Ana Lacerda

Terra de alguém, terra rica

Por 18/09/2019, 07h:00 - Atualizado: 18/09/2019, 07h:19

Dayanne Dallicani

Colunista Ana Lacerda

Dono de um território extenso, origem de pujante desenvolvimento agropecuário, Mato Grosso envida esforços para regularizar a sua maior riqueza: a terra.

O Governo pretende implementar o “Terra a Limpo”, iniciativa com o objetivo de modernizar a gestão fundiária no Estado

Por intermédio de um programa de cooperação técnica coordenado pela Casa Civil, o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e o Instituto de Terras de Mato Grosso (Intermat), o Governo pretende implementar o “Terra a Limpo”, iniciativa com o objetivo de modernizar a gestão fundiária no Estado e contribuir para a regularização fundiária de glebas públicas e assentamentos estaduais e federais.

Além dos órgãos citados, compõem o rol de parceiros o Gabinete de Gestão Estratégica de Governo; as secretarias de Estado de Meio Ambiente (SEMA); Fazenda (SEFAZ); Planejamento e Gestão (SEPLAG); de Agricultura Familiar (SEAF); de Assistência Social e Cidadania (SETASC); Ciência, Tecnologia e Inovação (SECITECI); Desenvolvimento Econômico (SEDEC); Infraestrutura e Logística (SINFRA); Empresa Mato-Grossense de Tecnologia da Informação (MTI); e a Procuradoria Geral do Estado (PGE).

O programa “Terra a Limpo” foi instituído pelo Decreto nº 1.560, de 29 de junho de 2018, e pretende beneficiar famílias de agricultores de 87 municípios mato-grossenses. A ideia é que, por meio da resolução dos conflitos existentes, seja promovida a segurança jurídica pela posse da terra.

A ideia é que, por meio da resolução dos conflitos existentes, seja promovida a segurança jurídica pela posse da terra

Para tanto, os investimentos são robustos. Com o intuito de fomentar o desenvolvimento e a regularização fundiária, está prevista a implementação de uma receita de R$ 72,9 milhões do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) em Mato Grosso. Ao todo serão beneficiados 165 glebas e 378 Assentamentos estaduais e federais.

É evidente que muitas famílias serão diretamente impactadas positivamente pela realização desse programa. Esse fato já justificaria, por si só, a necessidade e relevância da implementação das ações para a regularização fundiária, entretanto, deve-se ampliar o olhar e notar que os efeitos reverberam para muito além daqueles que receberão os títulos de suas terras e, por fim, terão paz: os resultados dessa dinâmica implicam inúmeras melhorias. Vejamos:

Ocupando terras regularizadas, as mais de 65 mil famílias poderão, finalmente, investir em benfeitorias na propriedade, garantidas pela segurança jurídica proporcionada pelo direito aplicado. Assim, ocorre também o fortalecimento da economia local, uma vez que certos de sua permanência na terra, as relações de consumo se tornam igualmente asseguradas para a região onde as famílias se estabelecem.

Outro fator que ecoa quando existe a regularização fundiária é o aperfeiçoamento da governança pública. Trata-se de um jogo em que todos ganham: as famílias, que passam a, de fato, serem donas de suas terras, e o Estado, que poderá fazer a gestão administrativa que lhe cabe e a fiscalização do local.

Vale lembrar também que essa cadeia de ações auxilia na preservação dos recursos naturais e na preservação ambiental, tendo em vista que cada proprietário legal será responsável também pelos cuidados e cumprimento das normas concernentes ao seu respectivo espaço. Passam a entrar em cena o fortalecimento na gestão ambiental; a inserção no cadastro ambiental; o combate ao desmatamento e queimadas ilegais; a utilização de técnicas de produção e manejo sustentável dos recursos naturais.

Com a certeza e a dignidade que uma terra regular pode proporcionar, até mesmo a desigualdade social, a falta de saneamento básico e o não acesso a outros serviços públicos passam a ser reduzidos.

Demais avanços importantes passam a ser mais próximos dessas famílias de pequenos produtores, como empregabilidade, acesso às linhas de crédito, herança, programas de assistência social e rural.

Hoje, o cenário fundiário de Mato Grosso possui um diagnóstico desanimador. A falta de atualização dos dados sobre as propriedades e seus ocupantes gera conflitos, litígios agrários e fundiários, sobreposição de títulos, morte, dor, pobreza… daí decorre a urgência das ações para a regularização.

