Últimas

Quarta-Feira, 27 de Junho de 2007, 09h:18 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:16

Artigo

Servidores públicos: direito à greve

     Entre as muitas infelicidades atribuídas ao nosso presidente da República, ex-sindicalista como Lech Walessa da Polônia - hoje relegado ao anonimato, à gordura e ao esquecimento, por ter traído seus princípios - está a que classifica de férias: a greve de 90 dias, com salários de servidores. Silogismo: se não recebessem salários, não seriam férias...
     Isto no afã, dele e de muitos de seus fervorosos defensores, a ex-companheirada, hoje neopelegos, de que não basta regulamentar o direito de greve dos servidores, adotado na Constituição de 88, tem que limitar, restringir, inibir, punir.
     Os inimigos do Estado brasileiro, que não enxergam a brutal transferência da renda nacional para financiar a dívida interna, drenando toda a poupança para o mercado, gostariam de ver os servidores humilhados, responsabilizados por tudo que é ruim nos serviços públicos. Mensaleiros, gafanhotos, sanguessugas, ongueiros, empreiteiros, políticos, corruptos, toda a corja inclusive da base política do presidente - que se aproveita do Estado e das riquezas do país, fazem e acontecem, mas os servidores é que são culpados. Os que não sabem de nada, batem nos servidores. Os inimputáveis, impunes, imunes, imundos, os que tem foro especial, os parceiros do crime organizado, palitam os dentes, mas os servidores é que são culpados.
     Esquecem que desde 2003, as perdas dos servidores passam dos 28%. O presidente da República não honrou seus compromissos com os servidores, que na era FHC acumularam perdas de 70%, dando-lhes 1% de aumento em 2003, zero em 2004, 0,1% em 2005 e novamente zero em 2006. Em 2007, tudo indica que vai repetir o zero, e inibir a greve dos servidores.
     Os "aumentos" concedidos à massa dos servidores foram incorporações de passivos judiciais, em suaves prestações anuais, e gratificações fajutas, sendo que algumas categorias já contabilizam três gratificações... Uma empulhação de bom tamanho. Uma vilania, pois as gratificações não são incorporadas nas aposentadorias e pensões. Além do que, o presidente da República brindou os servidores com a 2ª reforma da Previdência, feita de encomenda contra eles, para retirar direitos sociais e conquistas constitucionais. Agradou o mercado e lascou os servidores
     O "governo do trabalhador" vem sendo o lobo do servidor: um discurso simpático mas uma prática rude e perversa. Na política salarial, a presença marcante da discriminação mais odiosa, especialmente quanto aos servidores da área social. Os benefícios adicionais (vale-alimentação, participação no custeio do plano de saúde, etc) estão congelados e infinitamente inferiores aos concedidos no Judiciário e no Legislativo.
     Não tendo explicações a dar, o governo investe no garroteamento de um justo, legítimo e constitucional direito dos servidores, conquistado em 1988, após uma árdua luta: o direito de greve. A título de "regulamentar", pretende-se mesmo impedir o exercício desse direito, especialmente daquelas categorias funcionais que não tendo voz e acesso ao Poder, recorrem à greve como último recurso.
     A discussão dessa matéria (o direito de greve) deve incorporar dois debates simultâneos: a regulamentação propriamente dita e o estabelecimento de uma política salarial justa.
     No primeiro caso, a "regulamentação", alguns pontos devem ser considerados:
a) assegurar a liberdade de exercício do direito pelas classe/carreira/categoria de servidores;
b) não estabelecer prazo-limite (interstício) entre uma greve e outra da mesma classe/carreira/categoria;
c) definir claramente o que sejam "serviços essenciais";
d) estabelecer, no caso de greve, um percentual de no máximo 30% (trinta por cento) da categoria no exercício de suas "atividades essenciais";
e) repor eventuais descontos dos dias parados;
     Simultaneamente, exigir do governo a observância plena de alguns pleitos essenciais:
a) estabelecimento de uma política salarial única;
b) eliminação dos verdadeiros "feudos" ora existentes no funcionalismo federal;
c) eliminação definitiva da prática perversa de discriminar servidores ativos e inativos no que respeita à remuneração;
d) revisão dos valores de vale-alimentação e custeio patronal de plano de saúde;
e) melhoria sensível da qualidade, segurança e conforto das condições do trabalho, muito precárias em determinados órgãos, tanto para usuários quanto para servidores.
     Em tempo: não precisamos dos neopelegos para nos defender. Ainda temos dignidade.

Paulo César de Souza é presidente da Associação Nacional dos Servidores da Previdência Social (Anasps)

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Wellington tem 47 lotados no Senado

wellington 400 curtinha   Com dois meses e meio na cadeira de senador, Carlos Fávaro tem hoje 18 assessores lotados no gabinete, muito aquém do quadro dos colegas Jayme Campos e Wellington Fagundes. O chefe de gabinete de Fávaro é o advogado Irajá Rezende de Lacerda, filho do primeiro-suplente Zé Lacerda....

Cáceres, lockdown e frases de alerta

francis maris 400 curtinha   Em Cáceres, o prefeito Francis Maris (foto) decretou lockdown desde a última segunda, dia 29, como forma de forçar os moradores a permanecer em casa para conter o avanço da Covid-19. Mas as medidas restritivas não estão surtindo tanto efeito na prática. Muitos continuam...

4 prefeitos de MT com coronavírus

luiz binotti 400 curtinha   Pelo menos quatro prefeitos em Mato Grosso já foram diagnosticados com Covid-19. O caso mais recente envolve Luiz Binotti (foto), de Lucas do Rio Verde. Ele aguarda resultado de exames, mas já se encontra em isolamento domiciliar. Com sintomas do novo coronavírus, Binotti decidiu ficar em casa. De um...

Forçando cuiabanos a ficar em casa

emanuel pinheiro 400 curtinha   Acuado por causa do avanço dos casos de Covid-19, o que tem provocado colapso na rede pública de saúde, principalmente em Cuiabá, o prefeito Emanuel Pinheiro (foto) decidiu adotar medidas mais restritivas para conter circulação e aglomerações de pessoas,...

Relação tensa e agora sem assessores

niuan ribeiro 400 curtinha   A relação política entre o prefeito Emanuel Pinheiro e o vice Niuan Ribeiro (foto), em Cuiabá, deve azedar ainda mais. Ambos estão rompidos politicamente desde o ano passado. Niuan, que atua no 6º andar do Palácio Alencastro de olho nas ações de Emanuel, que...

PEC da Previdência na pauta nesta 5ª

dilmar dal bosco 400 curtinha   A polêmica e controversa PEC da Previdência, apresentada pelo governador Mauro, deve ser apreciada nesta quinta, em primeira votação, pelos deputados. O Executivo conseguiu os votos mínimos necessários para conseguir aprovação. Deputados da oposição...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Até dezembro, o IFMT terá eleição para Reitoria. Quem você acha que será eleito dos candidatos abaixos?

Deiver Alessandro

Julio Santos

Nenhum deles

Não tenho ideia

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.