Últimas

Sexta-Feira, 09 de Março de 2007, 10h:03 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Subir no toco

    Com o título 'Subir no toco', o jornalista Kleber Lima discorre sobre o novo Partido da República, que recebeu a filiação do governador Blairo Maggi, e a discussão antecipada do debate sobre a sucessão em Cuiabá. Confira abaixo.

   A filiação a um novo partido do governador Blairo Maggi e parte do seu grupo (um grande líder como governador não precisaria ter partido, pois sua liderança se espalha por várias legendas), bem como a divulgação de pesquisas de intenção de voto nas últimas semanas, fizeram precipitar um debate que é, de fato, precipitado, e perigoso, acerca da sucessão do prefeito Wilson Santos, no ano que vem, em Cuiabá.
    Claro que o tempo da política se faz por fatores objetivos, como o calendário imposto pela legislação eleitoral, mas sofre uma influência muito forte dos chamados fatores subjetivos, que residem mais no campo da vontade, do desejo, e da capacidade de articulação.
    Iniciamos 2007 com pelo menos 11 candidatos virtuais ao Palácio Alencastro (Mauro Mendes, Walter Rabelo, Sérgio Ricardo, Wilson Santos, Carlos Brito, Carlos Abicalil, Eder Moraes, Roberto França, Iraci França, Serys Marli, Thelma de Oliveira - ordem aleatória) entre outros que me faltam à memória.
    A precipitação do debate já provocou prejuízos a pelo menos dois deles: Eder Moraes, que se envolveu numa luta inglória com gente muito mais forte que ele no momento, e foi convidado a desistir; e Mauro Mendes, que por razões ainda não muito esclarecidas, teria desistido de concorrer.
   Sobram, em tese, nove postulantes. Se a precipitação prevalecer, antes de junho, um ano antes da data-limite para as convenções, outros ainda serão pegos no contrapé, e não terão outra alternativa senão abortar aquilo que mal começaram.
    A não precipitação, aparentemente, interessa mais ao prefeito Wilson Santos, uma vez que se o debate eleitoral começar desde já, ele verá sua base de apoio, já frágil e inconsistente, virar pó de vez.
    De fato, a primeira vítima dessa antecipação do debate é o prefeito. Não é à toa que ele mesmo já anunciou de público que não é hora de discutir eleição, que está muito cedo, blá-blá-blá.
    Mas, como já dito, qualquer um dos demais nomes corre o mesmo risco. Afinal, como diz o adágio popular, o mesmo risco que corre o pau, corre o machado.
     Para os líderes nas pesquisas (que ainda não podem ser tratadas, rigorosamente, como "intenção de voto", pela distância que nos separa da eleição, mas apenas como indicadores circunstanciais), há o risco de se agarrarem a números muito favoráveis agora, quando não há de fato uma mobilização do eleitor e da opinião pública para o tema, e, depois, quando começar o jogo de verdade, despencarem nas curvas, caindo no mar da desacreditação, igual cavalo paraguaio.
    Para os que estão muito atrás, o risco é não serem levados a sério, e acabarem radicalizando posições e ficando isolados. Os mais confortáveis são os que estão em posição intermediária. Mas, desde que se comportem como candidatos intermediários: que possuem boa lembrança e boa imagem, mas que ainda não têm muitos alicerces para erguerem seus projetos.
    A atitude mais sensata e inteligente para os desejosos de entrar no jogo da sucessão municipal do ano que vem, em Cuiabá ou em qualquer outra cidade, é a discrição, jogando toda sua energia na articulação silenciosa de uma base de apoio, na projeção positiva de seu nome, e na sua preparação pessoal, tanto intelectual, política e financeira, quanto emocional. Trocando em miúdos, é hora de subir no toco e ficar atento, para, se o cavalo passar encilhado, montar no baita e cavalgar até a vitória. No máximo, criar um corredor forçando o cavalo a passar ao lado do seu toco.

(*) KLEBER LIMA é jornalista pós-graduado em marketing e consultor de comunicação e marketing político. E-mail: kleberlima@terra.com.br. www.kgmcomunicacao.com.br.

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

PT na oposição independente do eleito

edna sampaio 400   Independente de quem ocupar o Palácio Alencastro, a partir de janeiro, a professora Edna Sampaio (foto), única eleita pelo PT à Câmara de Cuiabá, fará oposição ao prefeito. E dá sinais de que será uma parlamentar bastante atuante. Neste segundo turno, como o seu...

Secretário não consegue eleger Fred

fred gahyva 400 curtinha   O vereador licenciado e secretário estadual de Saúde, Gilberto Figueiredo, foi um cabo eleitoral incansável pela candidatura de Fred Gahyva (foto) a vereador pela Capital. Ele liderou reuniões nas unidades de saúde, reforçando pedido de voto para o aliado e amigo de...

Deputado agora pula de palanque

elizeu nascimento 400 curtinha   O ex-vereador e hoje deputado estadual Elizeu Nascimento (foto), que amargou a oitava colocação na disputa ao Senado na eleição suplementar do último dia 15, mudou de lado, como se troca de camisa. Em princípio, era apoiador do projeto de reeleição do prefeito...

Ex-aliado, Sales lembra quem é Abílio

coronel sales 400   Em mensagem enviada aos amigos, reforçando pedido de voto para Emanuel Pinheiro, o coronel PM da reserva e secretário de Ordem Pública da Capital, Leovaldo Sales (foto), diz conhecer bem os dois candidatos que disputam, neste segundo turno, o Palácio Alencastro. Sobre Emanuel, lembra que este tem...

Uma perna no muro e dicas indiretas

eduardo botelho 400 curtinha   O presidente da Assembleia, Eduardo Botelho (foto), chega ao final deste 2º turno das eleicões em Cuiabá com uma perna no muro. Ele liberou toda sua equipe para votar em quem quiser e todos pedem voto para Emanuel. Já Botelho, particulamente, preferiu não assumir publicamente o seu...

Nezinho, nova derrota e aposentadoria

nezinho 400   Aos 69 anos, o petebista Carlos Roberto da Costa, o Nezinho (foto), considerado da velha guarda política, tentou, mas foi reprovado nas urnas em Nossa Senhora do Livramento. Ele concorreu a prefeito em quatro pleitos. E já exerceu dois mandatos. Nezinho já foi secretário-adjunto de Fazenda do Estado,...

MAIS LIDAS