Últimas

Domingo, 29 de Abril de 2007, 13h:43 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Vou-me embora de Pasárgada

   Em artigo abaixo, a professora universitária Margareth Krause "viaja" para o paraíso de Pasárgada, que inspirou o poeta Manuel Bandeira. Conta que, como amiga do rei, vivia feliz, sem inflação, mensalão, roubo, corrupção e violência. O problema é que o rei se corrompeu. Aí, ela virou inimiga do rei e não quer mais saber de Pasárgada. Margareth conclui que o poder vicia, mata e distancia um pessoa das outras. Um duro recado, principalmente para os políticos. O seu artigo está imperdível. Confira abaixo.

   Há mais ou menos uns vinte anos que Manuel Bandeira me convenceu ir embora pra Pasárgada, e lá fui eu, cheia de expectativas, pois parecia ser o paraíso, uma outra civilização. E ainda havia a promessa de que eu seria como ele, também amiga do rei.
    E de fato, tudo aconteceu como previu Bandeira. Tornei-me amiga do rei. Lá em Pasárgada do grego Xenofonte, fui feliz, fui mais louca que a Joana, a Louca da Espanha. Lá, aprendi até andar de bicicleta, pois eu não sabia. Não fiz só ginástica, fui mais além, ousei, pratiquei Tai Chi Chuan e Yoga. Não tomei banhos de mar, mas de rio. As histórias que me contaram na beira do rio, pareciam ter mais vida, mais cor que às dos Irmãos Grimm.
    Eu vivia tão feliz em Pasárgada, que eu não sentia saudades da aurora da minha vida, da infância querida lá na minha terra natal, quando eu tinha só oito anos.
     Não havia inflação, indexação, mensalão, não havia roubo não. Não havia tanta corrupção. Violência?! Palavra pouco usada, quase em desuso, arcaica.
      Pasárgada era um paraíso terrestre, que inspirou o poeta. Hoje não! Falta pão, falta feijão. Falta dignidade, decência, brio na realeza, porque até o rei se corrompeu.         
      Pareço nefelibata, ledo engano, estou atenta a tudo, ao ponto de refletir acerca do poder e concluo que ele vicia, mata, distancia uma pessoa das outras. Foi o que aconteceu com o rei, que se distanciou de seus súditos, principalmente daqueles que lhe eram fiéis, pois ao seu lado agora há quarenta ou mais ladrões que fariam inveja a Ali Babá.
     Não há alegria em Pasárgada, tudo é tristeza, pesar. O povo descontente, temente aos poderosos está.
      As ruas que eram planas, limpas, sem buracos, deram lugar às esburacadas, que mais parecem a superfície  da lua.
      E o rei? Que saudades daquele amigo que ria comigo, com seus vassalos, das coisas mais tolas. Comia da nossa comida.
     Rei posto, rei morto, (ocorreu o contrário no reino de Lothian). Realmente o poder matou aquele rei, o rei que era meu amigo.
     Todos o temem agora, não pelo o que fala, porque ele não cumpre o que fala,  mas pelo que faz, ou talvez pelo que não faz. Seu cetro transformou-se em uma caneta poderosa, que com ela, assina, não assina, faz, desfaz, manda, desmanda. Meu amigo, o rei, é triste dizer, foi picado pela voraz mosca azul, segundo o que se ouve nos corredores do palácio, onde até os ratos conspiram e sussurram. O rei, meu amigo, esqueceu-se do que disse Paulo, o maior dos apóstolos do verdadeiro rei: tudo posso, mas nem tudo me convém.
     Meu rei se esconde agora de seus súditos, que são outros agora, agem sorrateiramente como Fouché, aguçado cão do estado que farejava as conspirações a distância, que filtrava as informações, que fazia as intrigalhas da corte, na França napoleônica, em 1799; às vezes, agem como Rasputin, que em russo significa depravado, que foi um personagem enigmático, bruxo, esperto, que tirava proveito da situação no período que antecedeu a Revolução Russa.
    Entendi tudo. Tudo está tão claro agora. Custo aceitar. Amiga do rei já não sou. Inimiga tornei-me.
    Se Manuel Bandeira pudesse me ouvir, eu não lhe diria apenas, eu gritaria: VOU-ME EMBORA DE PASÁRGADA, porque sou inimiga do rei.
    Movida pela esperança, mesmo com vontade de defenestrar o rei, penso que não posso me entregar tão fácil, e cheia de coragem, tentarei uma última vez resgatar o rei da falange famigerada, sequiosa de poder.
     Para essa missão impossível, evocarei como Castro Alves no Navio Negreiro, os astros, tempestades: Varrei os rios de Pasárgada, tufão! Assim, talvez Pasárgada renasça das cinzas como Fênix, e o rei volte a ser um pouquinho do que era, meio bobalhão bem o sei, mas era bom, ou quem sabe não era, quem sabe sempre foi assim, o poder apenas acentuou-lhe as características que apresenta agora.
     Queria tanto que entre uma intempérie e outra, o rei parasse um segundinho e perguntasse, que REI SOU EU?!
     Manuel, vou-me embora de Pasárgada, pois não há mais rei, nem para eu ser amiga, quanto mais inimiga.

Maria Margareth Costa de Albuquerque Krause é professora universitária em Cáceres

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Vice e o uso político do Creci pró-Julio

claudecir 400 creci curtinha   O sindicato dos profissionais do Mercado Imobiliário de Mato Grosso, sob Juliano Lobato, em nota de repúdio, detona o atual vice-presidente do Creci-MT, Claudecir Contreiras (foto), para quem está fazendo uso político da entidade e beneficiando, de forma descarada, o...

Toninho e expectativa de retorno à AL

toninho 400 curtinha   Toninho de Souza, que no ano passado estreou como deputado, permanecendo no cargo por 46 dias, no lugar de Eduardo Botelho, vive expectativa de retornar à cadeira na Assembleia. Mas isso vai depender de uma decisão de Janaína Riva, que está no quarto mês de gravidez. Ela tem...

Parlamentar temido reassume em VG

caio cordeiro 400 curtinha   Com menos de 15 dias no cargo de vereador em Várzea Grande, o primeiro-suplente Caio Cordeiro (foto), do PRP, já terá de desocupar a vaga. Eis que está de volta, da prisão para retomar o assento de parlamentar, Jânio Calistro, que está no segundo mandato e responde...

Diversos cortes nas despesas da AL

eduardo botelho curtinha 400   Num período em que o Legislativo praticamente parou, assim como o Judiciário e órgãos vinculados aos Poderes, como TCE e MPE, o presidente da AL, deputado Eduardo Botelho (foto), tomou decisão correta ao cortar gastos enquanto perdurar a pandemia do coronavírus. Entre as...

Governador está tenso e preocupado

mauro mendes 400 curtinha   O governador Mauro Mendes anda tenso e preocupado. Mesmo já tendo adotado uma série de medidas de prevenção, inclusive consideradas radicais, ele não dorme direito por causa das projeções nada otimistas de aumento nos próximos dias de casos de coronavírus em...

AL aprovará empréstimo de R$ 550 mi

A Assembleia aprovou, na convocação extraordinária desta sexta (27), dispensa de pauta para a mensagem do Executivo que pede autorização para contrair empréstimo de R$ 550 milhões junto à Caixa Econômica. O recurso será aplicado na construção de pontes de concreto em diversos municípios. Agora, a matéria entra na pauta e será aprovada pela maioria dos deputados na próxima segunda (30),...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você concorda com a decisão de prefeitos, que começam a decretar estado de emergência, fechando comércio, serviços públicos e o transporte coletivo?

sim

não

sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.