Variedades

Quarta-Feira, 12 de Agosto de 2020, 14h:23 | Atualizado: 12/08/2020, 17h:28

"Não tinha educação sexual", diz Shantal Verdelho sobre abuso sexual sofrido

Reprodução

Shantal Verdelho

Em entrevista à "Glamour Brasil", digital influencer relembra abuso que sofreu na infância

Shantal usou sua voz e sua influência - ela conta com mais de 1,3 milhões de seguidores no Instagram - para alertar sobre abuso sexual infantil em sua conta nas redes sociais. Casada com o modelo Mateus Verdelho e mamãe do pequeno Filippo, a empresária relembrou à Glamour Brasil o abuso que sofreu de um motorista que a levava da escola, quando tinha sete anos, e como isso ainda mexe com ela. 

"Morávamos em Porto Velho, Rondônia. Minha mãe pagava um motorista, que fazia a segurança de banco perto de onde morávamos e realizava um percurso parecido entre a nossa casa e a escola em que estudávamos. As coisas começaram devagar, aos poucos. Por isso fiquei confusa. Não sabia se o que estava acontecendo ali era aquilo mesmo ou não. Demorei um pouco para sacar... 'Isso não é nada, deve ter sido sem querer, passou a mão sem querer'. Enfim... Ele começou a passar mão sempre que trocava a marcha do carro. De passar a mão nas minhas pernas foi para as minhas partes íntimas. Subiu a mão para o short. A evolução demorou dias para acontecer.

Quando entendi o que estava acontecendo, vi que não poderia acontecer. Ao mesmo tempo, não tinha coragem de falar para a minha mãe, meu pai ou para alguém. Para proteger minha irmã mais nova, me prontifiquei a sentar na frente do carro para ele não fazer isso com ela também. Isso pode ter sido interpretado de que eu queria para piorar a situação, né?!

Lembro de algumas situações como ele pegar nas minhas partes íntimas. De me fazer pegar nas deles. Começou a levar objetos no caminho até a escola. Lembro que levou um pau de madeira para eu segurar. Lembro que ele freava o carro rapidamente. Ele freva, acelerava, freava, acelerava, sabe?! Para fazer movimento de vai e vem. Ele colocava a mão e eu não tirava. Morria de medo. Morria de medo da minha irmã ver. Era como se eu me sentisse culpada por tê-lo deixado chegar até ali.

Não tinha certeza do que ele estava fazendo até o dia do pau de madeira. Contei para a minha mãe, que nunca duvidou, e acabou falando que não precisávamos mais dele para irmos à escola. Fiquei com medo de contar por ele ser adulto, ter mais credibilidade e de que pudesse fazer algo contra minha família. Não tínhamos educação sexual na infância. Era muito cedo e os tempos eram outros. Não tinha certeza que aquilo era mesmo um abuso sexual. 

Até hoje tenho várias consequências desse abuso e que voltaram após ser mãe. Tenho medo de que aconteça com o meu filho. Olho desconfiada, acho que algo sexual vai acontecer com meu filho ou comigo. Por exemplo, como será quando ele participar de excursões da escola em que precisa dormir fora ou quando quiser dormir na casa dos amigos? Não sei se conseguirei deixar. É algo a se trabalhar na terapia, que comecei a fazer.

Estava refletindo e nunca tinha trabalhado esse assunto. Eu posso falar para as pessoas que elas podem contar, que os pais vão acreditar, que posso falar para os pais acreditam nos filhos e contar a minha história deixando as pessoas em alerta. Assim eu consigo evitar. Comigo poderia ter acontecido só de ele passar a mão quando trocava a marcha na minha perna. Não teria sido mais profundo, se eu tivesse contado desde a primeira vez.

O que aconteceu não tem como tirar da gente, não existe uma pílula mágica. O que posso fazer é ressignificar. Como tenho voz, posso ajudar contando minha experiência incentivando assim as pessoas a detectarem os abusos, procurando ajuda". 

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Reconhecimento de um governo ruim

pedro taques 400   Pedro Taques (foto) recorreu a uma observação feita pela mãe, professora Eda Taques, de que fora melhor senador do que governador. No horário eleitoral, o candidato ao Senado, agora pelo SD, menciona a frase da mãe para, em seguida, dizer que reconhece que sua atuação em...

Apoiado por deputados bolsonaristas

jose medeiros 400 curtinha   Um dos vice-líderes do Governo Bolsonaro na Câmara, o deputado José Medeiros (foto), do Podemos, vem recebendo apoio na disputa ao Senado de vários parlamentares bolsonaristas. O chamado núcleo duro do presidente no Congresso Nacional está com Medeiros, entre eles os deputados...

Justiça barra ficha suja em Poconé

clovis martins 400   A Justiça Eleitoral barrou em Poconé o ex-prefeito Clovis Damião Martins (foto), considerado ficha suja. Está inelegível por oito anos. Filiado ao PTB, ele foi condenado pelo TCU por irregularidade insanável que configura ato doloso de improbidade administrativa. Enquanto...

3 estão fazendo pesquisa em Cuiabá

Três institutos de pesquisa entraram em campo na capital nesta semana para levantar as intenções de voto para prefeito. São eles: Malujoa Comunicações, que geralmente divulga os resultados no site Olhar Direto; a Voice Pesquisas e Comunicação, do site Midianews; e Real Time Big Data. A Voice poderá tornar públicos os números apurados da pesquisa a partir de segunda (26), enquanto os outros dois estão autorizados...

Marino enaltece Leitão para o Senado

marino franz 400 curtinha   O empresário e ex-prefeito de Lucas do Rio Verde, Marino Franz (foto), anunciou apoio a Nilson Leitão (PSDB) para o Senado. Disse que conhece o candidato tucano de longa data, desde quando este foi prefeito de Sinop e assegura que Leitão é preparado, representa muito bem a região e o...

Magali de fora em General Carneiro

magali vilela 400   A ex-prefeita de General Carneiro, Magali Vilela (foto), que se lançou novamente à disputa ao Executivo, foi barrada pela Justiça. Teve o registro indeferido, já que está inelegível por ter sido condenada à suspensão de seus direitos políticos em...

MAIS LIDAS