Isso, no mínimo quer dizer que cada qual tem sua parcela de responsabilidade na escolha dos dirigentes das Agências.
     Num momento em que o País discute a PEC 81, que insere na Constituição Federal as Agências de Regulação, e a Lei Geral das Agências que uniformiza todas elas, qualquer vacilo na condução do processo de “Apagão Aéreo” pode colocar a perder todo esforço na busca de autonomia e imparcialidade até então empreendidos e marcar definitivamente o retrocesso do País no trato com os serviços públicos delegáveis.
     As agências ainda carecem de maior e melhor estruturação administrativa, técnica e gerencial.      Além disso, elas têm sido vítimas constantes, dos arcaicos e maus contratos firmados pelo Poder Concedente, dos comuns contingenciamentos orçamentários e financeiros, das decisões políticas equivocadas ou tendenciosas, impostas pelos governos, além da dita incompreensão dos Poderes.
     Quem planeja e define as Políticas Públicas são os Governos exceto quando há delegação expressa às agências, a quem por lei, gerencia e fiscaliza a execução dos contratos.
     Os governos precisam então saber planejar e conduzir suas políticas para que os usuários não padeçam com os “apagões” elétricos, aéreos, sanitário e outros. Isso, sem falar na qualidade das rodovias e do transporte rodoviário de passageiros, que beira o caos e onde as empresas privadas possuem linhas como patrimônio particular. A ANAC pode ter seus problemas internos e de direção, mas com a desordem que impera no setor do transporte rodoviário, se os ônibus voassem teríamos pelo menos duzentos mortos a cada dia no Brasil.

Márcia Vandoni é engenheira sanitarista formada pela UFMT, presidente da Agência de Regulação dos Serviços Públicos Delegados de Mato Grosso (AGER-MT ) e diretora da Associação Brasileira das Agências de Regulação (ABAR)

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

2 abstenções e briga pela 4ª Secretaria

silvio favero 400   Dois deputados se abstiveram na eleição da Mesa Diretora da Assembleia desta terça cujo votação foi secreta. Nos bastidores, os comentários são de que as abstenções foram de Sílvio Fávero (foto), que se lançou à disputa e, sequer, teve...

Petista, incoerência e voto contrário

ludio cabral 400   O petista Lúdio Cabral (foto), daqueles parlamentares do morde e assopra, na tentativa de marcar posição, expõe cada vez mais suas incoerências em votação na Assembleia. Na sessão que antecedeu a eleição para a nova Mesa Diretora, provocada pela decisão...

Projeto sobre VI na Saúde está na AL

gilberto figueiredo 400 curtinha   Já está na Assembleia, para votação dos deputados, o projeto do governo que garante retomada do pagamento da verba indenizatória aos profissionais da Saúde que atuam na linha de frente do combate à Covid-19 nas unidades hospitalares, ambulatoriais e...

2 desembargadores vão para TRE-MT

carlos alberto tj 400 curtinha   O Pleno do Tribunal de Justiça define, na quinta (25), em votação secreta e por videoconferência, dois desembargadores que comporão os quadros de comando do TRE-MT pelos próximos dois anos. O ex-presidente do TJ, Carlos Alberto Alves da Rocha (foto), é um dos inscritos...

Primeira-dama pede retorno de auxílio

marcia_pinheiro_curtinha400 Primeira-dama de Cuiabá Márcia Pinheiro (foto), em visita à sede do Rdnews e entrevista ao Rdtv, pede que a bancada federal de MT se mobilize e vote favorável ao retorno do pagamento do auxílio emergencial às famílias em situação de vulnerabilidade. Márcia...

Retorno, um novo tempo e inocência

jose carlos novelli 400 curtinha   Os conselheiros José Carlos Novelli (foto) e Antonio Joaquim participaram nesta terça da primeira sessão do Pleno do TRE, após três anos e seis meses afastados por determinação da Justiça, com base em denúncias sem provas de que cinco conselheiros...

MAIS LIDAS