Nos planos do programa está prevista a preservação do acervo documental do Instituto de Terras de Mato Grosso (INTERMAT); renovação da infraestrutura física e de tecnologia da informação (TI) do Instituto; inserção dos dados e mapas dos títulos já existentes no acervo do órgão no atual sistema estadual de gestão fundiária; georreferenciamento geodésico de imóveis rurais e glebas; identificação e levantamento socioeconômico dos ocupantes; inserção dos dados dos ocupantes e do georreferenciamento dos imóveis nos sistemas com sobreposições e conflitos identificados; realização de oficinas de mediação e resolução de conflitos e capacitação de servidores públicos em regularização fundiária.

Produção obtida unicamente pela agricultura familiar nacional já manteria o Brasil no Top 10 mundial do agronegócio

Não bastassem todas as razões expostas, é preciso destacar também que, consoante levantamento feito por pesquisa do Governo Federal, a produção obtida unicamente pela agricultura familiar nacional já manteria o Brasil no Top 10 mundial do agronegócio, ladeado com os maiores produtores de alimento. A pesquisa acrescenta que ao somar essa produção com a dos grandes produtores, o Brasil salta da oitava para a quinta posição.

Insisto: uma terra regular é sinônimo de dignidade, de desenvolvimento social e de preservação ambiental. Os benefícios atingem quem ocupa a terra, quem integra a cadeia de produção e a de consumo, ou seja, a todos nós interessa que a terra tenha dono e que seja próspera.

Ana Lacerda é advogada do escritório Advocacia Lacerda e escreve exclusivamente nesta coluna às quartas-feiras. E-mail: analacerda@advocacialacerda.com. Site: www.advocacialacerda.com

Postar um novo comentário

Sexto suplente na Câmara por um mês

aluizio leite 400 curtinha   Aluízio Leite (foto), filiado histórico do PV, tomou posse como vereador pela Capital na último dia 2. Mas vai ficar na cadeira por somente 31 dias, até o retorno do titular, delegado Marcos Veloso, que se afastou para cuidar de assuntos pessoais e hoje se encontra hospitalizado com...

No TCE pra tentar receber da prefeitura

flavia mesquita 400 curtinha   Flávia Mesquita (foto), da Luppa Administração de Serviços, pediu socorro ao TCE para tentar receber por serviços prestados à secretaria de Saúde de Cuiabá, alegando que o município está inadimplente há oito meses. E apontou quebra da ordem...

Pai e filho pré-candidatos em Poconé

henrique santos 400 curtinha pocone   Em Poconé, pai e filho estão animados para o teste das urnas deste ano. Um a prefeito e, outro, para vereador. Euclides Santos, que já foi vereador (89/92) e prefeito por duas vezes (93/96 e 2001/2004), além de secretário de Infraestrutura e Serviços Urbanos em...

Expectativa de tocar a Cultura de MT

paulo traven 400 curtinha   Um dos três adjuntos da pasta de Cultura, Esporte e Lazer do Estado, José Paulo da Mota Traven (foto) vem se articulando para assumir de forma efetiva o comando da secretaria. Ele conta com apoio de alguns membros do staff, como do secretário de Governo, Alberto (Beto) Machado. O governador...

Poconé tem hoje vários "prefeitáveis"

euclides santos 400 curtinha   O ex-vereador e ex-prefeito de dois mandatos de Poconé, Euclides Santos (foto), que era do MDB e agora está no PSDB, vem se movimentando nos bastidores para concorrer novamente à sucessão municipal. Seria um dos nomes de oposição ao prefeito Tatá Amaral, que vai tentar...

Apostas do PTB para vereador em VG

silvio fidelis 400 curtinha   Detentor da segunda maior bancada na Câmara de Várzea Grande, com cinco assentos, atrás somente do DEM da prefeita Lucimar, que conta com sete vereadores, o PTB aposta na hipótese de ao menos manter as cinco vagas. E todos os seus vereadores vão à reeleição, sendo...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Em Cuiabá, o prefeito suspendeu a decisão de implantar rodízio de veículos entre placas pares e ímpares devido à Covid-19. Mas quer debater a ideia. Você concorda com rodízio?

concordo

discordo

tanto faz

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.