Últimas

Sábado, 07 de Julho de 2007, 09h:18 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:16

Artigo

Saúde e prevenção nas escolas

     Os alarmantes índices de evasão de alunos no ensino médio têm causas variadas. Uma delas, bastante cruel, é a gravidez precoce e a contaminação do jovem pelos agentes causadores das DSTs e Aids. Dados da Secretaria de Estado da Saúde (SES) indicam que em nosso Estado, que não é diferente dos demais, cerca de 27% dos partos em 2004 foram realizados em adolescentes, sendo que este percentual chegou a mais de 40% em alguns locais de menor IDH. Uma pesquisa realizada pela Unesco no ano de 2002 em 14 capitais brasileiras apontou Cuiabá com o segundo maior percentual de adolescentes grávidas matriculadas no ensino fundamental: 22%. A realidade é que a menina, após o parto, não conta com estrutura familiar ou escolar que lhe dê suporte para continuar os estudos e por isto o abandono é quase que uma conseqüência automática.
     No caso das DSTs (doenças sexualmente transmissíveis) e da Aids, o quadro é igualmente grave. Considerando que a doença pode levar quase uma década para se manifestar, e que a faixa etária de maior incidência é de 25 a 34 anos, certamente uma fração significativa de infecções ocorre na adolescência, e isto novamente nos remete à escola. O jovem infectado desconhece o fato, não procura a unidade de saúde do bairro, tem sua saúde comprometida e representa um risco de propagação da doença. Como agir para que seja possível iniciar a reversão deste quadro assustador, que vem alterando o rumo da vida de tantos meninos e meninas em nosso país? Em 2003 MEC e Ministério da Saúde, em parceria com a Unesco e Unicef lançaram um piloto do Projeto Saúde e Prevenção nas Escolas, envolvendo alguns municípios brasileiros, com o objetivo de contribuir para a redução da infecção pelo HIV/DST e os índices de evasão escolar causada pela gravidez na adolescência.
     O projeto foi paulatinamente envolvendo estados, outros municípios e sociedade civil organizada, tendo início efetivo em Cuiabá e Várzea Grande neste ano de 2007. Aqui, por iniciativa conjunta da Secretaria de Estado de Saúde e Secretaria de Estado de Educação, foi realizada a primeira etapa do projeto, com oficinas dirigidas a professores, coordenadores de escolas e profissionais das unidades básicas de saúde localizadas nos bairros das escolas selecionadas para o trabalho. Ficamos satisfeitos pelo interesse da imprensa ao divulgar o trabalho, mas lamentamos o fato de que o foco foi posto na polêmica de se distribuir ou não preservativos masculinos na escola. Durante as oficinas, os profissionais da educação e da saúde discutiram temas importantes para enfrentar as dificuldades dos jovens, mas também, e principalmente, foram desafiados a enfrentarem seus próprios preconceitos relativos a sexualidade, gênero, políticas de redução de danos e tantos outros temas tão complexos que surgem neste terreno.
     Depois de superado este desafio, cada escola construiu um plano de ação com a unidade de saúde do bairro para enfrentarem juntos a realidade local. Serão realizadas ações de sensibilização para os perigos do uso de drogas, das doenças sexualmente transmissíveis e da gravidez precoce, mas para abordar estes assuntos, a sexualidade é o tema central. O trabalho vai ser acompanhado pela Seduc e pela SES e em novembro realizaremos a Primeira Mostra de Saúde e Prevenção nas Escolas, para que os resultados sejam avaliados. A avaliação vai permitir que ambas as secretarias tomem decisões mais acertadas sobre a expansão do projeto nos próximos anos, pois os investimentos necessários estão sendo previstos nos PPAs de ambos os órgãos de governo. Parabéns a todos os profissionais que estão participando desta primeira iniciativa.
     Com certeza terão competência para mostrar à sociedade que um projeto de saúde e prevenção nas escolas não pode ter a distribuição de preservativos para os alunos da rede pública de ensino como foco e sim como resultado de uma decisão amadurecida da comunidade escolar. E uma comunidade escolar amadurecida terá condições de ajudar o jovem a escolher conscientemente seus caminhos, evitando, inclusive, que ele abandone seus estudos. Precisamos, como governo e como sociedade, trabalhar muito para chegar lá.

Flávia Nogueira é secretaria extraordinária de Apoio às políticas Educacionais do governo de Mato Grosso

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Campanha une as primeiras-damas

virginia mendes 400 curtinha   As primeiras-damas Virginia Mendes (foto) e Michelle Bolsonaro, de MT e do país, respectivamente, têm mantido um relacionamento bem estreito no desenvolvimento de projetos e ações sociais. No final de abril, Michelle postou um elogio e divulgou, na sua conta do Instagram, a campanha de...

Se EP recuar, PV lança Stopa a prefeito

justino malheiros 400 curtinha   O ex-presidente da Câmara de Cuiabá e membro do diretório municipal do PV, vereador Justino Malheiros (foto), disse nesta segunda que o partido estará com o prefeito Emanuel Pinheiro até o último momento, apostando no projeto de reeleição do emedebista. Mas,...

Disputa a prefeito e apoio de Sachetti

 luizao_curtinha400   O empresário Luiz Homem de Carvalho, o Luizão (foto), ex-presidente da CDL de Rondonópolis, está mesmo determinado a encarar, pela primeira vez, o teste das urnas para prefeito. E inicia uma oposição dura à gestão Zé do Pátio, que buscará a...

Corrida de Teis no noticiário nacional

waldir teis 400 curtinha   As imagens que mostram o conselheiro afastado do TCE Waldir Teis (foto) descendo em alta velocidade as escadas de um prédio para jogar no lixo vários cheques rasgados que somavam R$ 450 mil ganharam o noticiário nacional, com destaque neste domingo em veículos, como Folha de S. Paulo, G1 e IG....

Esforço de ex-senadora para eleger 2

rafael ranalli curtinha 400   Eleita no pleito de 2018 e cassada em definitivo em abril deste ano, a ex-senadora Selma Arruda, presidente do Podemos de Cuiabá, pode deixar o partido após o processo eleitoral deste ano. Segundo informações, a juíza aposentada se afastaria da política partidária para...

6 parlamentares já foram infectados

wilson santos 400 curtinha   Desde o início da pandemia, em março, seis dos 24 deputados estaduais já testaram positivo para Covid-19. O último foi Wilson Santos (foto). Ele disse que recebeu medicação e está em isolamento. Observa que a doença está no início e segue trabalhando...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Em Cuiabá, o prefeito suspendeu a decisão de implantar rodízio de veículos entre placas pares e ímpares devido à Covid-19. Mas quer debater a ideia. Você concorda com rodízio?

concordo

discordo

tanto faz

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.