Últimas

Sexta-Feira, 17 de Agosto de 2007, 08h:53 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:16

Artigo

Secretário de saúde faz alerta sobre o Pacto pela saúde

     O Pacto pela Saúde, ao atribuir aos municípios um papel central no planejamento e na execução das ações e serviços de saúde, contribuiu para que cada local possa diagnosticar e responder às suas necessidades. A proposta prevê um grande avanço no SUS. O processo de regionalização tem estimulado a articulação entre os pequenos municípios para organizarem os serviços de média e alta complexidade, garantindo assim maior acessibilidade. Contudo, estes serviços de média e alta complexidade são ainda um dos grandes estrangulamentos que dificultam o acesso universal do cidadão ao SUS. Isso acontece porque a maioria dos municípios não tem estrutura própria para atender esta demanda. Como conseqüência, surgem longas filas de pessoas esperando por exames e procedimentos agravada ainda pela “ambulancioterapia”, que é uma prática comum de transportar os cidadãos para os municípios/referência. E é isto que acontece há quase duas décadas em Cuiabá, referência não só para a Baixada Cuiabana, mas para todo o Estado de Mato Grosso, outros estados e até países vizinhos. Esse estrangulamento aumenta a cada ano devido a falta de estrutura de outros municípios para garantir atendimento à saúde de seu munícipe. Alguns hospitais regionais foram criados pelo Governo do Estado, mas que, ao contrário do que se esperava, não atende a demanda de suas respectivas regiões por total falta de estrutura, principalmente para os casos de alta complexidade. Até mesmo casos mais simples vêm parar aqui na Capital. Recentemente, por exemplo, um paciente que havia engasgado com uma espinha de peixe não conseguiu atendimento no Hospital de Rondonópolis e teve que ser transferido para o Pronto Socorro de Cuiabá. E foi atendido. Diariamente chegam dezenas de pacientes do interior a Capital, onde proliferam as casas de retaguarda, prova inconteste do estrangulamento. Todos estes problemas podem ser solucionados por meio do Pacto pela Saúde, criado para promover ações pactuadas e integradas entre as três esferas de gestão (a União, os Estados e os Municípios) que alcancem maior eficiência e qualidade das respostas do SUS aos anseios da população de usuários do sistema. Porém, se a pactuação não atender a verdadeira realidade de cada município, não conseguiremos alcançar os seus objetivos, cuja proposta central significa “solidariedade”. Ou seja, município, estado e federação devem dar a sua parcela de contribuição de forma justa, sem penalizar este ou aquele, como acontece hoje com Cuiabá, acarretando, naturalmente, as filas de espera tanto na regulação quanto na urgência e emergência. Esse quadro torna onde o setor da saúde da Capital alvo permanente de críticas. Porém, para garantir a qualidade dos serviços ofertados indistintamente ao usuário é preciso que o município seja ressarcido à altura. Importante ressaltar que enquanto o Governo do Estado investiu 12% cravados na saúde, o município de Cuiabá investiu 22% do seu orçamento, quando o previsto é 15%.      O sucateamento dos hospitais regionais também favorece o aumento da demanda na Capital e o que percebemos hoje é a pressa do Estado em transferir os poucos serviços que ainda estavam sob sua responsabilidade para o município, antes mesmo que Cuiabá esteja devidamente preparada para assumi-los. Se o Pacto pela Saúde representa a solidariedade entre as três esferas de gestão, então está faltando uma compreensão plena de sua proposta. O alerta é para seja criada uma estrutura articulada para atender a demanda. Isso significa que, para que a regionalização se efetive, em vista da garantia do acesso, eqüidade e integralidade do sistema, é necessário um processo qualificado de planejamento. Os municípios, apoiados pelo Estado e União e junto com o controle social, devem se empenhar para que ele seja organizado levando em conta suas características geográficas, epidemiológicas, etc. Como Cuiabá é um município de referência, não pode correr o risco de sofrer as conseqüências de uma pactuação que não corresponda a sua realidade. E como já estamos à beira de um “apagão da saúde” (nacional), uma pactuação mal feita pode apressar o caos. É preciso definir com precisão a pactuação dos recursos necessários e a forma de desembolso dos mesmos para garantir a oferta dos serviços acordados. Ou seja, os municípios que têm a necessidade do serviço pagam e os que prestam o serviço recebem por isso. Pensar o SUS somente dentro do nosso município vai contra o princípio da solidariedade e é irracional para uma proposta que se pensa como sistema. Tampouco o Estado e a União devem pensar o SUS isoladamente, fechando os olhos para a realidade de cada município. Precisamos definir e compreender melhor qual será o verdadeiro papel do Estado com o advento do Pacto pela Saúde.

Guilherme Maluf é Secretário de Saúde de Cuiabá

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

PEC da Previdência na pauta nesta 5ª

dilmar dal bosco 400 curtinha   A polêmica e controversa PEC da Previdência, apresentada pelo governador Mauro, deve ser apreciada nesta quinta, em primeira votação, pelos deputados. O Executivo conseguiu os votos mínimos necessários para conseguir aprovação. Deputados da oposição...

Caminho bem consolidado à reeleição

leonardo 400 curtinha   Dos prefeitos que podem ir à reeleição de cidades pólos, o que encontra situação mais confortável é Leonardo Bortolini, o Léo (foto), de Primavera do Leste. Bem articulado e habilidoso politicamente e com uma relação extensa de obras e...

PSDB e balão de ensaio para prefeito

paulo borges 400 curtinha   Bastante enfraquecido e fragilizado, após perda do comando do Executivo estadual e de quadro de filiados, o PSDB anuncia que terá candidato a prefeito de Cuiabá. E até lista três "prefeitáveis", sendo eles os empresários Luiz Carlos Nigro e Dorileo Leal, além do...

Grupo de Fabinho ávido pelo poder

fabio tardin 400 vereador   Uma ala do DEM de Várzea Grande, que se sente excluída do Paço Couto Magalhães, está torcendo pela cassação da prefeita Lucimar e do vice Hazama. O placar do julgamento no TSE está em 2 a 1 pela manutenção do mandato. Esse bloco anti-Lucimar é...

Vereadores oficializam 2 férias por ano

emerson 400 alta floresta curtinha   Os vereadores de Alta Floresta, no Nortão, aproveitaram este período de pandemia, com as atividades presenciais suspensas, para garantir dois períodos de "férias" por ano. Em decisão desta segunda, a Câmara Municipal, presidida por Emerson Sais Machado (foto), alterou o...

Comissão da Câmara sob efeito-Covid

renivaldo 400 curtinha   Em meio às discussões sobre transparência e compras emergenciais de medicamento, insumos e equipamentos às unidades de saúde, na luta contra a pandemia da Covid-19, a Câmara de Cuiabá criou uma Comissão Especial, composta por três vereadores. Tem a...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Até dezembro, o IFMT terá eleição para Reitoria. Quem você acha que será eleito dos candidatos abaixos?

Deiver Alessandro

Julio Santos

Nenhum deles

Não tenho ideia

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.