Vivaldo Lopes

Vitória de virada

Por 05/12/2019, 08h:29 - Atualizado: 23/01/2020, 07h:25

Dayanne Dallicani

Colunista Vivaldo Lopes

O robusto e surpreendente crescimento do PIB brasileiro anunciado pelo IBGE nesta terça (3) teve um gostinho de vitória no futebol. De virada e nos últimos minutos do segundo tempo. Começamos o ano com um inexplicável otimismo por parte do empresariado e analistas econômicos de crescimento de 2,5%. Chegamos ao final de novembro com o mercado afirmando que a economia cresceria apenas 0,8%. Muito abaixo do 1,3% de 2017 e 1,1% de 2018.

Começamos o ano com um inexplicável otimismo por parte do empresariado e analistas econômicos de crescimento de 2,5%. Chegamos ao final de novembro com o mercado afirmando que a economia cresceria apenas 0,8%. Muito abaixo do 1,3% de 2017 e 1,1% de 2018

O IBGE anunciou que no terceiro trimestre o PIB cresceu 0,6%, puxado pelo consumo das famílias e pelo investimento privado. Comparado com o terceiro trimestre de 2018 o crescimento foi de 1,2%, bem acima da previsão dos analistas do mercado, consultorias e departamentos de estudos econômicos  dos grandes bancos. Considerando que os indicadores precedentes indicam crescimento mais forte no último trimestre do ano, espera-se que o PIB brasileiro termine 2019 com crescimento de 1,5%.

O relatório traz ainda a boa notícia de que a indústria voltou a crescer após longa letargia de 12 trimestres seguidos de queda. Sua expansão foi puxada pela construção civil e pela indústria extrativa, especialmente o setor de petróleo, óleo e gás. Mesmo tendo baixa participação relativa na formação do PIB, a agropecuária, novamente, foi o setor que apresentou maior desempenho, com crescimento de 1,3%, baseado na produção e exportação de grãos e carnes.

O entusiasmo com a eleição do presidente Jair Bolsonaro e sua recém nomeada equipe econômica explicava a euforia empresarial no começo do ano. Ao findar o primeiro semestre as expectativas recuaram diante de vários tropeços, demoras e barbeiragens políticas e econômicas da administração federal para aprovação e implantação das esperadas reformas estruturais. O ambiente de negócios retomou certo otimismo após a aprovação da reforma previdenciária, inflação estabilizada em 3% ao ano e taxa básica de juros de 5%, devendo fechar o ano em 4,5%.

O aumento do consumo das famílias tem explicação na retomada lenta do emprego formal e informal, aumentando a massa salarial, preços comprimidos pela baixa demanda e liberação dos recursos do FGTS. Consumo das famílias é o indicador mais importante da atividade econômica pois responde por 65% do PIB. A construção civil beneficiou-se da melhor oferta de crédito e da redução das taxas de juros imobiliários. Foi responsável pela maior parte do aumento do investimento no trimestre.

Os dados positivos reacendem os ânimos com o retorno da expansão do PIB e descortina cenário mais solar para 2020 com a retomada, ainda que lenta, do emprego, da confiança das famílias para tomar crédito e consumir e a elevação dos investimentos produtivos

A expansão econômica verificada nos dois últimos trimestres de 2019 alertam para o desafio de avaliar o seu impacto no cenário inflacionário. Até agora, o bom desempenho da economia foi alavancado pela atividade privada, com pouca participação dos gastos governamentais. A União, estados e municípios convivem com crônicos déficits fiscais e lutam penosamente para honrar suas despesas correntes, com baixíssima capacidade de investir. O aquecimento da atividade no período de julho a setembro não afetou os dados da inflação até o momento, devido à grande capacidade ociosa da economia. Mas a forte desvalorização do real perante o dólar americano e o estratosférico aumento dos preços da carne bovina no mercado interno acenderam os sinais amarelos do Banco Central, aumentando os níveis de cautela para o início de 2020. Não deve alterar a trajetória já traçada para o final de 2019, com mais um corte da taxa Selic na próxima semana, consolidando o longo ciclo de redução da taxa que saiu de 14,25% no início de 2016 para 4,5% ao final de 2019.

Os dados positivos reacendem os ânimos com o retorno da expansão do PIB e descortina cenário mais solar para 2020 com a retomada, ainda que lenta, do emprego, da confiança das famílias para tomar crédito e consumir e a elevação dos investimentos produtivos, ingredientes imprescindíveis para o país trilhar o caminho do crescimento sustentado.

Vivaldo Lopes é economista formado pela UFMT, onde lecionou na Faculdade de Economia.  É pós-graduado em MBA e Gestão Financeira Empresarial pela FIA/USP. Escreve nesta coluna com exclusividade às quintas-feiras. E-mail: vivaldo@uol.com.br

Postar um novo comentário

Jayme afirma ter 4 opções para VG

jayme campos 400 curtinha   Em meio ao debate otimista sobre pré-candidaturas do DEM nas cidades pólos, em reunião nesta segunda, no Palácio Paiaguás, Jayme Campos (foto) comentou que, em Várzea Grande, onde sua esposa Lucimar está concluindo o segundo mandato, há quatro nomes sob...

DEM agora tem 5 querendo prefeitura

fabio garcia 400 curtinha   Com o peso de quem comanda hoje em Mato Grosso os dois Poderes políticos, o Executivo e o Legislativo, com Mauro e Botelho, respectivamente, o DEM aposta na conquista não só da Prefeitura da Capital, mas também das outras nove maiores. Dirigentes do partido fizeram espécie de...

Presidente ora por harmonia no TCE

maluf 400 curtinha   Num Tribunal de Contas sob tensão, nada mais aconselhável do que um culto ecumênico para servidores e conselheiros, com participação de padre e pastor, em defesa da harmonia, união e amor no ambiente de trabalho. A ideia partiu do novo presidente Guilherme Maluf (foto), que reuniu...

PDT quer França, mas não pra suplente

allan kardec 400   Embora o deputado e secretário de Cultura do Estado, Allan Kardec (foto), presidente regional do PDT, tenha flertado com Roberto França, tentando atraí-lo para o partido e com expectativa de candidatura, não há nenhum convite para este ser um dos suplentes ao Senado na chapa de Pivetta. A ideia...

Uma candidatura jovem na chapa

otaviano pivetta 400 curtinha   Otaviano Pivetta (foto) assegurou neste domingo que não definiu ainda os dois suplentes de sua futura chapa ao Senado. Sobre Sachetti, observou que trata-se de um parceiro e amigo e que está pronto para ajudar no projeto, sem fazer imposição para assumir suplência, assim como o...

Rei da soja incentiva Fávaro ao Senado

erai maggi 400 curtinha   O ex-vice-governador Carlos Fávaro não mantém o silêncio à toa. Embora tenha sido o terceiro mais votado em 2018 - por pouco não fica com a vaga ocupada hoje pelo senador Jayme Campos -, Fávaro está enfrentando uma série de dificuldades para se viabilizar de...

MAIS LIDAS

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Sobre a senadora Selma Arruda, que teve mandato cassado por caixa 2 e abuso de poder econômico, você acha que ela foi...

ingênua

corrupta

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.