Ana Lacerda

Renegociar - questão de justiça e sobrevivência

Por 13/01/2021, 07h:38 - Atualizado: 13/01/2021, 07h:46

Dayanne Dallicani

Colunista Ana Lacerda

Os efeitos da crise ocasionada pelo coronavírus foram e ainda são sentidos de várias maneiras. Do ponto de vista econômico, atravessamos um momento bastante delicado, em que muitas empresas tiveram que fechar suas portas; pessoas perderam o emprego e/ou fontes de renda e todo esse rearranjo implica necessariamente em numerosas renegociações.

Nesse sentido, ao lidar com os resultados causados pelo vírus, que não respeitaram nenhum tipo de fronteira, tornou-se imperioso que as partes que tiverem entre si alguma relação contratual sejam flexíveis para rediscutirem essa situação, avaliando a premissa do equilíbrio contratual.

Há que se rememorar que no sistema jurídico brasileiro não se pode simplesmente deixar de cumprir uma obrigação contratual alegando motivos imprevistos ou incontroláveis, generalizando os casos. É preciso que cada contrato seja verificado pontualmente. Alguns deles nem precisarão ser revistos; já outros terão como premissa para continuidade, a reavaliação de fatores específicos. Nessas medidas, pode haver a variação do mesmo evento, em diferentes contextos, como caso fortuito ou acontecimento extraordinário.

Insta destacar que quando falamos de uma necessária renegociação, não estamos nos referindo à hipótese de tomar medidas para que se altere, ou se revise extrajudicialmente o que estava previsto na relação contratual, outrossim, que se encontre caminhos alternativos a fim de que ela seja cumprida, considerando as circunstâncias como fator preponderante para tanto.

Na via de renegociar é imprescindível que haja uma comunicação bastante eficiente entre as partes, tanto daquela que percebe um desequilíbrio, quanto daquela que foi comunicada da dificuldade e necessita posicionar-se em busca de uma solução razoável. Dessa maneira, propicia-se a atmosfera de reciprocidade e transparência, tão importantes nas tratativas em geral, com o objetivo de que se concretize o escopo contratual, por meio de mútua cooperação.

Na via de renegociar é imprescindível que haja uma comunicação bastante eficiente entre as partes, tanto daquela que percebe um desequilíbrio, quanto daquela que foi comunicada da dificuldade e necessita posicionar-se em busca de uma solução razoável.

Ana Lacerda

O dever de renegociar é um remédio quando do desequilíbrio contratual superveniente, e ganha espaço cada vez que, em face desse desequilíbrio, está-se diante de uma patologia interna ao contrato. No caso da corrente pandemia, verifica-se que a manutenção de determinadas cláusulas contratuais sem renegociação, podem ocasionar a impossibilidade temporária e/ou permanente da prestação de determinado serviço e até mesmo o fim do contrato.

O fundamento para renegociar os contratos está estampado na cláusula geral de boa-fé objetiva (art. 422 do Código Civil), que impõe aos contratantes o dever de agirem de maneira leal, transparente, para atingirem o objeto proposto na negociação.

Importante ressaltar o aspecto da uniformidade e coerência no dever da renegociação. Como exemplo, uma empresa que concede desconto a um contratante, sob contrato idêntico e mesmas circunstâncias, sem nenhuma justificativa para diferenciação; não pode deixar de conceder exatamente o mesmo desconto aos demais.

De outra orientação, sublinhamos que a tentativa de renegociar reduz os já tão avolumados estoques processuais do judiciário, levando a uma possiblidade de solução mais célere e eficiente e cabe perfeitamente em situações como as enfrentadas na contemporaneidade.

A famosa frase atribuída a Charles Darwin, autor da obra mundialmente conhecida e atemporal “A origem das espécies”, tem encaixe perfeito nesse cenário: “Não é o mais forte que sobrevive, nem o mais inteligente, mas o que melhor se adapta às mudanças.”. É urgente ajustar-se.

Ana Lacerda é advogada do escritório Advocacia Lacerda e escreve exclusivamente nesta coluna às quartas-feiras. E-mail: analacerda@advocacialacerda.com. Site: www.advocacialacerda.com

Postar um novo comentário

Romoaldo, prescrição e elegibilidade

romoaldo junior 400 curtinha   Assim como Wilson Santos, o deputado Romoaldo Júnior (foto) assegura que hoje também está elegível porque uma condenação de dois anos e três meses de prisão, inclusive com perda do mandato, acabou prescrita. Ele disse que ainda não sabe se disputará...

Juca quer ex-deputado no Gabinete

roberto nunes 400   O presidente do Legislativo cuiabano, vereador Juca do Guaraná, disse que irá convidar o ex-vereador, ex-vice-prefeito e ex-deputado estadual Roberto Nunes (foto) para assumir a Chefia de Gabinete da Presidência. Enfatiza que Roberto é bem articulado politicamente, tem habilidade e experiência e,...

Governo "desmama" senador do Dnit

wellington fagundes 400   O Governo Bolsonaro conseguiu, enfim, "desmamar" Wellington Fagundes (foto) do Dnit. Há décadas, entra e sai governo e o ex-deputado federal por seis mandatos (24 anos) e no cargo de senador desde 2015 vinha indicando apadrinhados no cargo de superintendente regional do Dnit em MT. O último foi Orlando...

Ex-deputado demitido de assessoria

luiz soares 400   O ex-deputado Luiz Soares (foto), hoje com 63 anos, foi exonerado do cargo de assessor parlamentar do contemporâneo Wilson Santos. Ganhava quase R$ 10 mil brutos. Estava lotado no gabinete do deputado tucano havia quase dois anos. Soares é pensionista do extinto Fundo de Assistência Parlamentar, ganhando...

Arsec concede reajuste; prefeito veta

alexandro adriano arsec 400   No último dia 22, a diretoria-executiva colegiada da Agência Municipal de Regulação de Serviços Públicos Delegados de Cuiabá (Arsec), presidida por Alexandro Adriano Lisandro (foto), aprovou índice de reajuste de 2,21% nas tarifas de água e esgoto. E...

Novo ensaio do privilegiado Neurilan

neurilan fraga 400   Neurilan Fraga (foto) transformou mesmo a AMM não apenas num cabide de emprego, mas numa entidade para, em alguns casos, atender a seus interesses pessoais. Ali, investido no cargo de presidente, inclusive já pelo quarto mandato, mesmo não sendo mais prefeito, ele se articula politicamente o tempo todo....

MAIS LIDAS

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

O Governo de MT optou pela implantação do BRT em Cuiabá-VG em detrimento do VLT. O que você acha disso?

Estou de acordo

Discordo

Tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.