Últimas

Terça-Feira, 07 de Agosto de 2007, 09h:37 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:16

Artigo

Tríade da popularidade

     A política nacional também tem a sua tríade. Formada por um estancieiro, um médico e um ex-metalúrgico, que se destacaram no cenário político-eleitoral, e, em razão disso, tiveram seus nomes inscritos na história da política nacional, distanciando, assim, dos demais atores, não apenas por terem chefiado a administração pública federal, o último deles ainda está à sua frente, como presidente reeleito, mas sim porque caíram no gosto da população. Nem a morte sacou os dois primeiros dessa condição, tampouco as acusações de corrupção em seus governos, menos ainda os desacertos cometidos e até eram odiados por muitos brasileiros. Hoje, parece que Getúlio Vargas e Juscelino Kubitschek sempre foram fantásticos.
     Tudo parece caminhar do mesmo modo para o ex-metalúrgico. Sua popularidade continua em alta, apesar do conjunto de crises que toma conta do país, amedrontando os brasileiros. Por mais que o caos aéreo tenha feito suas vítimas, e, pelo andar da carruagem, tem grandes chances ainda de subtrair outras tantas vidas, enviuvando e deixando órfãs dezenas de conterrâneas; assim como parte do dinheiro público permanece escoando para as contas bancárias de um sem-número de particulares. Nada muda o cenário de aceitação do presidente Lula da Silva. Ele se mantém ali, firme nos mais elevados índices de aprovação. Sua tática de desvencilhar do PT, tão-logo se soube das denúncias contra pessoas influentes do governo e com laços estreitos a agremiação petista, veiculadas pelos meios de comunicação, parece dar certo. E vem surtindo efeito favorável. Tanto que o grosso da população, sequer, acredita no envolvimento do presidente nos escândalos registrados. Prefere acreditar em contos de fadas, movidos pelo "não ver", "nada saber", "desconhecer" e, ainda por cima, "sentir-se traído"; além de aceitar, inclusive, a história de "armação política", tramada pelas "elites" e pela "mídia", cujo alvo maior não é outro senão Lula da Silva, que "trabalha incansavelmente" para "ajudar" a pobreza, via projetos sociais, em destaque o Bolsa Família, que atende cerca de 11,1 milhões de famílias.
     Explicam-se, portanto, os altos índices das pesquisas. O Datafolha, por exemplo, nos dias 1 e 2 do corrente, fez o seguinte registro: 48% da população consideram o governo Lula da Silva bom e ótimo, enquanto o conceito ruim e péssimo chega a 15%, abaixo dois dígitos do índice registrado em outubro de 2006.
     Isso significa que o presidente se mantém no "agrado" da imensa maioria dos brasileiros que, de acordo com os dados oficiais, constitui a fatia de 59,5%, com renda familiar até três salários mínimos (R$ 1.050,00). Ele também seduz uma parte pequena da classe média, sobretudo os que ganham com a boa situação econômica do país, favorecida pela estabilidade do mercado mundial; assim como igualmente atrai para si grandes empresários e banqueiros, justamente quem mais lucra com a política econômica adotada desde o governo FHC; muito embora se saiba que a sua popularidade despencou entre os que percebem acima de dez salários mínimos, bem como os mais escolarizados. Acontece que estes brasileiros constituem as parcelas menores do bolo social, não chegando a ameaçar a aceitação do ex-metalúrgico, que passa a fazer parte do grupo privilegiado de políticos do país, ao lado de Vargas e Juscelino, em razão do altíssimo índice de popularidade. Entretanto, cada um deles tem a sua particularidade, virtudes e defeitos, bem mais estes últimos que aqueles primeiros, talvez por privilegiar em demasia o aspecto oportunista e personalista em detrimento da perspectiva histórica, da mesma forma que atuaram os demais protagonistas do cenário político-eleitoral brasileiro.

Lourembergue Alves é professor da Unic e articulista de A Gazeta, escrevendo neste espaço às terças-feiras, sextas-feiras e aos domingos ( lou.alves@uol.com.br )

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Sorriso tenta aval para conceder RGA

estevam calvo 400   A Prefeitura de Sorriso quer pagar RGA aos servidores, mas não encontrou até agora respaldo legal para assim proceder, considerando a Lei Complementar 173/2020 que, no contexto da pandemia, proíbe reajuste no salário de servidores federais, estaduais e municipais até 31 de dezembro deste...

Ambulância doada pela CBF para MT

Aron Dresch 400   O governo estadual recebeu doação de uma ambulância da CBF como forma de reconhecimento à dedicação dos profissionais da Saúde e dos serviços que estão sendo prestados durante a pandemia. O Hospital Metropolitano, em Várzea Grande, foi escolhido para...

Fávaro, relatório e vacina sem Anvisa

carlos favaro 400   O senador mato-grossense Carlos Fávaro (foto), eleito na suplementar do ano passado, está comemorando a aprovação pelos colegas do seu relatório ao Projeto 1315/2021, que libera a importação de vacinas e insumos para o combate à Covid-19 no Brasil e sem depender do...

TRE intima deputado pra se defender

gilberto cattani 400   O TRE já citou o deputado Gilberto Cattani (foto) e o comando do PRTB para se manifestar sobre o pedido do suplente Emílio Populo, que quer a perda do mandato do recém-empossado por infidelidade partidária. O relator é o jurista Sebastião Monteiro. Cattani apresenta defesa na...

DEM tem derrotados em 2020 pra AL

anelise silva 400   Alguns filiados do DEM do governador Mauro Mendes estão se movimentando por conta própria, visando as eleições de deputado estadual no próximo ano, alheios ao comodismo do presidente regional do partido, ex-deputado Fabinho Garcia. Em Cáceres, por exemplo, dois são cogitados para...

Vereadores vão devolver a VI de abril

agostinho carneiro 400   Presidida por Agostinho Carneiro (foto), a Câmara Municipal de Ribeirãozinho, um dos menores municípios do Estado, com cerca de 2,5 mil habitantes, decidiu suspender o pagamento da verba indenizatória deste mês de abril de todos os seus nove vereadores. Com isso, os R$ 9 mil que iriam para o...