Últimas

Domingo, 11 de Maio de 2008, 23h:49 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:20

FISCALIZAÇÃO

TCE analisa cerca de 18 mil processos por ano

   Em média, 18 mil processos são analisados anualmente pelo Tribunal de Contas do Estado. Eles são distribuídos de forma proporcional para cada conselheiro, responsável por avaliar 6 mil ações geradas pelas 570 unidades jurisdicionadas ao TCE e que utilizam dinheiro público em Mato Grosso. Além das contas anuais de prefeituras, câmaras e governo do Estado, o TC também fiscaliza autarquias, fundos, instituto de previdências municipais e empresas públicas.

  Cabe também ao TCE abrir processo para cada denúncia feita através da ouvidoria. “Qualquer atividade que envolva o recurso público gera um processo no TCE. Uma licitação feita pela Prefeitura gera processo, assim como balancetes, pedidos de pensão e aposentadoria de servidores. Tudo praticamente vira processo, mas nem todos vão a plenário, já que o relator tem autonomia para realizar o julgamento singular", explica o presidente do TCE, conselheiro Antônio Joaquim.

   O julgamento singular ocorre quando é feito o registro sobre a legalidade dos atos de admissão de pessoal, com exceção dos cargos de comissão, das declarações de bens de início e final de gestão e das decisões dos poderes legislativos que julgarem as contas anuais dos chefes dos poderes executivos. Além disso, também lhe é permitido admitir ou não recurso de agravo, aplicar multas e determinar medidas cautelares, liberar órgãos representados pelas inadimplências no encaminhamento de documentos exigidos pela legislação, desde que regularizada a situação perante o Tribunal de Contas, e quitar o ressarcimento de valores aos cofres públicos.

  O Tribunal de Contas tem 7 conselheiros. Cada um ganha R$ 22 mil mensais, possui prerrogativa de desembargador do Tribunal de Justiça e acumula uma série de outras vantagens e privilégios. Ao presidente cabe exercer a direção e o poder de “polícia” do Tribunal de Contas e de seus serviços, conforme descreve o regimento interno. Somente conselheiros relatam os processos.

   Devido a grande demanda de processos e à falta de estrutura, demorava-se décadas para serem julgar as ações no TCE. Sabe-se que o primeiro computador no órgão foi instalado somente em 2000. Caso curioso aconteceu em 2005, quando foi julgado um processo de convênio entre a Prefeitura de Cáceres e a extinta Companhia de Desenvolvimento do Estado (Codemat) realizado em 96. O relator do processo era o conselheiro aposentado Júlio Campos. Na época ele fez o seguinte questionamento: “estamos hoje aqui julgando um processo de um prefeito morto e de uma companhia extinta. Qual a importância disto?”. Atualmente, as contas são julgadas com menos de dois anos de concluído o exercício. (Alline Marques)

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Diretório do Podemos-VG dissolvido

mara podemos curtinha 400   A direção estadual do Podemos, sob o deputado José Medeiros, destituiu o diretório municipal de Várzea Grande e anulou o encaminhamento para apoio a Kalil Baracat a prefeito. Agora sob comando provisório da professora Wilcimara Carnelós, a Mara (foto), que está na...

Silvio provoca debandada no PTB-VG

silvio fidelis 400 curtinha   Silvio Fidélis (foto), afilhado político de Chico Galindo e que se tornou fiel escudeiro da prefeita várzea-grande Lucimar Campos, de cuja gestão é secretário de Educação, provocou debandada geral no PTB local. Inconformado com a decisão de Emanuelzinho de...

PTB tem 25 e deve eleger 2 à Câmara

misael galvao 400 curtinha   O PTB lançou 25 nomes a vereador em Cuiabá. E a tendência é de eleger entre um e dois. As maiores apostas são os seus próprios vereadores: Misael Galvão (foto) e Adevair Cabral, respectivamente, presidente e primeiro-secretário da Mesa Diretora da Câmara....

Retorno à Câmara após 6 mandatos

fulo 400 curtinha   Figura bastante popular, especialmente na região da Vila Operária, Lourisvaldo Manoel de Oliveira, o Fulô (MDB), que foi vereador de Rondonópolis por seis mandatos, está de volta. Hoje suplente, ele assume provisoriamente nesta segunda a cadeira do titular Thiago Muniz, que pediu licença...

Bolsonaro nem aí para políticos de MT

nelson barbudo 400 curtinha   O cerimonial da Presidência da República deu de ombros para os políticos, inclusive para a bancada federal mato-grossense, na visita de Bolsonaro, sexta, em Sinop e Sorriso. Alguns tentaram, de forma insistente, tirar foto com o presidente. E até conseguiram. Mas o capitão preferiu...

Tião com Flávio e "pau" nos Campos

tiao da zaeli 400 curtinha   A maior bronca dos Campos em Várzea Grande hoje é com o ex-prefeito Tião da Zaeli (foto), que motivou o amigo e empresário Flávio Vargas, dono do frigorífico Frical, a entrar na disputa à sucessão municipal. E Flávio conseguiu construir um amplo arco de...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você acha que o efeito-Bolsonaro terá impacto no resultado das eleições de novembro em MT?

sim - onda Bolsonaro continua

não - efeito não influencia mais

sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.