Ana Lacerda

O prejuízo das generalizações

Por 10/06/2020, 07h:31 - Atualizado: 10/06/2020, 07h:37

Dayanne Dallicani

Colunista Ana Lacerda

Os discursos fáceis não existem.  Se você vive no Brasil, deve ter ouvido repetidas vezes que o agronegócio e o meio ambiente são antagonistas mortais! Ou ainda, que é o agro o responsável por toda depredação que existe na natureza.

É verdade que tem gente que desrespeita a lei em todo e qualquer segmento, mas generalizar é uma injustiça que gera graves consequências.

É verdade que tem gente que desrespeita a lei em todo e qualquer segmento, mas generalizar é uma injustiça que gera graves consequências

Recentemente, foi veiculado nos canais de informações, que o Ministério Público Federal acionou vários produtores no Brasil por destruição da Amazônia. Segundo as notícias, somente no mês de maio deste ano, foram ajuizadas 1.023 ações civis públicas, contra 2.262 acusados de desmatamentos ilegais na Amazônia. Especificamente em Mato Grosso, são 242 ações.

Antes de prosseguir, é preciso ressaltar que é dever do Estado tomar medidas quanto aos desmatamentos ilegais e outros crimes ambientais. Não é isso que ora se discute. O grande problema é que muitas dessas ações que criminalizam o setor produtivo, são ajuizadas sem a realização de notificação prévia do produtor para fins de esclarecimentos dos fatos e apresentação de documentos necessários. Tratam-se de ações com valores astronômicos, algumas vezes sem o mínimo de critério, atenção e respeito à legislação vigente.

O produto do agro, não tem um prático botão de “pause”. Não é possível simplesmente adiar uma colheita ou o momento da plantação para fazer de novo depois. A atividade impedida de prosseguir, acarreta prejuízos avassaladores, que nenhum órgão autuante ou fiscal da lei, vai se dispor a indenizar na hipótese (muitas vezes confirmada) da legalidade da ação do produtor e da ausência de ocorrência de crime ambiental.

Maior parte dos desmatamentos ilegais acontecem em terras que ainda não foram regularizadas pelo Estado. As propriedades particulares costumam atender a todos os critérios legais para proceder com produção. E não são poucas!

É preciso lembrar ainda, que esse tipo de ação em massa pode estagnar um dos setores mais fundamentais, ou o mais fundamental, do país. Sem o agro não há comida, entre tantos outros itens que é possível notar em uma rápida olhada em casa, ou em você mesmo, como as roupas. Além disso, é o agro que tem salvado a economia do Brasil nesses tempos de pandemia. O setor se constitui como a aposta mais certa para alavancar o país e retirá-lo da crise atual. Existem provas da contribuição do setor com o PIB (Produto Interno Bruto) positivo nacional.

Nessa mesma seara, é preciso salientar que a maior parte dos desmatamentos ilegais acontecem em terras que ainda não foram regularizadas pelo Estado. As propriedades particulares costumam atender a todos os critérios legais para proceder com produção. E não são poucas!

A generalização dos fatos precisa ser combatida. É imperioso que se observe a realidade como ela é; e não como alguns interesses nebulosos que pretendem que se acredite. A ilegalidade na Amazônia é assunto seríssimo, de lei, de justiça, e não concede a facilidade de achismos e generalizações. Os produtores brasileiros, na sua gigantesca e imensa maioria, são éticos, trabalhadores incansáveis, gente que investe e acredita no Brasil.

É urgente a necessidade de se regularizar a questão fundiária do nosso País, e igualmente, que o controle do desmatamento ilegal seja promovido por intermédio de ações com vistoria e notificação prévias, comprometidas e bem fundamentadas para que não se faça – e sobretudo para que não se perpetue – essa perseguição descabida à atividade produtiva de alimentos.

Ana Lacerda é advogada do escritório Advocacia Lacerda e escreve exclusivamente nesta coluna às quartas-feiras. E-mail: analacerda@advocacialacerda.com. Site: www.advocacialacerda.com

Postar um novo comentário

Padrinho político de Fabio a prefeito

mauro mendes 400 curtinha   Após se reunir com o governador Mauro Mendes (foto) na sexta (14), o suplente de senador Fabio Garcia, presidente regional do DEM, deve oficializar sua pré-candidatura à Prefeitura de Cuiabá. Fabinho quer discutir com Mauro, que é seu padrinho político, o arco de aliança e...

4 ex-prefeitos se juntam em Chapada

gilberto mello 400 curtinha   Considerado nome mais forte da oposição, Gilberto Mello (foto), do PL, lançou sua pré-candidatura à sucessão em Chapada dos Guimarães com apoio de nada menos que três ex-prefeitos, fora ele próprio, que administrou o município entre 2005 e 2008....

Contrato em VG sob irregularidades

jaqueline jacobsen curtinha 400   O TCE mandou a prefeita de Várzea Grande, Lucimar Campos, suspender qualquer pagamento à empresa Lidyfarma Comércio de Produtos Farmacêuticos referente a um contrato sem licitação para compra de 50 mil comprimidos de Azitromincina 500 mg para combate ao coronavírus....

Fabio deve mesmo tentar prefeitura

fabio garcia 400 curtinha   O DEM do governador Mauro aposta todas as fichas na candidatura do empresário Fábio Garcia (foto) a prefeito de Cuiabá. Até sexta ele deve responder "sim" ao partido. Fabinho, como é conhecido, é um dos integrantes do núcleo de confiança do governador. Inclusive foi...

No marketing de Pivetta para Senado

bruno bini 400 curtinha   O cineasta e publicitário Bruno Bini (foto) deve comandar o marketing da campanha ao Senado do vice-governador Otaviano Pivetta. As negociações estão praticamente fechadas. Antes da pandemia, em fevereiro, Pivetta estava em negociação com Antero de Barros. A última campanha...

Jogada de vereador pra conseguir vice

thiago muniz 400 curtinha   O vereador de 2º mandato Thiago Muniz (foto), primo do ex-prefeito Percival, resolveu se lançar pré-candidato a prefeito de Rondonópolis pelo DEM como estratégia para manter o nome nas discussões majoritárias e na esperança de ser convidado para vice de alguém....

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

O Governo de MT estuda retomada das atividades escolares presenciais possivelmente em agosto ou setembro. O que você acha?

Estou de acordo

Não - aulas não podem voltar por agora

tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.