Ana Lacerda

CAR pode informar área isenta de imposto rural

Por 21/08/2019, 00h:01 - Atualizado: 21/08/2019, 07h:14

Dayanne Dallicani

Colunista Ana Lacerda

Aqui nessa coluna, há algumas semanas, publiquei um texto em que retratei a importância do Cadastro Ambiental Rural (CAR), que é um instrumento utilizado para auxiliar no processo de regularização ambiental das propriedades e posses rurais. Consiste em reunir informações georreferenciadas do imóvel, com delimitação da Reserva Legal (RL), Áreas de Proteção Permanente (APP), remanescentes de vegetação nativa, área rural consolidada e áreas de interesse social e de utilidade pública, cujo objetivo principal é estabelecer um mapa digital criando um verdadeiro diagnóstico ambiental, integrando as informações de cada propriedade, garantindo o controle, monitoramento e combate ao desmatamento no país.

A Instrução Normativa Nº 1.902/2019 irá gerar reflexos práticos e imediatos ao proprietário rural, na Declaração do Imposto Territorial Rural do ano de 2019, uma vez que no artigo 6º da normativa, que trata sobre as informações ambientais e impõe requisitos com a finalidade de exclusão das áreas não tributáveis da área total do imóvel rural, a Receita Federal diz que o contribuinte tem que cumprir com duas exigências: apresentar o ADA ao Ibama e informar o recibo do CAR na declaração

Justamente devido à formação desse banco atualizado de dados é que a partir da publicação da Instrução Normativa Nº 1.902, em 19 de julho deste ano, a apresentação do recibo de inscrição no CAR passou a ser obrigatória na Declaração do Imposto Territorial Rural (DITR).

Cabe lembrar que essa Declaração é obrigatória para as pessoas físicas ou jurídicas que sejam proprietárias, titulares ou possuidoras do imóvel rural a qualquer título, inclusive usufrutuárias, bem como por qualquer um dos condôminos quando o imóvel pertencer a mais de um contribuinte, devendo ser apresentada no período de 12 de agosto a 30 de setembro de 2019.

Além disso, a referida Declaração, além de apresentar documentos referentes às informações cadastrais dos imóveis rurais, também tem como objetivo principal a apuração e pagamento anual do Imposto Territorial Rural (ITR), que funciona como o IPTU (imposto cobrado por imóveis nas áreas urbanas), mas que tem como base de cálculo o valor fundiário da propriedade rural.

  Em outras palavras, o valor fundiário se refere ao Valor da Terra Nua (VTN), ou seja, o valor de mercado do imóvel no que diz respeito à terra e ao solo, excluindo-se qualquer benfeitoria, devendo ser mensurada a real capacidade de exploração e somente sobre as áreas que possam gerar riquezas ou valores econômicos, portanto, devendo ser excluídas do cálculo as extensões insuscetíveis de aproveitamento ou com aproveitamento mitigado.

Dessa forma, considerando que nem toda a extensão da terra mensurada pelo VTN tem relevância econômica, é que surgiu o conceito legal de área tributável, que determina a isenção do imposto para algumas extensões de terras como, por exemplo: (a) áreas de preservação permanente e de reserva legal; (b) áreas de interesse ecológico para a proteção dos ecossistemas, assim declaradas mediante ato do órgão competente, federal ou estadual, e que ampliem as restrições de uso previstas na alínea anterior; (c) áreas comprovadamente imprestáveis para qualquer exploração agrícola, pecuária, granjeia, aquícola ou florestal, declaradas de interesse ecológico mediante ato do órgão competente, federal ou estadual; (d) áreas sob regime de servidão ambiental; (e) áreas cobertas por florestas nativas, primárias ou secundárias em estágio médio ou avançado de regeneração; (f) áreas alagadas para fins de constituição de reservatório de usinas hidrelétricas autorizada pelo Poder Público.

É de extrema importância que os proprietários rurais ofereçam com exatidão todas as informações dos imóveis no CAR e que mencionem corretamente o número de sua inscrição no ato da Declaração do Imposto Territorial Rural, pois além de evitar que sofram alguma sanção em eventual fiscalização sobre a contagem das áreas de isenção de tributação, também afasta o risco de serem tributados por áreas não exploradas em suas propriedades

É justamente nesse ponto em que a Instrução Normativa Nº 1.902/2019 irá gerar reflexos práticos e imediatos ao proprietário rural, na Declaração do Imposto Territorial Rural do ano de 2019, uma vez que no artigo 6º da normativa, que trata sobre as informações ambientais e impõe requisitos com a finalidade de exclusão das áreas não tributáveis da área total do imóvel rural, a Receita Federal diz que o contribuinte tem que cumprir com duas exigências: apresentar o Ato Declaratório Ambiental (ADA) ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e informar o recibo do CAR na declaração, devendo todos os comprovantes obrigatoriamente constarem na declaração.

