Últimas

Segunda-Feira, 26 de Fevereiro de 2007, 08h:29 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Saúde: primo rico e primo pobre

   O médico Carlos Frederico Dantas comenta, em artigo nesta segunda (26) na Folha de S. Paulo, sobre a crise financeira que atinge tanto o Instituto de Infectologia Emílio Ribas, onde é diretor-clínico, quanto o Instituto do Coração (InCor). Confira.

   NO FINAL do ano passado, acompanhamos pela imprensa notícias sobre duas importantes instituições públicas de saúde enfrentando problemas administrativos, financeiros e de modelo de gerenciamento. Refiro-me ao Instituto do Coração (InCor) e ao Instituto de Infectologia Emílio Ribas (IIER).
Tradicionais hospitais públicos de renomado prestígio junto à sociedade em suas respectivas áreas de atuação, o InCor e o IIER vivem uma crise que tem nos seus modelos de administração e gestão econômico-financeira os determinantes maiores de suas atuais dificuldades.
    Com um orçamento significativo, por meio de recursos provenientes do Tesouro estadual e/ou dos recursos advindos da Fundação Zerbini, o modelo de fundação adotado pelo InCor enfrenta problemas a demandar soluções em curto prazo que o viabilizem econômico-financeiramente.
     Prontamente, os governos federal e estadual, por meio da Secretaria da Saúde, criaram um grupo de trabalho emergencial para a busca de soluções imediatas para superar as dificuldades financeiras e administrativas vividas por essa respeitável e renomada instituição pública de assistência, ensino e pesquisa na área de doenças cardiovasculares.
Em 4/12/06, o sr. governador do Estado envia à Assembléia Legislativa o PLC nº 79/2006, que transforma o Hospital das Clínicas (HC-FMUSP) em autarquia de regime especial, suplementando o quadro de pessoal do InCor "em função da grave crise econômico-financeira por que passa a Fundação Zerbini", como justifica o sr. secretário da Saúde.
Queremos chamar a atenção para a política de primo rico e primo pobre com que a Secretaria da Saúde, diferenciadamente, trata duas tradicionais instituições públicas de saúde pertencentes ao Estado, geograficamente próximas e integrando o chamado quarteirão público da saúde na avenida Dr. Arnaldo.
Em 1/12/2006, por ocasião do Dia Internacional de Luta contra a Aids, o corpo clínico do Emílio Ribas volta a se manifestar publicamente reclamando mudanças administrativas e melhorias nas condições de atendimento na instituição.
    Vale lembrar que desde 2003 o Emílio Ribas vem se debatendo com problemas econômico-financeiros, administrativos e de modelo de administração. Naquele ano, o corpo clínico do IIER elaborou um relatório, apresentado ao secretário da Saúde, sr. Luiz Roberto Barradas Barata, contendo amplo diagnóstico institucional e propostas de mudanças com o objetivo de transformar o atual modelo e criar mecanismos mais rápidos e eficientes de gestão.
    São problemas crônicos que, aliados à falta de recursos e à centralização administrativa excessiva, levam à deterioração da relação do corpo clínico com a direção, das condições de trabalho e de atendimento.
Contribui para isso a falta de diálogo por parte do gestor estadual, que, diferentemente da solução encontrada para o InCor, nunca teve uma só palavra sobre o papel do IIER na política estadual de saúde. Todas as ações relativas ao IIER, se é que existem, são definidas de fora para dentro, de forma extremamente centralizada e sem a menor participação do corpo clínico do hospital.
     São exemplos a tentativa de incorporação do IIER na malfadada Agência de Controle de Doenças e Promoção de Saúde e, em seguida, a desvinculação do IIER da Coordenação dos Institutos de Pesquisas (CIP), descaracterizando o IIER como hospital de referência, ensino, pesquisa e assistência de média e alta complexidade em doenças infecciosas.
Lamentamos que, como no passado, ainda ocorram redução de valores orçamentários e grande variabilidade de recursos ano a ano, que são insuficientes para atender as metas e atividades estabelecidas na proposta orçamentária e para a manutenção e a ampliação dos serviços e equipamentos.
     É importante que haja a garantia de uma maior dotação orçamentária para o IIER e que o corpo clínico possa participar da sua elaboração e da definição de suas prioridades.
    O resgate histórico do papel do IIER no campo da saúde pública e das doenças infecciosas em nosso país é o maior legado institucional, e sua valorização pelas autoridades públicas de saúde estadual e federal, um compromisso com a população.
     Nesse sentido, à semelhança do que ocorreu com o InCor, seria importante que o novo governo do Estado, por meio da Secretaria da Saúde, estabelecesse, de imediato, um fórum de discussão ou grupo de trabalho para, com o corpo clínico e a direção do IIER, elaborar uma proposta de novo modelo administrativo para o Instituto de Infectologia Emílio Ribas, com maior autonomia administrativa e financeira.


 

CARLOS FREDERICO DANTAS ANJOS , 51, é diretor clínico do Instituto de Infectologia Emílio Ribas.

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Erros estratégicos e fim de mandato

niuan ribeiro 400   Niuan Ribeiro (foto) termina melancolicamente o mandato de vice-prefeito da Capital, marcado pela ambiguidade, erros estratégicos e vacilações. Logo no início da gestão, resolveu romper politicamente com o prefeito Emanuel, a quem passou a criticar, achando que se consolidaria como...

Retorno ao TCE ou cargo no governo

marcelo bussiki 400 curtinha   A partir de 1º de janeiro, com o fim do mandato de vereador pela Capital, Marcelo Bussiki (foto) retorna ao cargo efetivo de auditor do TCE-MT. Mas é possível que ele seja convidado por Mauro Mendes para compor o quadro de principais assessores do chefe do Executivo estadual. Bussiki foi...

DEM, bate-cabeça e plano B frustrado

fabinho garcia 400 curtinha   O ex-deputado federal e empresário Fábio Garcia (foto) acabou deixando o DEM órfão de candidatura a prefeito da Capital. Numa conversa com o governador Mauro, seu padrinho político, Fabinho o assegurou que iria sim disputar o Palácio Alencastro, mesmo pedindo trégua por...

Mauro sofre 2 derrotas para Emanuel

mauro mendes 400 curtinha   Mauro Mendes (foto), principal estrela do DEM em MT, acabou amargando duas derrotas em Cuiabá para o prefeito Emanuel, neste ano, embora não tenha sido candidato nas urnas. Em princípio, buscou candidatura própria com o seu partido, mas todos os nomes possíveis, como de Gilberto, Gallo,...

Três derrotas do marqueteiro Antero

antero de barros curtinha 400   O ex-senador, jornalista e marqueteiro Antero de Barros (foto) não levou sorte nas campanhas eleitorais as quais coordenou nestas eleições. Em Lucas do Rio Verde, empurrou à reeleição o prefeito Luiz Binotti que, mesmo com o poder da máquina, perdeu para o...

Lideranças jogaram duro contra EP

carlos favaro 400 curtinha   Emanuel Pinheiro teve uma reeleição sofrida em Cuiabá. Lutou contra os principais líderes políticos, que se juntaram em torno da candidatura de Abílio, uns publicamente, outros nos bastidores. O governador Mauro Mendes, por exemplo, jogou pesado para tentar derrotá-lo....

MAIS LIDAS