Últimas

Terça-Feira, 12 de Junho de 2007, 10h:00 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Taxa de juros e crescimento

     A recente decisão do Banco Central de retomar um ritmo mais acelerado de redução da taxa básica de juros traz de volta uma antiga discussão sobre se realmente o principal inibidor do crescimento econômico do Brasil é a elevada taxa de juros praticada aqui há muitos anos. Com o corte anunciado pelo Banco Central de 0,5 ponto percentual, a taxa básica de juros foi reduzida para 12% ao ano. Deduzida a taxa de inflação prevista para 2007, próxima de 3,5%, teremos finalmente uma taxa real de juros abaixo dos 10%, fato inédito na história econômica do país. O tema divide os analistas econômicos especializados e deixa na berlinda muitos que atribuíram toda a culpa pelo pífio crescimento econômico do nosso PIB nos últimos anos exclusivamente às altas taxas de juros praticada pelo Banco Central como principal ferramenta para controlar a inflação, garantir o valor da moeda brasileira e assegurar a estabilidade monetária do país. As política monetárias de taxas de juros altas praticadas pelos últimos governos centrais brasileiros tem sido tão debatida, verbalizada e popularizada que foi colocada solitariamente no papel de vilã principal do fracasso do Brasil em acompanhar o mesmo ritmo de crescimento acelerado dos países emergentes. Aparentemente, em razão desse surto de "vedetismo-populista" forçado da taxa de juros, outros problemas graves que atrapalham o desenvolvimento econômico do país podem ter ficado em papéis secundários e não foram discutidos e analisados com maior profundidade.
     Um dos mais respeitados analistas econômicos do país, o ex-presidente do BNDES, Luís Carlos Mendonça de Barros, afirmou em seu artigo semanal publicado na Folha de São Paulo que "...eu não tenho medo de dizer hoje que os juros não são mais um limitador importante de nosso crescimento".
     Exemplos não faltam de países que praticam baixas taxas de juros e convivem com baixo crescimento econômico, como Japão e México. Não faltam também exemplos dos que apresentam baixo crescimento econômico e elevadas taxas de juros como Brasil e Turquia.
     Ao longo da histórica recente do Brasil vimos a satanização de alguns fatores como sendo responsáveis pelo subdesenvolvimento do país. Em determinado período eram as multinacionais. Em outro era a hiperinflação. Mais tarde era o alto custo de vida (apelidado por muitos de "carestia"). Por muito tempo culpamos a dívida externa pelo baixo crescimento de nossa economia. Um a um esses problemas foram contornados e, mesmo assim, o tão sonhado espetáculo do crescimento acelerado não chega.
     Não me parece, portanto, que são apenas e tão-somente as elevadas taxas de juros atuais a principal "piece du resistance" ao crescimento econômico do Brasil. Não é possível afirmar que, se num passe de mágica, a taxa básica de juros fosse reduzida drasticamente para algo próximo de 5,5%, imediatamente nosso PIB cresceria no mesmo patamar de países emergentes como Chile, Índia, Coréia do Sul ou a fenomenal China. O que não quer dizer que concordo que uma taxa real de juros na casa dos 8,5% seja a ideal. Ainda é a mais elevada do mundo e certamente não é um fator impulsionador da nossa economia. Mas talvez possamos aproveitar a confiança do mercado de que a política monetária praticada pelo Banco Central é eficaz para manter a inflação sob controle e que os cortes na taxa de juros continuarão, para discutirmos de forma menos passional e mais racional outros gargalos que travam o crescimento econômico brasileiro.
     O momento é propício para a sociedade exigir dos governos central, estaduais e municipais a redução dos seus gastos, única forma segura de reduzir também a carga tributária. Discutir a indigência do nosso sistema educacional, as crônicas deficiências da infra-estrutura de transportes aéreo, ferroviário, hidroviário, rodoviário, logística dos portos, energia elétrica e saneamento básico.

Vivaldo Lopes é economista, especialista em administração financeira pela FIA/USP, consultor da Fundação Getúlio Vargas (FGV). E-mail (  vivaldo@uol.com.br )

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Secretário, furtos e a incompetência

rodrigo metello 400 curtinha   O secretário de Transporte e Trânsito de Rondonópolis, Rodrigo Metello (foto), filiado ao MDB e pré-candidato a vereador, corre risco de ser acionado na Justiça por centenas de pessoas que tiveram motocicletas apreendidas e que depois acabaram furtadas do Pátio Rondon. O local...

Vereador na base e críticas a Leonardo

leonardo 400 curtinha   Chico 2000, vereador pela Capital, assegura que não procede a informação de que o seu Partido Liberal irá romper com o prefeito Emanuel, não o apoiando à reeleição. Segundo ele, foi Leonardo Oliveira (foto), que participou na quarta de uma reunião do...

Embates sobre a cadeira da discórdia

selma arruda curtinha 400   A cadeira da senadora Selma Arruda (foto), que está cassada há um ano mas, mesmo assim, continua no cargo, vem dividindo opinião de vários líderes políticos, uns torcendo logo para a Mesa do Senado decretar a vacância para Carlos Fávaro assumir a vaga, outros...

PL avisa Chico que não apoiará EP

chico 2000 curtinha   O vereador Chico 2000 (foto), único do PL na Câmara de Cuiabá e governista de carteirinha, se mostrou  desconfortável politicamente quando foi informado nesta quinta que a legenda liberal não vai apoiar a reeleição do prefeito Emanuel, do MDB. O partido é comandado no...

Bolsonarista esperançoso no Patriota

roberto franca curtinha   Roberto França (foto) decidiu fazer uma aposta arriscada com vistas às urnas de outubro. Aos 71 anos, metade deles ocupando cargos eletivos, como de vereador, deputado estadual e federal e prefeito de Cuiabá, ele trocou um partido nanico por outro, do PV para o Patriota. A esperança do...

Ex-vereador abandona rei dos porcos

fernando morais 400 curtinha   Mesmo impedido de ser candidato, já que está inelegível por oito anos, o ex-vereador pela Capital Abílio Júnior segue se articulando politicamente, deixou o PSC e se filiou ao Podemos. Acabou dando de ombros para o empresário Fernando Morais (foto), o "rei dos porcos",...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você concorda com a decisão de prefeitos, que começam a decretar estado de emergência, fechando comércio, serviços públicos e o transporte coletivo?

sim

não

sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.