Últimas

Quinta-Feira, 26 de Julho de 2007, 06h:35 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:16

Artigo

Suspeitas parcerias

     Uma notícia trazida a lume pelo sempre prestigiado blog do Romilson – RDNews, causou novo transtorno para mim que estou meio desatualizado quanto à separação de poderes da República: a criação de um conselho mato-grossense de muitos assentos. Talvez a nossa doutrina esteja igualmente antiquada, mas o certo é que não houve alterações constitucionais capazes de me convencer da importância da separação de poderes. Vejamos a novidade do “Hugo Chavez do Cerrado”, conforme o não menos lido e sempre mordaz Marcos Antônio Moreira.

      Nos últimos anos, tenho alertado publicamente dos perigos para a democracia das reuniões amigáveis entre representantes de Poderes. Não só alertado, mas ingressado com medidas judiciais. Mais recentemente, há uma tendência de fundir atribuições constitucionais, em nome de uma solidariedade que o legislador jamais sonhou haver. É claro que o gestor quer consigo uma “blindagem” para não ser responsabilizado sozinho. Conselhos nacionais ou estaduais que reúnam numa mesma mesa o Poder Executivo, Legislativo, Judiciário, Tribunal de Contas e Ministério Público têm algo de errado, institucionalmente.

     Relações cordiais são permitidas e recomendadas, mas compadrio é terminantemente vedado pela Carta Magna de 1988 e foi um avanço para o estado democrático de direito que não possam ser imiscuídas atribuições de cada qual. Surgiram quarentenas, vedações, limitações, formas de controle externo, numa palavra – freios para a concentração de poder. É mais que noticiado o traumático afastamento de dois promotores do cargo de secretários estaduais de Mato Grosso, ainda que considerando a capacidade técnica de ambos. Todavia, em que pese tal competência particular, provou-se enfim que a Constituição da República não quer entrelaçamento institucional entre fiscal e fiscalizado.

       Portanto, na mesma linha de raciocínio, não só o Ministério Público, mas sobretudo o Tribunal de Contas, o Judiciário e o Legislativo que, cada qual a seu modo, intervêm na formulação de metas, aprovação de contas, julgamento dos conflitos públicos, devem permanecer afastados de qualquer veiculo de consulta ou decisão do Estado de Mato Grosso. O aparelhamento funcional desses órgãos é um avanço democrático. Dessa forma, o Judiciário, MP, TCE, Defensoria, OAB, Legislativo não podem ficar com “pires na mão”, diante de um Executivo despótico. Assim, orçamento, pessoal e garantias aos órgãos fiscalizadores são uma benção para o povo que confia no bom andamento da máquina pública, por meio da credibilidade de tantos fiscais independentes.

       O problema de irmanarem-se todos não é fundamentalmente do Governo Estadual que tenta atrair para si os mais brilhantes – a questão é justamente de doação gratuita de credibilidade e perda do benfazejo distanciamento institucional. Partidos adversários servem para fazer oposição e ponto final. O jogo democrático é turbado toda a vez que a oposição compõe com a situação, desprezando a vontade do eleitor. Se é assim como a política, com muito mais razão a máxima aplica-se com os fiscais e mantenedores da democracia brasileira. E quem são eles? Os juízes, em primeiro plano, os advogados, os promotores, os conselheiros de contas, os auditores e, até mesmo, a oposição partidária que, no Brasil, sempre foi débil.

      É preciso a máxima cautela para que a independência republicana torne-se apenas aparente. Em que pese distâncias continentais de Mato Grosso, o Estado é pequeno em população e convive de forma estreita e cordial. Ainda assim, a cordialidade brasileira, já estudada por Sérgio Buarque de Holanda, não pode se adquirir cores cubanas, venezuelanas ou bolivianas. Cada qual se encontra num estágio democrático diverso. Vamos copiar do governo federal e desses nossos vizinhos o que é bom, apenas. Nesse cerrado, se já há pouco espaço para um Lula, que dirá Chaves, Fidel e Morales.

        Eduardo Mahon é advogado em Mato Grosso e Brasília

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Várzea Grande paga a folha já na 6ª

lucimar campos 400   A prefeita várzea-grandense Lucimar Campos, prestes a concluir o segundo mandato, anunciou que na sexta, a três dias de fechar o mês, conclui o pagamento da folha de novembro. E, nesta quarta (25), já libera a diferença da correção do piso federal para os professores. No total...

Críticas à busca do poder pelo poder

marcia pinheiro 400   Em um ato realizado na praça Alencastro, nesta segunda à noite, a primeira-dama de Cuiabá Marcia Pinheiro disparou críticas aos adversários do prefeito Emanuel, que busca a reeleição. Segundo ela, as alianças formadas por Abílio neste segundo turno são...

Reeleição consagradora e base forte

leonardo bortolini leo 400 curtinha   Em Primavera do Leste, o prefeito Léo Bortolin (foto) mostrou nas urnas ser mesmo um líder político emergente da região. Ele assumiu o Executivo, após vencer a eleição suplementar em novembro de 2017, com 69% dos votos válidos. Agora foi à...

Vereador eleito diz não apoiar Abílio

eduardo magalhaes 400 curtinha   Release produzido pela campanha de Abílio Júnior anuncia que 13 dos 25 vereadores eleitos e/ou reeleitos estão apoiando o candidato do Podemos neste segundo turno em Cuiabá. E incluiu na lista Eduardo Magalhães (foto), do Republicanos. Mas o próprio Magalhães,...

Ibope mostra acirramento Abílio x EP

abilio junior 400 curtinha   O primeiro resultado da pesquisa Ibope deste segundo turno, revelado hoje pela TVCA, apontando Abílio (foto) com 48% e Emanuel com 40% das intenções de voto, empatados tecnicamente dentro da margem de erro de 4 pontos percentuais para mais ou para menos, é uma mostra do quanto está...

Ricardo atuando pela reeleição de EP

ricardo adriane 400 curtinha   O ex-vereador Ricardo Adriane (foto), um dos dirigentes do Republicanos da Capital e do quadro de assessores do presidente da Assembleia, deputado Eduardo Botelho, está fazendo campanha pela reeleição do prefeito cuiabano Emanuel Pinheiro. Numa reunião ampliada, Ricardo deixou claro que...