Últimas

Segunda-Feira, 19 de Março de 2007, 07h:50 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Violência e o Estado impotente

menos quando o assunto é o combate à violência, relacionada ao narcotráfico e ao crime organizado. Pode parecer exagero, mas temos por aqui várias favelas da Rocinha. Enquanto no Rio os morros são apontados como os locais em que os traficantes criaram um estado paralelo, transformando o caso numa emergência nacional, em Mato Grosso a situação também é de insegurança.

    Nessa guerra civil não declarada, a violência no Rio - 70 pessoas já foram assassinadas lá este ano -, cria pavor pelos insultos dos bandidos, na base do matar ou morrer para manter o domínio do território. Aqui, o pânico ocorre de forma isolada, em cada família que perde parentes para o tráfico. Isso não é considerado nas estatísticas de nossas autoridades. Alguns comparam o nosso Estado com os grandes centros para sustentar a tese de que não vivemos numa região violenta. Estamos, sim, num dos Estados que mais matam por influência do tráfico. Lamentavelmente, não se vê ação concreta e efetiva do governo no combate ao tráfico de drogas na fronteira, na escola, na rua, etc.

     A menos de 100 km da fronteira com a Bolívia, Cáceres se transformou, por exemplo, em ponto estratégico do narcotráfico. É o principal município de uma área total de 720 km de fronteira seca entre MT e o país vizinho, um dos maiores produtores de cocaína do mundo.

    Os governos estadual e federal parecem fingir que a região Oeste, que no passado recente foi caminho do ouro que ia de Cuiabá para Vila Bela da Santíssima Trindade, hoje representa a passagem da cocaína e dos veículos roubados.

    Há um outro problema no combate ao tráfico: o envolvimento de alguns policiais militares e civis com o narcotráfico e o roubo de carros e carretas na fronteira. Os veículos roubados no Brasil servem de moeda de troca para a compra de cocaína ou pasta de coca na Bolívia. O Ministério Público já tem indícios desses crimes cometidos na região. Essas áreas mal vigiadas se transformaram em territórios acima da lei.

     Uma das razões da fragilidade está no número irrisório de agentes federais. Há mais de 8 mil, mas em MT e Mato Grosso do Sul não passam de 500. Nas zonas mais problemáticas, como a fronteira de Ponta Porã com Pedro Juan Caballero, são cerca de 30. Em Cáceres, na divisa com a Bolívia, menos de 20. Na Argentina são 37 mil homens, mais de quatro vezes para uma área 75% menor.

     Muitas mortes estão relacionadas ao narcotráfico e ao não-pagamento de dívidas de negócios ilícitos, como contrabando.

     Deter o tráfico de armas, expurgar e educar a polícia violenta e corrupta, investir em formação e meios técnicos para melhorar o trabalho investigativo, reter jovens na escola, promover campanhas contra o uso de drogas e construir novos presídios para isolar os chefes do tráfico. São em sua maioria idéias tão recorrentes quanto sensatas, às quais ninguém bem-intencionado poderia se opor.

    Mas são propostas que, mesmo que seu financiamento fosse logo viabilizado, teriam efeito a médio e longo prazo. A sensação é que o longo prazo acabou. Resolver aqui qualquer problema social visto de forma isolada, da violência urbana aos conflitos no campo, é como soldar os vagões de um trem em movimento, levando célere para o abismo por todas as demais variáveis.

     Infelizmente, o mercado, que seria a solução para tantas coisas, vira parte do problema, sendo que o Estado deveria ser parte da solução. Acontece que o mercado de armas legais ou ilegais é parte do problema ao colocar instrumentos de morte nas mãos de tantos. O Estado deveria controlar esse mercado. Ao invés disso, perdeu o controle. O mercado da droga é um estímulo à criminalidade. O Estado deveria combater esse negócio, mas é incapaz ou impotente. Então, todos os governos são co-responsáveis por tantas mortes.

    O governo já tem a frágil resposta na ponta da língua quando questionados sobre combate à violência. Lamenta falta de recursos, estrutura, etc. O Estado atribui responsabilidade à União e vice-versa. Nossos governos gastam e são motivados a gastar cada vez mais para combater sintomas. Foram condenados a atuar como bombeiros para apagar incêndios em atividade frenética e variada porque eles e os que detêm poder na sociedade são incapazes de atacar as causas de sua desagregação, como a renda ultraconcentrada, a falta de emprego e de salário que cria o exército de reserva e o mercado de trabalho precário e perverso.

     Pelo visto, o sintoma da violência continuará contaminando e matando. Nos últimos 24 anos, já se foram 2 milhões de pessoas vítimas de mortes violentas. É o retrato da guerra civil não declarada nas estatísticas do IBGE.

Romilson Dourado é jornalista, editor de Política de A Gazeta e escreve neste espaço às segundas-feiras

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

DEM "esconde" candidatos a vereador

beto 2 a 1 400 curtinha   O presidente do DEM em Cuiabá, Beto 2 a 1 (foto), secretário estadual de Governo, faz mistério sobre a chapa que está sendo montada para concorrer a vagas na Câmara de Cuiabá. Não esconde apenas o nome do vereador Marcelo Bussiki que, em março, deixa o PSB aproveitando...

Fávero e peso político em novo partido

silvio favero 400   A definição pelo presidente Jair Bolsonaro para que Silvio Fávero conduza a Comissão Provisória em MT da Aliança pelo Brasil, partido que só será criado oficialmente no próximo ano ou em 2021, representa peso político importante para o deputado de primeiro...

Prefeito estoura limite e TCE faz vetos

francis maris 400 curtinha   No sétimo e penúltimo ano de mandato, o prefeito cacerense Francis Maris (foto) segue na mesma toada, de que a administração precisa continuar "enxugando" a máquina, embora já tenha conseguido o equilíbrio fiscal e que quem o suceder receberá uma gestão...

Vice muda de partido e vai a prefeito

leandro felix 400 curtinha   O vice-prefeito de Nova Mutum e primeiro-suplente de deputado estadual, Leandro Félix (foto), pretende deixar o DC. Deve se filiar no Podemos ou no PRB. Vai depender da orientação política dos irmãos Adriano (Podemos) e Otaviano Pivetta (PDT), respectivamente, prefeito de Mutum e...

Câmara só regulamenta salário de EP

misael partido 400 curtinha   Ao fixar o salário do prefeito de Cuiabá Emanuel Pinheiro em R$ 27 mil, a Câmara de Cuiabá, sob Misael Galvão (foto) não aumenta o subsídio de Emanuel de imediato, mas sim regulamenta o valor que já era pago desde dezembro de 2018. O imbróglio começou...

R$ 71 mi já estão reservados para 13º

rogerio gallo 400 curtinha   Após os primeiros meses de "choradeira", pintando cenário do caos financeiro e administrativo, o governo estadual consegue, pela primeira vez neste 2019, fechar o mês com recurso provisionado para pagar o 13º dos cerca de 100 mil servidores. O secretário de Fazenda, Rogerio Gallo (foto),...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Como você avalia a decisão do Supremo de suspender prisão imediata após julgamento em segunda instância?

Concordo

Discordo

Tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.