Últimas

Quinta-Feira, 17 de Maio de 2007, 10h:05 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Terceiro mandato está vivo

     No Congresso, terça-feira e ontem, muita gente boa buscava interpretar as afirmações do presidente Lula em torno do tema reeleição, feitas durante entrevista coletiva no Palácio do Planalto. De sua parte, o pessoal da imprensa registrava, com agrado evidente, a retomada de uma prática que andou esquecida por anos e anos, qual seja, a de o primeiro mandatário submeter-se com certa periodicidade aos questionamentos dos jornalistas, sem a exigência de prévio encaminhamento das perguntas, por escrito.
     Mas, voltando à reeleição, é verdade que partiu da imprensa a iniciativa de provocar o presidente a tocar no assunto. E foi bom, porque a resposta de Lula acabou sendo bastante enfática: não será (candidato), não pensará nem cogitará qualquer hipótese do terceiro mandato. E apresentou suas razões: a Constituição não permite e ele não pretende brincar com a democracia. Além disso, lembrou, é contrário à tese da reeleição, sempre foi, e só concorreu ao segundo mandato, no ano passado, por ter sido obrigado a isso.
     Vamos por partes. Primeiro, a verdade é que, neste país, a Constituição tem sido mudada de vez em quando, ao sabor dos ventos políticos, e que, portanto, não seria de descartar-se a hipótese de o atual presidente vir a montar um "acórdão" com os partidos para obter a aprovação da emenda que lhe permitiria concorrer ao terceiro mandato. As condições aqui são bem diversas, mas vale invocar, só como advertência, o que ocorre na Venezuela chavista. Assim, não é o caso de confiar cegamente na garantia presidencial de que não será candidato. Não porque ele seja um político de tendência populista, mas porque está no poder e é parte de um esquema de poder. Pode parecer uma hipótese absurda, e é, mas na realidade não seria impossível montar um esquema que o "obrigasse" a subir novamente nos ombros do povo a rampa do Palácio do Planalto.
     Segundo, a resposta de Lula ao questionamento dos jornalistas só podia mesmo ser essa. Se dissesse que vai ser candidato, ele estaria antecipadamente rasgando a letra constitucional. Terceiro, é óbvio que ele não foi sincero na sua afirmação de que só se candidatou ao segundo mandato porque foi obrigado. Mesmo como força de expressão, a justificativa não cabe porque, como todos sabemos, Lula quase não governou no seu primeiro mandato justamente porque estava em campanha permanente. Poucas vezes alguém desejou tanto, como ele, conquistar mais quatro anos de mandato, fosse por querer igualar-se a Fernando Henrique Cardoso, fosse por achar que os primeiros quatro anos eram insuficientes para o exercício do poder, fosse ainda por não ter cumprido boa parte das promessas feitas na campanha de 2002.
     Em sã consciência, ninguém deve mesmo imaginar que pela cabeça do presidente Lula esteja passando a idéia de continuísmo. Neste momento não há condições nem políticas nem institucionais para isso. Por outro lado, ele antecipou em sua entrevista algo que todo mundo sabe, mas que ele ainda não havia verbalizado: quer fazer o seu sucessor. Essa afirmação é um trunfo de alcance inimaginável. Com ela, o presidente assume, na prática, o papel de grande coordenador do processo de escolha do próximo candidato do seu esquema. Ao mesmo tempo, bota vários dos seus ministros-candidatos para trabalhar sem descanso pelos próximos dois ou três anos. Cria ainda uma blindagem contra as críticas de muitos pretendentes, mesmo da oposição e, de qualquer forma, não fecha nem mesmo a porta para ele próprio emergir mais tarde, na hipótese improvável de uma complexa combinação de fatores, como postulante ao execrado terceiro mandato.

Carlos Monforte é jornalista em Brasília e escreve em A Gazeta às quintas-feiras


    

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Pode recebe 2 já derrotados em BG

sandro saggin curtinha 400   O Podemos conseguiu juntar em Barra do Garças o grupo de dois já derrotados à prefeitura, Daltinho, que também foi deputado e em 2018 teve votação pífia na tentativa de reeleição, e Sandro Saggin (foto), um "eterno" candidato. Entregue ao ostracismo,...

Câmara de Barra devolve R$ 100 mil

joao rodrigues 400 presidente c�mara barra do gar�as   A Câmara Municipal de Barra do Garças devolveu à prefeitura R$ 100 mil para serem investidos em medidas de combate ao novo coronavírus. O presidente do Legislativo, vereador João Rodrigues de Souza, o doutor...

Auditor assume Secretaria de Controle

demilson nogueira 400   O auditor Newton Gomes Evangelista, servidor de carreira, é o novo secretário de Controle Interno da Assembleia. Ele já respondeu também pela Auditoria-Geral da Casa. Newton assumiu a Controladoria Interna no lugar do ex-prefeito de Ponte Branca, Demilson Nogueira (foto), que deixou o posto...

Cuiabá é a unica com tudo fechado

emanuel pinheiro curtinha   A pressão sobre o prefeito Emanuel Pinheiro (foto) fica agora mais forte para flexibilizar logo o decreto restrito por causa do coronavírus. Ele é o único dos gestores das maiores cidades mato-grossenses que ainda mantém decisão de fechar praticamente tudo na Capital, com...

Deputado põe aliado no lugar do irmão

ronaldo taveira 400 curtinha   Coube ao próprio deputado Wilson Santos indicar um nome para o lugar do irmão Elias Santos, que na última sexta (3) deixou a secretaria de Gestão de Pessoas da Assembleia para concorrer a vereador em Cuiabá. E o ex-prefeito emplacou no cargo que rende R$ 19,9 mil mensais o velho...

Sem alarde, vereador muda de partido

viniciys clovito curtinha   De última hora e sem alarde, o vereador pela Capital Vinicyus Hugueney (foto) resolveu deixar o PP e se filiou ao Solidariedade. Com isso, o PP não se torna o único com a maior bancada. Está com três vereadores, assim como o PV e o PSDB. No SD, Vinicyus vai concorrer internamente com...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você concorda com a decisão de prefeitos, que começam a decretar estado de emergência, fechando comércio, serviços públicos e o transporte coletivo?

sim

não

sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.