Últimas

Terça-Feira, 03 de Julho de 2007, 12h:55 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:16

DEBATE

Verbas para projetos culturais dividem opiniões

    A disputa por recursos com vistas a viabilizar projetos culturais vem provocando debates e críticas no setor, principalmente depois da liberação de R$ 110 mil para produção de um DVD da dupla "Dois a Um". A matéria postada aqui no RDNews motivou diversos comentários. 

   A maioria das opiniões foram direcionadas ao secretário estadual de Cultura, João Carlos Vicente, presidente do Conselho, mesmo não sendo o responsável direto pelo aval, já que os projetos são submetidos à aprovação por 10 conselheiros. Divididos entre sociedade civil e poder público, o Conselho Estadual de Cultura tem o papel de selecionar os projetos a receber recursos do Fundo de Fomento a Cultura. Para isso, os conselheiros se reúnem constantemente no Palácio da Instrução, atual sede da instituição. Primeiro analisam e depois votam.  “Estive pensando em divulgar melhor, mas tudo é publicado no Diário Oficial, acessível para quem quiser ver”, explica o secretário João Carlos, ao ser perguntado sobre o porquê do site da secretaria não divulgar os projetos selecionados. 

     De acordo com o secretário, todos os pedidos de recursos estão orçados em torno de R$ 50 milhões, enquanto a secretaria dispõe de apenas R$ 12 milhões para 2007. Desse montante, 50% é voltado para os projetos da secretaria e a outra metade para a classe artística. “A classe acaba levando um pouco mais de 50%”. Nesta semana o Conselho volta a se reunir para deliberar novas propostas. (Simone Alves - RDNews)

   Leia alguns comentários enviados ao RDNews sobre os projetos culturais.

Rita dos Anjos
Barão de Melgaço
"O secretário fala tanto em transparênciam, então porque não coloca os projetos aprovados no site da secretaria para que todos possam ver. Transparência secretário, transparência".
Paula Costa Moraes
Várzea Grande
"Acho muito engraçado os comentários porque quando ocorreu a gravação do DVD teve mais de 100 mil pessoas para prestigiar a dupla. Eles arrastam multidões e ainda tiveram a oportunidade de levar o nome do estado para fora quando se apresentaram em programas de níveis nacionais. Acho que não podemos focar apenas no rasqueado como música regional. Porque se for assim MT não pode ter nenhum outro grupo de outros gêneros musicais ? Se uma banda de rock mato-grossense consegue um destaque nacional ela não pode ter recebido apoio do governo por que não é rasqueado? Acho que temos que dar espaço para todos". 
Mariana
Cuiabá
"Quem decide quais projetos serão aprovados é o Conselho, e com certeza muitos projetos culturais estão sendo votados, valorizando as tradições de nosso povo. Nunca se produziu tanto em cultura como na gestão do Secretário João Carlos".
Paulo Reis
Cuiabá
"Sou artista, mas não tenho espaço e nem verba para trabalhar.Está deixando a desejar secretário! Artistas abram o olho! Quero um palco decente, um teatro decente, não preciso de DVD"!
Vanessa Lima
Cuiabá
"Conheço tantos projetos de pessoas que imploram para receber uma merrequinha do governo. Subsidiar um dvd de uma dupla mesquinha! Isso é brincar com a inteligência do povo! Secretário, eu e milhares de pessoas queremos ver investimentos em artes cênicas, mais dinheiro para os artistas plásticos, não queremos pagar para produzir um dvd que teremos que pagar depois"!
Paulo Antunes
Cuiabá
"É preciso lembrar que quem aprova os projetos é o Conselho Estadual de Cultura. O secretário João Carlos, que preside o conselho, apenas homologa a decisão da maioria. Antes de criticar, é preciso saber quais os critérios utilizados. A matéria destaca apenas o Dois a Um, mas a lista mostra outros importantes projetos aprovados pelo conselho. Pelo que sei, outros também serão aprovados ainda".
Luiz Carlos Bordin
São José dos Quatro Marcos
"Não estou aqui para julgar se a dupla Dois a Um merece ou não receber os recursos neste montante para o seu dvd. Estou aqui para mostrar a indignação minha e das pessoas que atuam comigo na área de cultura. "Temos um projeto que trata da conscientização sobre meio ambiente e lixo reciclado para trabalhar com alunos das escolas através da dança e atesanato. este é o segundo ano que protocolo o projeto e, por incrível que pareça, são dois anos que não recebo nem o número de protocolo do projeto. Estamos cansados de elaborar projetos e ver o serviço não dar em nada. Tudo o que fazemos na cultura é bancado praticamente com recursos dos nossos próprios salários, alguns empresários amigos e recentemente com apoio do poder público municipal. Estamos pensando seriamente e deixar essa perda de tempo de lado e ir cuidar da nossa vida e tentar ajudar de outras formas. O projeto encaminhado nem recebeu criticas para que façamos correções".

