Últimas

Sexta-Feira, 24 de Agosto de 2007, 11h:46 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:16

Artigo

Viva o Cururu o Siriri e nossa cultura e o festival

     Como dizia Zé Bôlo-Flô ao exaltar e exorcizar a realização de encontros de cururueiros rio abaixo ainda na década de 70. “Viva o cururu o siriri o rasqueado e o encontro do beira rio. Viva o cantar do tuiuiú no ninhal (no pantanal), o mujo da mula sem cabeça , o assovio do minhocão do pari , o grito do negrinho d`agua e a passada do curupira (curupira mesmo), Tudo canta de si , prô pessoal e viva o festival” .
     Esses encontros eram realizados geralmente nos bairros mais antigos, bem longe do povo do centro da capital e da academia, como de costume era a elite cuiabana. Na capital três bairros eram marcantes nesse tipo de encontro anual, no qual se reunia grupos de cururu e siriri, além de bandas que tocavam o legítimo e o bom rasqueado, além da gastronomia é claro. Os encontros eram organizados geralmente na realização de festas religiosas em residência, Igrejas, ou de bairros, ainda comum nos dias de hoje.
     No Dom Aquino (que na época compreendia os bairros Barcelo, Várzea Ana Poupina, Morro do Tambor, Cruzinha e Aldeia e ainda , parte da Linha de Tiro hoje Jardim Paulista), Antigo Terceiro , hoje totalmente grilado por universidades , grandes empreendimentos e no Poção, cuja característica permanece até hoje. Esses locais eram como centros desses grupos. Na baixada e no restante do Estado, a festa era certa, e a continuidade da cultura do cururu e siriri eram marcantes
Essa gente não ligava muito para o modismo de ocasião (bossa nova, chorinho, Jovem Guarda, movimento de resistência a ditatura , Rock etc), decorrente no país e que chegara a Cuiabá via revistas, emissora de Rádio, jornais e a TV Centro América (a caçulinha). O negócio mesmo era curtir o “cerne do umbigo de origem”, respirar a pura cultura que é nossa. Participar de uma dessas noitadas era como se abastecer culturalmente para o ano todo. Até minha mãe que me colocava para vender pixé e queimada durante a festa e cuidava de uma banca de quitute, não descuidava e também dançava o siriri.
     A festança ficou maior se organizou e veio para o centro da capital, mostrar ao restante da cuiabania o que é de fato a nossa cultura. A Prefeitura e seus parceiros está de parabéns pela realização do Festival de Cururu e Siriri, justamente na região histórica do Porto, berço de Cuiabá.
Pena que a Secretaria de Cultura do Estado não acompanhe essa visão de realização do festival, e por todos os anos saísse na frente liderando os festejos do ícone cultural de Mato Grosso. Fiquei sabendo que o apoio da Secretaria Estadual é quase simbólico, e institucional, face as necessidades de realização do festival de cururu e siriri.
     Sabendo que já são 30 grupos culturais que irão se apresentar na arena, para um público maior que nas ultimas 5 edições, falta agora a organização estender as apresentações ao rasqueado. Só que para o ano que vem o local não pode ser mais o mesmo, terá que ser ampliado.
Também já tenho informação que, que durante o festival será anunciado a construção do “Siririrão” ( um templo maior de realização de festival de cururu e siriri e outras manifestações). Vamos esperar maior ação do governo Estadual, da Secretaria de Cultura em priorizar a construção do Siririrão, e não fazer que nem no ginásio Aecin Tocantins , entregue quase pela metade e faltando obras e detalhes no local.
     Viva o Siriri , Viva o Cururu e viva o Festival !!!

Adão de Oliveira é cuiabano - e Jornalista em Mato Grosso

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

"Batida" em apresentador por engano

ricardo martins 400   Durante a dupla operação deflagrada pela PF nesta terça em alguns municípios de MT, entre eles Cuiabá, agentes federais, por um equívoco no cumprimento de mandados, acabou batendo na porta do apresentador da TV Cidade Verde, Ricardo Martins (foto). Ele, por sua vez, e para não...

Paccola é cotado para diretor-geral

gianmarco paccola 400   O discreto e atuante delegado Gianmarco Paccola (foto), hoje diretor-geral-adjunto da Civil, já desponta nos bastidores como nome preferencial do Palácio Paiaguás para eventual substituição a Mário Demerval, que deve mesmo deixar o posto de diretor-geral para disputar as...

Luta pra isentar parte dos aposentados

eduardo botelho 400 curtinha   Primeiro-secretário da Assembleia, Eduardo Botelho (foto) disse que foi criada espécie de força-tarefa dos deputados para fechar um acordo com o governo, de modo a ajudar aposentados e pensionistas e portadores de doenças raras para isenção do pagamento da alíquota da...

Investimentos em segurança pública

alexandre bustamante 400   Alexandre Bustamante (foto), secretário estadual de Segurança Pública, é enfático ao afirmar que o Estado tem investido em equipamentos e infraestrutura para combater a criminalidade. Segundo ele, a maior prova disso são os projetos que integram o programa MT Mais. Ao todo, devem...

Folha antecipada em Várzea Grande

kalil baracat 400 curtinha   Com o privilégio de ter assumido a prefeitura em janeiro com superávit de R$ 74 milhões da antecessora Lucimar Campos, o prefeito várzea-grandense Kalil Baracat (foto) quitou a folha de fevereiro na última quinta (25), três dias antes da virada do mês. São cerca de...

Grupo de risco em casa até 31 de maio

Em novo decreto, dentro das medidas emergenciais e temporárias de prevenção ao Covid-19, o prefeito cuiabano Emanuel Pinheiro determinou que servidores municipais que integram o chamado grupo de risco não devem trabalhar presencialmente nas secretarias e/ou órgãos da administração. São considerados desse grupo servidores acima de 60 anos, imunodeprimidos e/ou portadores de doenças crônicas e servidoras grávidas e...