Vivaldo Lopes

Vitória de virada

Por 05/12/2019, 08h:29 - Atualizado: 23/01/2020, 07h:25

Dayanne Dallicani

Colunista Vivaldo Lopes

O robusto e surpreendente crescimento do PIB brasileiro anunciado pelo IBGE nesta terça (3) teve um gostinho de vitória no futebol. De virada e nos últimos minutos do segundo tempo. Começamos o ano com um inexplicável otimismo por parte do empresariado e analistas econômicos de crescimento de 2,5%. Chegamos ao final de novembro com o mercado afirmando que a economia cresceria apenas 0,8%. Muito abaixo do 1,3% de 2017 e 1,1% de 2018.

Começamos o ano com um inexplicável otimismo por parte do empresariado e analistas econômicos de crescimento de 2,5%. Chegamos ao final de novembro com o mercado afirmando que a economia cresceria apenas 0,8%. Muito abaixo do 1,3% de 2017 e 1,1% de 2018

O IBGE anunciou que no terceiro trimestre o PIB cresceu 0,6%, puxado pelo consumo das famílias e pelo investimento privado. Comparado com o terceiro trimestre de 2018 o crescimento foi de 1,2%, bem acima da previsão dos analistas do mercado, consultorias e departamentos de estudos econômicos  dos grandes bancos. Considerando que os indicadores precedentes indicam crescimento mais forte no último trimestre do ano, espera-se que o PIB brasileiro termine 2019 com crescimento de 1,5%.

O relatório traz ainda a boa notícia de que a indústria voltou a crescer após longa letargia de 12 trimestres seguidos de queda. Sua expansão foi puxada pela construção civil e pela indústria extrativa, especialmente o setor de petróleo, óleo e gás. Mesmo tendo baixa participação relativa na formação do PIB, a agropecuária, novamente, foi o setor que apresentou maior desempenho, com crescimento de 1,3%, baseado na produção e exportação de grãos e carnes.

O entusiasmo com a eleição do presidente Jair Bolsonaro e sua recém nomeada equipe econômica explicava a euforia empresarial no começo do ano. Ao findar o primeiro semestre as expectativas recuaram diante de vários tropeços, demoras e barbeiragens políticas e econômicas da administração federal para aprovação e implantação das esperadas reformas estruturais. O ambiente de negócios retomou certo otimismo após a aprovação da reforma previdenciária, inflação estabilizada em 3% ao ano e taxa básica de juros de 5%, devendo fechar o ano em 4,5%.

O aumento do consumo das famílias tem explicação na retomada lenta do emprego formal e informal, aumentando a massa salarial, preços comprimidos pela baixa demanda e liberação dos recursos do FGTS. Consumo das famílias é o indicador mais importante da atividade econômica pois responde por 65% do PIB. A construção civil beneficiou-se da melhor oferta de crédito e da redução das taxas de juros imobiliários. Foi responsável pela maior parte do aumento do investimento no trimestre.

Os dados positivos reacendem os ânimos com o retorno da expansão do PIB e descortina cenário mais solar para 2020 com a retomada, ainda que lenta, do emprego, da confiança das famílias para tomar crédito e consumir e a elevação dos investimentos produtivos

A expansão econômica verificada nos dois últimos trimestres de 2019 alertam para o desafio de avaliar o seu impacto no cenário inflacionário. Até agora, o bom desempenho da economia foi alavancado pela atividade privada, com pouca participação dos gastos governamentais. A União, estados e municípios convivem com crônicos déficits fiscais e lutam penosamente para honrar suas despesas correntes, com baixíssima capacidade de investir. O aquecimento da atividade no período de julho a setembro não afetou os dados da inflação até o momento, devido à grande capacidade ociosa da economia. Mas a forte desvalorização do real perante o dólar americano e o estratosférico aumento dos preços da carne bovina no mercado interno acenderam os sinais amarelos do Banco Central, aumentando os níveis de cautela para o início de 2020. Não deve alterar a trajetória já traçada para o final de 2019, com mais um corte da taxa Selic na próxima semana, consolidando o longo ciclo de redução da taxa que saiu de 14,25% no início de 2016 para 4,5% ao final de 2019.

Os dados positivos reacendem os ânimos com o retorno da expansão do PIB e descortina cenário mais solar para 2020 com a retomada, ainda que lenta, do emprego, da confiança das famílias para tomar crédito e consumir e a elevação dos investimentos produtivos, ingredientes imprescindíveis para o país trilhar o caminho do crescimento sustentado.

Vivaldo Lopes é economista formado pela UFMT, onde lecionou na Faculdade de Economia.  É pós-graduado em MBA e Gestão Financeira Empresarial pela FIA/USP. Escreve nesta coluna com exclusividade às quintas-feiras. E-mail: vivaldo@uol.com.br

Postar um novo comentário

Ação pró-Thiago, mas Luizão resiste

carlos bezerra 400   Com uma pesquisa debaixo do braço, cujo resultado traz Thiago Silva na dianteira na corrida à Prefeitura de Rondonópolis, inclusive na frente do prefeito Zé do Pátio (SD), o MDB de Carlos Bezerra (foto) tenta convencer o empresário Luizão (PRB) a recuar para apoiar o...

Padrinho político de Fabio a prefeito

mauro mendes 400 curtinha   Após se reunir com o governador Mauro Mendes (foto) na sexta (14), o suplente de senador Fabio Garcia, presidente regional do DEM, deve oficializar sua pré-candidatura à Prefeitura de Cuiabá. Fabinho quer discutir com Mauro, que é seu padrinho político, o arco de aliança e...

4 ex-prefeitos se juntam em Chapada

gilberto mello 400 curtinha   Considerado nome mais forte da oposição, Gilberto Mello (foto), do PL, lançou sua pré-candidatura à sucessão em Chapada dos Guimarães com apoio de nada menos que três ex-prefeitos, fora ele próprio, que administrou o município entre 2005 e 2008....

Contrato em VG sob irregularidades

jaqueline jacobsen curtinha 400   O TCE mandou a prefeita de Várzea Grande, Lucimar Campos, suspender qualquer pagamento à empresa Lidyfarma Comércio de Produtos Farmacêuticos referente a um contrato sem licitação para compra de 50 mil comprimidos de Azitromincina 500 mg para combate ao coronavírus....

Fabio deve mesmo tentar prefeitura

fabio garcia 400 curtinha   O DEM do governador Mauro aposta todas as fichas na candidatura do empresário Fábio Garcia (foto) a prefeito de Cuiabá. Até sexta ele deve responder "sim" ao partido. Fabinho, como é conhecido, é um dos integrantes do núcleo de confiança do governador. Inclusive foi...

No marketing de Pivetta para Senado

bruno bini 400 curtinha   O cineasta e publicitário Bruno Bini (foto) deve comandar o marketing da campanha ao Senado do vice-governador Otaviano Pivetta. As negociações estão praticamente fechadas. Antes da pandemia, em fevereiro, Pivetta estava em negociação com Antero de Barros. A última campanha...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

O Governo de MT estuda retomada das atividades escolares presenciais possivelmente em agosto ou setembro. O que você acha?

Estou de acordo

Não - aulas não podem voltar por agora

tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.