Ao contrário da Instrução Normativa de 2018, em que o CAR era apenas sugerido pela Receita Federal e as informações sobre as áreas não exploradas na propriedade estavam vinculadas somente ao ADA entregue ao Ibama, documento em que o proprietário poderia pleitear a redução do ITR, mediante cadastramento das áreas de interesse ambiental, como, por exemplo, áreas de preservação permanente, reserva legal e outras, agora o CAR também se tornou figura obrigatória na Declaração do Imposto Territorial Rural do ano de 2019.

Assim, devido à precisão de seu banco de dados, sua atual obrigatoriedade a todos os imóveis rurais, bem como ao novo posicionamento da Receita Federal contido na atual normativa do DITR, o CAR passa a ser ferramenta vinculada diretamente na contagem das áreas não tributáveis.

Assim, é de extrema importância que os proprietários rurais ofereçam com exatidão todas as informações dos imóveis no CAR e que mencionem corretamente o número de sua inscrição no ato da Declaração do Imposto Territorial Rural, pois além de evitar que sofram alguma sanção em eventual fiscalização sobre a contagem das áreas de isenção de tributação, também afasta o risco de serem tributados por áreas não exploradas em suas propriedades.

Por fim, verifica-se que a utilização do banco de dados do CAR para essa finalidade, além de significar um avanço positivo na legislação, também atende a necessidade de integrar todas as informações cadastrais do imóvel rural em um único instrumento, o que oferece maior segurança ao proprietário rural, que antes se utilizava somente do ADA para requerer a isenção da tributação sobre as áreas não exploradas.

Ana Lacerda é advogada do escritório Advocacia Lacerda e escreve exclusivamente nesta coluna às quartas-feiras. E-mail: analacerda@advocacialacerda.com. Site: www.advocacialacerda.com

Postar um novo comentário

De fora da disputa em Rondonópolis

percival muniz 400   O pecuarista Percival Muniz (foto), hoje "mergulhado" nas duas fazendas na região do Xingu, adianta que não será candidato a prefeito de Rondonópolis, posto já ocupado por ele por três vezes. Mesmo com recall junto à população de bom gestor e popular, ele é...

Conselheira e o faturamento familiar

jaqueline jacobsen curtinha 400   Está repercutindo muito mal para a conselheira substituta do TCE-MT Jaqueline Jacobsen (foto) a notícia publicada pelo site O Livre, nesta sexta, de que a sua irmã, advogada Camila Jacobsen, em sociedade com Eveline Guerra, filha da conselheira, são sócias da "Jacobsen &...

Selma vê maior conforto no Podemos

selma curtinha 400   No grupo de WhatsApp "PSL Mulher MT", Selma Arruda (foto) escreveu um texto de despedida do partido. Disse estar chateada "com tudo isso", mas que não perdeu a fé e que o Governo Bolsonaro vai dar certo. Afirma sair do PSL com "coração partido" e que continua com os mesmos ideais no Podemos, onde...

Podemos esperando Selma se salvar

alvarodias_curtinhas   Na busca para ampliar a bancada do Podemos no Senado, o senador Alvaro Dias, derrotado à presidência no ano passado, só correu atrás de Selma, no sentido de convencê-la a se filiar no partido, depois que foi informado que ela tem chances reais de derrubar no TSE a cassação por...

Fávaro e esperança em assumir vaga

carlosfavaro_curtinha   O representante do escritório de MT em Brasília Carlos Fávaro (PSD) está convicto de que a senadora Selma não só será cassada de vez pelo TSE nos próximos meses, como a decisão da Corte lhe permitirá assumir a vaga enquanto não for eleito um novo...

Maturidade e nova visão sobre o TCE

janaina_riva_curtinha   No segundo mandato e sentindo-se mais madura politicamente, apesar de ainda bem jovem – completou 30 anos em 21 de janeiro – a deputada Janaína Riva revela que pensa diferente sobre a indicação de políticos ao cargo de conselheiro do TCE. Ao autorizar os colegas a derrubar a...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Na sua opinião, como está indo o Governo Mauro Mendes?

excelente

bom

regular

ruim

péssimo

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.