Últimas

Domingo, 14 de Janeiro de 2007, 08h:26 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Socialismo e mercado

     O economista Vivaldo Lopes, discorre, em artigo neste domingo (14) no Diário de Cuiabá, sobre o socialismo. Leia reprodução abaixo.

    Esse foi o termo utilizado pelo mitológico guru da administração moderna, Peter Drucker, em seu antológico livro, de 1975, “A Revolução Invisível”, no qual ele descreveu o fantástico crescimento do capitalismo americano a partir da modernização e popularização do seu mercado de capitais. Drucker demonstrou que os Estados Unidos promoviam verdadeira revolução “socialista” ao estimular que os seus cidadãos comuns se tornassem donos das maiores empresas americanas por meio da compra de ações, ao mesmo tempo em que a União Soviética praticava o capitalismo de Estado, ao concentrar as atividades produtivas no poder público. 

   Paradoxalmente, a única reforma levada a efeito com sucesso pelo governo esquerdista do presidente Luis Inácio da Silva foi a modernização do mercado de capitais brasileiro. Se o atual governo não foi o ideólogo dessa reforma, deu sequência ao trabalho já iniciado pelo presidente da Bovespa, Francisco Magliano, não aparelhou partidariamente a Comissão de Valores Mobiliários – CVM e fez alterações na legislação do imposto de renda que facilitaram aos cidadãos comuns aplicarem parte de sua poupança na compra de ações de grandes e até médias empresas. Estimulou, ao mesmo tempo, as empresas a financiarem grandes projetos de expansão através da abertura de seus capitais, fazendo lançamentos públicos de ações. Captar recursos para novos projetos de expansão através do lançamento de ações é a reforma mais engenhosa e barata que o capitalismo já criou para os negócios. 
   Nunca as empresas brasileiras captaram tantos recursos em bolsa. Somente em 2006 foram 125 bilhões de reais em emissões debêntures e certificados de recebíveis. Vinte e seis empresas lançaram ações na Bovespa, um recorde dos últimos anos. O salto de qualidade do mercado de capitais é atestado com a participação, até então inédita no Brasil, de médias empresas, como a OdontoPrev, operadora de planos odontológicos e a BrasilAgro que tem seu modelo de negócios baseado na compra de propriedades rurais, levá-las ao nível ótimo de produção para em seguida vendê-las. A BrasilAgro já nasceu ingressando na bolsa, onde captou, em maio de 2006, 580 milhões de reais com o seu lançamento inicial de ações. 
    O fortalecimento da CVM e o bom trabalho que vem desenvolvendo nas análises de novas ofertas de ações e de fiscalização das atividades foram fatores que aumentaram a confiança do investidor. O excelente trabalho que o presidente Francisco Magliano desenvolve há vários anos à frente da Bovespa com inúmeras campanhas de divulgação do mercado de ações também foram fatores decisivos para o salto qualitativo do mercado de capitais. Além disso, a estabilidade econômica, controle da inflação, redução gradual da taxa de juros, combinados com outros aspectos positivos da economia estimularam o investidor a aplicar no setor privado. Fomos também favorecidos pela excelente fase da economia mundial que liberou parte da liquidez internacional para o mercado de capitais brasileiro, favorecendo as empresas nacionais que tiveram 70% de suas novas ações lançadas compradas por investidores estrangeiros. 
   O mercado de ações não se encontra ainda em estágio à altura das dimensões da economia brasileira. Temos apenas 390 empresas com ações negociadas em bolsa, enquanto especialistas apontam um potencial de 2.000 empresas que podem ter suas ações ofertadas em bolsa. 
   Ao contrário das reformas trabalhista, previdenciária, tributária e política que não tiveram nenhum avanço no atual governo, a reforma do mercado de capitais, a mais liberal de todas, pode ser tributada como um sucesso. Resta agora dar sequência ao salto qualitativo, com melhor integração da Bovespa com bolsas de outros países para atrair mais investimentos estrangeiros, facilitar mais o acesso das médias empresas à Bovespa, regulamentar melhor os fundos de pensão de empresas privadas e executar campanhas didáticas de popularização da aplicação em ações.

* VIVALDO LOPES é economista, pós-graduado (MBA) em gestão financeira de empresas pela FIA/USP, consultor da Fundação Getúlio Vargas - FGV (vivaldo@uol.com.br)

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

EP cresce 5; Abílio perde 3, diz Ibope

emanuel pinheiro 400 curtinha   Pelos números do Ibope, revelados nesta sexta à noite pela TV Centro América (Globo), Abílio Júnior (Podemos) oscilou negativamente 3 pontos percentuais em menos de uma semana, de 48% para 45% das intenções de voto. Já o emedebista Emanuel Pinheiro (foto)...

Sob arrogância, ataque e desrespeito

abilio junior 400 curtinha   O candidato Abílio Junior (foto), que disputa o segundo turno em Cuiabá com o prefeito Emanuel, chegou bastante nervoso e irritado para o debate nesta sexta, na TV Vila Real (Record). Demonstrando arrogância, ignorou o superintendente do Grupo Gazeta de Comunicação, Dorileo Leal, na...

Candidatos, tensão, debate e bate boca

antoniocarlos   Em debate tenso, na TV Vila Real (do grupo Gazeta) e, após troca de acusações sobre atos de corrupção e servidores fantasmas, os candidatos à Prefeitura de Cuiabá Abílio Júnior (Pode) e Emanuel Pinheiro (MDB) protagonizaram bate boca por mais de uma vez. O clima ficou...

Abílio contrata 400 fiscais para eleição

A campanha do candidato Abílio Júnior (Pode) decidiu contratar 400 fiscais para atuar nesta eleição de domingo. Isso derruba o discurso do candidato do Podemos de que todos atuam de forma voluntária em prol da sua vitória. Aliás, quando questionado sobre a grande estrutura que montou neste segundo turno, inclusive sobre a equipe de marketing, disse que todos são colaboradores. Na sua versão, ninguém recebe pelo trabalho,...

Entrando na briga à AMM muito tarde

maurao curtinha 400   Mauro Rosa, o Maurão (foto), que está encerrando o segundo mandato como prefeito de Água Boa, é o único candidato no duelo com Neurilan Fraga, que busca mais um mandato no comando da AMM, entidade que representa as prefeituras mato-grossenses. O problema é que Maurão entrou...

Com Paccola, Câmara terá polêmicas

paccola 400 curtinha   O vereador eleito pela Capital, tenente-coronel PM Marcos Eduardo Ticianel Paccola (foto), do Cidadania, promete levar muitas polêmicas para os embates que pretende travar no Legislativo. Ele é daqueles sem papas na língua. Defende, por exemplo, que a população tenha direito de se armar. Em...