Últimas

Quinta-Feira, 28 de Junho de 2007, 09h:22 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:16

Artigo

Sei que morro... A Invasão do solo de minha pátria

     A célebre frase de Antonio João Ribeiro parece já não ter o significado que ele imprimiu. Deixou no Pantanal, principalmente em Poconé, muitos descendentes, que não passam nem perto de sua coragem, determinação, amor ao Brasil e a Mato Grosso.
    Na Urca, cidade do Rio de Janeiro, existe um busto e uma menção a ele, enquanto que aqui, quem é Antonio João Ribeiro? Até o nome dele tiraram de uma Escola em Poconé, para colocar  o do Marechal Rondon, que embora merecedor de homenagens, não justifica a mudança. 
    Mas, deixando de lado essa questão “emocional”, a sua frase, “sei que morro, mas o meu sangue, e o de meus companheiros, servirá de protesto solene,  contra a invasão do solo de minha Pátria”, é sempre atual, mas esvai-se com o tempo, pela falta de respeito aos nossos antepassados e pela ausência de coragem daqueles que, ao contrário dele, não defendem o Pantanal, quanto mais sua Pátria.
     Pobre do povo que não tem memória,  porque como disse um pensador brasileiro, que não necessito nomear pois todos os nossos patriotas devem, ou deveriam saber quem é, “um País sem passado, mais que um País sem presente, é uma NAÇÃO sem futuro “.
     Sem entrar nesse mérito, gostaria de voltar à questão dos Projetos de Lei que, por incrível que pareça, e não obstante a insatisfação dos pantaneiros corajosos, continuam dentro da nossa Casa de Leis, sob a forma de Comissão, discutindo o indiscutível: só o homem pantaneiro sabe lidar com o Pantanal. Ponto pacífico.
     Os nossos Deputados, possuem uma capacidade incrível de refutar os interesses do povo pantaneiro. Não querem, na verdade, preservar ou conservar o Pantanal, mas sim, atender a interesses de usineiros, Ong’s e todo tipo de gente ou Instituição, que deseja “usar” o Pantanal para obter recursos e assim........
    Já recebi muitos “recados” dizendo para eu “sair da questão”, porque os “interesses do Estado” estão em jogo.
    Primeiro, não gosto de recados. Segundo, digo a esses mal intencionados políticos, que a favor do Pantanal, minhas posições são inarredáveis. Não temo represálias ou posicionamentos, mesmo porque, até agora, ninguém enfrentou as minhas declarações. Quem cala, consente. Consente por omissão, por negligência, por covardia ou ainda, por falta de argumentos.
     Essa legislação que estão propondo é Inconstitucional e, com esse meu argumento, alguns já me disseram, através de “enviados especiais”, que eu deveria dizer porquê, que eu devo me posicionar dentro dessa “estrutura” que eles criaram, mas eu prefiro não dar armas aos inimigos do Pantanal, para derrotar nossos interesses. Podem esquecer essa possibilidade.
     Como, não obstante esses “interesses” escusos e desonestos, não pretendo desistir e tenho (apesar deles), o apoio dos “verdadeiros pantaneiros”, não vou desistir.
     Como não gosto de receber recados e não costumo mandá-los, Senhores Deputados, Senhor Governador, ou quem estiver por trás desses “outros” que pretendem usar o pantanal como palanque político ou para atender grupos ou pessoas, deixo bem claro aqui: deixem a nossa gente em paz. Nós preservamos o pantanal e não permitiremos que vocês, indevida e injustificadamente, se apoderem dele para promoção pessoal ou para obtenção de dividendos, que só Deus sabe dizer quais são.
     Juristas, especialistas, doutores, professores, pesquisadores, legisladores, etc., não tentem usar essa falsa causa como ambiental, porque nós, os pantaneiros de verdade, não permitiremos, e falando por mim, acredito que existem outros interesses que deveriam estar defendendo: o do povo de Mato Grosso. Do Pantanal, cuidamos nós.
     Voltarei ao assunto. Não é um recado ou uma ameaça, é uma promessa. Tudo em nome do “espírito de brasilidade”. Sou pantaneira, sim senhor. 


Oriana Paes de Barros é procuradora federal aposentada e pecuarista

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

4 fora da reeleição em Rondonópolis

jailton 400 vereador curtinha   Em Rondonópolis, quatro dos 21 vereadores não devem ir à reeleição, sendo eles Thiago Muniz (DEM), Rodrigo da Zaeli (PSDB), Hélio Pichioni (PSD) e Jailton do Pesque e Pague (foto), do PSDB. Thiago e Rodrigo têm esperanças de concorrer a...

Prefeito apoia vice à briga em Cáceres

eliene liberato 400 curtinha   Francis Maris vai mesmo declarar apoio oficial à pré-candidatura da empresária Eliene Liberato à sucessão em Cáceres. Em público, o prefeito faz mistério para não contrariar outros pretensos candidatos do grupo e que têm esperanças de receber...

Preparando um dos aliados a federal

mauro carvalho 400 curtinha   Embora não comente publicamente, o governador Mauro Mendes está "costurando" acordos políticos com líderes mais próximos, visando não só o pleito de 2020, mas também às eleições gerais de 2022. Em época de busca de projetos e de...

Salvando 1º ano de mandato no cargo

selma arruda 400 curtinha   Embora "sangrando" e com a imagem arranhada, a juíza aposentada e senadora cassada pelo TRE-MT Selma Arruda, que trocou o PSL pelo Podemos, consegue concluir este primeiro de oito anos de mandato. E vai se licenciar nos próximos dias para ceder espaço aquele que financiou a sua campanha,...

Barbudo é menos empreguista de MT

nelson barbudo 400 curtinha   Dos oito deputados federais de MT, o estreante Nelson Barbudo (foto) é o menos "empreguista". Nestes 10 primeiros meses de mandato, ele nomeou no gabinete em Brasília e no escritório político em Cuiabá apenas 15 assessores. Cada gabinete pode ter até 25 secretários...

Rossato quer "minar" reeleição de Ari

dilceu rossato 400 curtinha   Em Sorriso, a capital nacional do agronegócio, a tendência é da disputa à sucessão no próximo ano ficar polarizada entre o prefeito Ari Lafin, do PSDB, e seu antecessor, Dilceu Rossato (foto), hoje filiado ao PSL. Embora se movimente nos bastidores, o deputado Xuxu Dal Molin...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Como você avalia a decisão do Supremo de suspender prisão imediata após julgamento em segunda instância?

Concordo

Discordo

Tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.