Últimas

Sexta-Feira, 03 de Agosto de 2007, 09h:05 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:16

Artigo

Um quadro antidemocrático

     Todos os brasileiros são defensores do processo democrático. Defendem-no veementemente. Alguns o fazem convictos que estão no caminho certo, rumo ao progresso e ao desenvolvimento. Contudo, tanto quanto aos demais conterrâneos, ainda continuam presos apenas aos discursos de intenção, longe, portanto, do campo prático. Ignoram, desse modo, que o viver em democracia não é tão fácil assim, pois esta requer, de cada pessoa, independentemente de sua posição social, dedicação, participação, solidariedade, tolerância e renúncia aos caprichos pessoais.
     Virtudes essas necessárias e importantes, inclusive para a conquista da cidadania, e esta condição, por sua vez, é imprescindível para o avançar democrático, uma vez que o cidadão é conhecedor de todos os seus direitos e deveres, posicionando no tablado nacional como alguém participativo e crítico. Diferentemente da postura do simples consumidor, que prefere sempre o entretenimento e a satisfação individual, particular, e, talvez por conta disso, é menos tolerante e solidário. Explica-se, portanto, porque uma grande parte das pessoas opta por ouvir o som da própria voz e a supervalorizar suas próprias realizações, que quase nunca são importantes para a coletividade.
     Nesse diapasão uníssono, certamente como resultante deste, a não aceitação das opiniões divergentes, preferindo assim tão-somente os aplausos, em hipótese alguma a vaia, a não ser que esta esteja direcionada a outrem. Aliás, os políticos se encaixam muitíssimo bem nesse perfil, enquanto a bajulação e o paparico, no entendimento desses senhores, lhes cairiam ao gosto, pois massageiam o próprio ego. Daí a importância da mídia, que só não é bem-vinda quando tece duras críticas a algumas das ações e atos de parlamentares e chefes do Executivo municipal, estadual e federal. Ressuscita-se, então, a história do golpismo. A propósito, é exatamente isso que se presencia agora em relação à vaia ao presidente Lula da Silva, cujos apoiadores, sobretudo aqueles que de alguma forma usufruem das benesses do poder de mando e/ou da administração pública federal, contra-argumentam com a utilização "tomada do Estado", "golpe das elites", "complô". E por aí deixam aflorar sua verborragia. Estranho disso tudo é a participação ativa de determinados agentes intelectuais, "compromissados com as questões sociais e com a coisa pública", tal como a professora Marilena Chauí que, no passado recente, era uma das maiores críticas do governo FHC, acusando-o de ter comprado congressistas para a aprovação do instituto da reeleição, bem como de ter vendido pessimamente as empresas estatais. Agora, no entanto, fala em invenção do "mensalão" e em "denuncismo" ao referir-se às acusações que envolvem os amigos e auxiliares diretos do presidente Lula da Silva. Até mesmo levanta a hipótese da inexistência do "apagão aéreo", ignorando as quase quatrocentas pessoas que morreram nas tragédias da TAM e da GOL.
     Quadro estranhíssimo. Próprio de regime autoritário e do lema "para os amigos tudo e para os adversários os rigores da crítica, da lei". Dificultando, dessa forma, o avançar democrático. E isso é péssimo, pois inibe o contraditório e afugenta o diálogo. Além, é claro, de impedir que o simples trabalhador, aquele que se sente próximo do presidente em razão da história de vida em comum, saiba do que de fato vem acontecendo, e, por conta disso, o afasta, em demasia, do processo de conquista da cidadania. Enclausurando o país e o seu povo.

Lourembergue Alves é professor da Unic e articulista de A Gazeta, escrevendo neste espaço às terças-feiras, sextas-feiras e aos domingos (lou.alves@uol.com.br)


 

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Três derrotas do marqueteiro Antero

antero de barros curtinha 400   O ex-senador, jornalista e marqueteiro Antero de Barros (foto) não levou sorte nas campanhas eleitorais as quais coordenou nestas eleições. Em Lucas do Rio Verde, empurrou à reeleição o prefeito Luiz Binotti que, mesmo com o poder da máquina, perdeu para o...

Lideranças jogaram duro contra EP

carlos favaro 400 curtinha   Emanuel Pinheiro teve uma reeleição sofrida em Cuiabá. Lutou contra os principais líderes políticos, que se juntaram em torno da candidatura de Abílio, uns publicamente, outros nos bastidores. O governador Mauro Mendes, por exemplo, jogou pesado para tentar derrotá-lo....

Bezerra ignora filiado do seu filiado

carlos bezerra 400   Carlos Bezerra (foto), o "cacicão" do MDB, abandonou antes da hora o palanque de Emanuel Pinheiro, mesmo se tratando do filiado mais importante em representatividade partidária no Estado. Bastou a pesquisa Ibope mostrar que o prefeito da Capital estava atrás de Abílio nas intenções de...

Sob ataques e humilhação e vitorioso

emanuel pinheiro 400 curtinha   Emanuel Pinheiro (foto) se emocionou ao falar com a imprensa neste domingo, pela primeira vez como prefeito reeleito. Lembrou que foi atacado não só neste período eleitoral, mas desde o início do mandato. Destacou a aprovação popular, com 86% de avaliação...

PT na oposição independente do eleito

edna sampaio 400   Independente de quem ocupar o Palácio Alencastro, a partir de janeiro, a professora Edna Sampaio (foto), única eleita pelo PT à Câmara de Cuiabá, fará oposição ao prefeito. E dá sinais de que será uma parlamentar bastante atuante. Neste segundo turno, como o seu...

Secretário não consegue eleger Fred

fred gahyva 400 curtinha   O vereador licenciado e secretário estadual de Saúde, Gilberto Figueiredo, foi um cabo eleitoral incansável pela candidatura de Fred Gahyva (foto) a vereador pela Capital. Ele liderou reuniões nas unidades de saúde, reforçando pedido de voto para o aliado e amigo de...

MAIS LIDAS