Últimas

Quinta-Feira, 27 de Setembro de 2007, 15h:08 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:16

RONDONÓPOLIS

Sachetti adota estilo trator em busca da reeleição

Adilton Sachetti, prefeito de Rondonópolis  O prefeito de Rondonópolis, Adilton Sachetti (PR), passou a jogar pesado em nome da reeleição. Após enfrentar desgaste por decisões impopulares, como a retirada de ambulantes da região central e o aumento da tarifa de água e de IPTU, Sachetti está agindo mais politicamente. Quer patrolar logo a oposição, antes desta criar "asas". Primeiro, conseguiu cooptar para o seu partido nada menos que oito dos 12 vereadores. Agora, espalhou maquinários pelos bairros para o trabalho de recuperação de ruas e de pavimentação asfáltica.

   Sachetti é amigo pessoal do governador Blairo Maggi, que o tem como virtual candidato preferido para o Palácio Paiaguás, em 2010, desde que o prefeito passe pelo teste das urnas no próximo ano. O projeto político maior, então, depende do desempenho eleitoral do gestor em 2008. Recursos e obras não são problemas. O prefeito tem à disposição três máquinas: a do município, do Estado e do governo federal.

   Há dois meses, por exemplo, Maggi autorizou a liberação de R$ 5,7 milhões para Rondonópolis investir em pavimentação asfáltica até o próximo ano. O Estado anunciou também mais R$ 6 milhões para construção de um ginásio de esportes. Sachetti conseguiu, com aval do Estado, transferir esse dinheiro para obras de infra-estrutura. Rende mais votos. O presidente Lula liberou para Rondonópolis R$ 166 milhões para obras de saneamento por meio do Programa de Aceleração do Crescimento.

   Tem razão dos três principais grupos de oposição começar a discutir a formação de um bloco. Trata-se do único caminho para tentar barrar a reeleição do prefeito. Os deputados Zé do Pátio (PMDB), Percival Muniz (PPS) e Rogério Salles (PSDB) falam em unidade. Dos três, dois já foram prefeitos (Muniz e Salles). Pátio já levou uma "surra" nas urnas do próprio Sachetti em 2004. A briga política promete.

(Atualização às 16h57) - Adilton Sachetti nega que está usando a máquina pública como forma de reforçar  qualquer tentativa de reeleição. Afirma que nem mesmo está visualizando o próximo ano. "Quem tem que bater cabeça sobre a eleição de 2008 é o partido e não eu. Não é hora de falar em reeleição. É hora de trabalhar",  disse o republicano. Ao defender-se dos rumores de que está a promover sua imagem anunciando obras aos quatro cantos de Rondonópolis, criticou o bloco da oposição que já se organiza para travar uma briga política. "A oposição tem que fazer o que precisa. Faz parte do processo democrático, mas não me venha falar em campanha e muito menos em financiamento de qualquer gênero. Nesta parte, a oposição está pecando. Usar o argumento, por exemplo, que tenho recursos para financiar campanha, é fazer política a qualquer preço ou a qualquer custo. Pois não há recursos. Fui eleito sob os conceitos da verdade e honestidade", argumentou Sachetti. 

Postar um novo comentário

Comentários (2)

  • Thiago Marthins | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    HAHAHA Calma Sachetti..
    O povo sabe distinguir o bom do mal.. Tá achando que o bom é você é? Se engana..
    Você não se elege nem pra presidente de bairro mais meu amigo! Pode fazer o que quiser, até se pintar de rosa pra atrair atenção! Não consegue mais não! Votei em você e, sinceramente, me arrependo(e muito)! Abraços

  • gilmar | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Democracia financeira, poderio econômico. Parece que ser Prefeito é melhor que ser Agricultor.

Pode abandona Raye e pune Saggin

sandro saggin curtinha 400   Sandro Saggin (foto) amargou outra derrota em Barra do Garças. Inicialmente, seria candidato a prefeito pelo Podemos. Mas resolveu, por conta própria, levar o partido para uma coligação com partidos de esquerda que lançaram o ex-prefeito Paulo Raye, apoiado pelo PC do B, PT e Pros. A...

Ex-vereador recua para apoiar primo

divino 400 barra do bugres   Ex-vereador, ex-presidente da Câmara e empresário bem sucedido, Chico Guarnieri (PTB) não será candidato a prefeito de Barra do Bugres nas eleições deste ano. Guarnieri, que disputou a prefeitura em 2016, até ensaiou, mas recuou ao ver que o primo, pedetista Doutor Divino...

3 ex-prefeitos viram cabos eleitorais

percival muniz 400 curtinha   Dois candidatos de oposição em Rondonópolis têm ex-prefeitos como principais cabos eleitorais. O empresário Luiz Fernando, o Luizão (Republicanos), conta com apoio de Adilton Sachetti, que já comandou o município e perdeu na tentativa de reeleição, e...

3 candidatos competitivos em Sinop

roberto dorner 400   Apesar da "inflação" de candidatos a prefeito de Sinop, com cinco no páreo, a disputa tende a se acirrar mesmo entre o empresário Roberto Dorner (foto), do Republicanos e apoiado pela prefeita Rosana Martinelli (PL), o ex-prefeito e deputado Juarez Costa, que atraiu 10 partidos para o palanque, e o...

Ex-prefeito no páreo em Alta Floresta

robson silva 400 curtinha   Alta Floresta, uma das cidades pólos do Nortão, tem sete candidatos a prefeito. Um deles é Robson Silva (foto), empresário, ex-prefeito entre 93 e 96 e que concorre pelo MDB, mesmo partido do prefeito Asiel Bezerra, que está encerrando o segundo mandato e se tornou um dos principais...

Vice sinopense quer retornar à Câmara

gilson de oliveira 400 curtinha   O vice-prefeito de Sinop e apresentador de TV, Gilson de Oliveira (foto), resolveu concorrer a vereador, cadeira já ocupada por ele por dois mandatos, o primeiro pelo PSDB, entre 2005 e 2008, e, depois, pelo PSD (2009/2012). Foi candidato a deputado estadual duas vezes (2006 e 2010) e, como suplente da...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você acha que o efeito-Bolsonaro terá impacto no resultado das eleições de novembro em MT?

sim - onda Bolsonaro continua

não - efeito não influencia mais

sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.