Postar um novo comentário

Comentários (6)

  • Liliane da Mota Medeiros | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    O conselho de cultura é eleito pelo próprio segmento. Não ter o projeto aprovado será inevitavel a mais de 60% dos que protocolaram. É óbvio que muita gente fica zangada, por que não conseguiu seu objetivo. Mas a pergunta maior é: Mato Grosso tem crescido culturalmente?
    Eu acredito que sim. A verba é pequena demais para toda a demanda e o Estado é falido sim. Mas mesmo falido tem conseguido conquistas importantes perto de outras gestões. Tá ruim? Então olhe para trás e lembre do total descaso que o segmento viveu por muitos anos, os predios que caíram e nossos filhos nunca irão conhecer. Todos temos falhas. O que a gente precisa é aprender a depender menos do Governo.

  • Joedson Pinheiro | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Isso prova que as Politicas Sociais estão fora do enfoque governamental, pois, a partir do momento que liberar verba para gravação de CD, que não será distribuido de graça, se torna mais importante que construção de casas populares ou investimento em saúde, ....etc; Temos que repensar quais são, realmente, as necessidades da população.

  • Vanessa Lima | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Concordo com vc Liliane em partes e concordo plenamente com o Joedson...será que não há projetos mais importantes que um DVD??? É o governo que depende de nós...não podemos esquecer da nossa contribuição. Nosso imposto que paga projetos. Nada mais justo que investir em projetos inteligentes. De forma alguma podemos depender menos do governo..enquanto ele depender de nós.

  • Carlos Gomes | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Que Conselho furreca heim??!!!

  • Revoltados | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Olha...é necessário a Secretaria aprovar Projetos mais direcionados as Escolas Estaduais e de escritores que não tem oportunidade de publicar um livro. Tem que repensar o papel dessa Secretaria e de seus Conselheiros de Cultura. Aprovar um Projeto de CD nesse valor....é inadmissível! Com esse recurso daria para aprovar vários pequenos Projetos e contemplaria mais pessoas.
    Precisamos de mais transparência na aplicação desses recursos.

  • antonio jacinto | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Precisamos de transparencia e seriedade com verbas publicas,chega de beneficiar pequenos "trupe" e "grupos" das casas dos artistas,vamos valorizar o que é nosso. e ,vamos dar um basta! Senão lapada,lapada,lapada

Euclides "torra" R$ 8 mi na campanha

euclides ribeiro 400 curtinha   O advogado milionário Euclides Ribeiro (foto), que tem na carteira de clientes grandes produtores rurais, registra R$ 8,2 milhões de receitas e despesas de campanha ao Senado. Concorrendo pelo Avante, Euclides só chegou a 58.455 votos. Ficou em nono lugar, à frente apenas de Reinaldo...

Fávaro é quem mais gastou ao Senado

carlos favaro 400 curtinha   O senador reeleito Carlos Fávaro (foto) foi o que mais gastou na campanha. Oficialmente, arrecadou R$ 11,7 milhões. As maiores contribuições financeiras vieram de empresários do agronegócio. Orcival Guimarães, dono de rede de empresas de implementos agrícolas, doou...

Beto deve repensar projeto a federal

beto farias 400 curtinha   A derrota nas urnas do seu afilhado político, vice-prefeito Wellington Marcos (DEM), que tentou o Executivo de Barra do Garças e ficou em segundo lugar, obtendo somente metade dos votos em relação aos atribuídos ao eleito Adilson Gonçalves, pode levar o prefeito Beto Farias (foto)...

Erros estratégicos e fim de mandato

niuan ribeiro 400   Niuan Ribeiro (foto) termina melancolicamente o mandato de vice-prefeito da Capital, marcado pela ambiguidade, erros estratégicos e vacilações. Logo no início da gestão, resolveu romper politicamente com o prefeito Emanuel, a quem passou a criticar, achando que se consolidaria como...

Retorno ao TCE ou cargo no governo

marcelo bussiki 400 curtinha   A partir de 1º de janeiro, com o fim do mandato de vereador pela Capital, Marcelo Bussiki (foto) retorna ao cargo efetivo de auditor do TCE-MT. Mas é possível que ele seja convidado por Mauro Mendes para compor o quadro de principais assessores do chefe do Executivo estadual. Bussiki foi...

DEM, bate-cabeça e plano B frustrado

fabinho garcia 400 curtinha   O ex-deputado federal e empresário Fábio Garcia (foto) acabou deixando o DEM órfão de candidatura a prefeito da Capital. Numa conversa com o governador Mauro, seu padrinho político, Fabinho o assegurou que iria sim disputar o Palácio Alencastro, mesmo pedindo trégua por...