PADRE NAZARENO - MARTÍRIO DO MITO

Quarta-Feira, 27 de Fevereiro de 2019, 07h:45 | Atualizado: 28/02/2019, 09h:05

LATROCÍNIO OU EXECUÇÃO

"Viemos para te matar", revelou padre ao amigo, minutos antes de morrer - vídeo


Enviada Especial a Jauru

Rodinei Crescêncio

celso ducam

Padre Celso Duca, um dos melhores amigos de Nazareno, defende: este crime foi político

selo investiga��o criminal

 

Forças ocultas da política local planejaram o martírio e encomendaram a morte do padre Nazareno Lanciotti, dia 11 de fevereiro de 2001 em Jauru (a 450 km de Cuiabá). É no que acredita o monsenhor, padre e fundador da Coopenoroeste Celso Duca, um dos melhores amigos do pároco assassinado com tiro na nuca.  Para Duca, não restam dúvidas, foi um atentado. "Encobriram para que ninguém soubesse quem foi que mandou (matar). Mas nós sabemos quem foi! Só não queremos nenhum processo. Deus se encarregou de resolver o problema, pois cada um vai receber o que deve, não acreditamos na Justiça dos homens”.

Encobriram para que ninguém soubesse quem foi que mandou

Padre Celso Duca

Com 91 anos, ele falou com exclusividade ao sobre a morte do companheiro de sacerdócio.

Duca mora em Araputanga (a 258 km da Capital). Recebeu a reportagem na casa paroquial e relatou como recebeu a notícia fúnebre. “Eram dez horas da noite, quando me ligaram. Nazareno foi levado no avião de um dos donos do Hospital de Câncer de Barretos, Henrique Prata, até Cuiabá e de lá seguiu para São Paulo”, detalha.

Para o avião levantar voo em Jauru, Henrique Prata teve que brigar com plantonistas do aeroporto Marechal Rondon que não estavam liberando a decolagem. Afirmou que pagaria multa, mas que seguiria mesmo assim. Ao longo do voo para a Capital, o padre, que foi acompanhado pelo médico Laerte Petrônio de Figueiredo, sofreu três paradas cardíacas controladas.

Quando o avião posou em Várzea Grande, uma UTI móvel já estava a espera dele e do monsenhor Celso Duca. O destino era o Hospital Sírio Libanês, um dos melhores do país. “Ele estava lúcido. Entendia tudo e falava um pouquinho. (Em estado grave), se confessou e ofereceu sua vida para a Igreja e perdoou de coração a quem a retirou. O atentado foi feito em ódio ao trabalho religioso dele”, lamenta Duca.

No voo, Nazereno fez uma revelação. Confidenciou ao amigo que, antes de atirar, o assassino disse: "Viemos aqui para te matar, porque você está atrapalhando o nosso trabalho".

Esta versão soma ainda mais um detalhe sinistro. O assassino também teria sido executado, para que não entregasse ninguém e nem o mandante.

Duca afirma que os reais mandantes e executores nunca foram presos.

Veja vídeo

Rodinei Crescêncio

vereador jo�o leite

Vereador João Leite chegou a ser considerado suspeito, porque estava na rua na hora do tiro

Primeiras apurações

Enquanto a população de Jauru sofria esperando notícias sobre o estado de saúde do Servo de Deus, as investigações foram iniciadas pela Polícia Civil. Um dos mais questionados pelos delegados do caso foi o vereador João Leite. Isso porque estava na rua no horário do crime, pois mora na área, mas, conforme declarou, não conseguiu ver os bandidos fugirem.

“Eu ouvi o tiro e saí na rua, mas a minha esposa e filha me pediram para voltar para dentro de casa. Quando ouvi os sinos tocarem, elas não conseguiram me segurar e corri para o hospital. Me lembro do Dr. Laerte gritando: fecha a porta, se não vão voltar para terminar de matá-lo”, detalha. O vereador conta que no dia seguinte a polícia começou as investigações. Os delegados queriam entender o porquê dele estar na rua. Mas nada conseguiram provar contra ele. “Na época minha esposa era ministra e acabou se afastando dos trabalhos por conta disso,” lamenta.

Ao longo das investigações nenhum assassino foi apresentado aos moradores e as especulações começaram.

Luto

A notícia da morte chegou 11 dias depois, na noite de 22 de fevereiro. A população entrou em luto. De maneira automática o braço direito de Nazareno, Jorge Moreira, começou a cuidar dos preparativos para o velório. “Ele sempre brigou comigo para que eu tivesse liderança e neste momento entendi o motivo. Foi muito difícil”, conta.

 

Galeria: Jauru

Ant�nio / padre Nazareno

Preso na PCE, Antônio nega autoria do crime

O condenado

O comerciante Antônio Martins da Silva, 45 anos, foi condenado a 23 anos de cadeia por tentativa de latrocínio seguido de morte. Recebeu a sentença dia 15 setembro de 2006, ou seja, mais de cinco anos depois do crime. No entanto, isso é uma novidade para a população jauruense. A reportagem apurou que, aparentemente, ninguém sabe sobre este condenado, inclusive as demais vítimas do suposto assalto ou atentado,  Jorge Moreira, Simone Coelho Filho, Alair Davi e Franca Pini.

O comerciante se diz inocente e afirma veementemente que não estava em Mato Grosso no período do crime.

Mas quem é Antônio Martins da Silva? E por que invadiu um jantar em uma igreja e atirou em um padre durante uma roleta russa? Segundo o inquérito da Polícia Civil, ele integrava uma quadrilha que organizava assaltos em igrejas pelo Brasil. Entretanto o único assalto confirmado ocorreu em Barra do Garças em 19 de setembro de 2004.

Ao ser preso, Antonio era morador do bairro Jardim Imperial em Várzea Grande. Atualmente está preso na Penitenciária Central do Estado (PCE). É soropositivo.

antonio padre nazareno

Ficha de Antônio no sistema penitenciário inclui nome, endereço, profissão e destaque para 2 tatuagens no braço, sendo uma em nome de "Leodete" 

A reportagem do esteve em Jauru para conhecer bem de perto as testemunhas e vítimas deste crime marcante.  Todas desconhecem e não foram chamadas a fazerem reconhecimento do condenado. No processo, Antônio destacou que somente uma vez foi questionado sobre o crime e afirmou inocência. Entretanto a arma do crime foi encontrada com o cunhado dele, Claudio Cavalcanti Freire.

Segundo o relatório da Polícia Civil, Claudio e o sobrinho dele, Francinaldo Martins da Silva, teriam vendido a arma para um amigo, que não teve o nome divulgado. Na transação, acabou sendo apreendida por uma autoridade policial.

Depoimentos de comparsas dele, como consta no processo, comprovaram que ele praticava crimes dessa categoria em casas paroquiais. Mas somente neste crime ele teria participado da morte de um padre.

O segundo suspeito do crime em Jauru, no entanto, nunca foi localizado e nem sequer é mencionado ao longo do processo que tem cinco volumes.

O depoimento que liga Antônio à morte de Lanciotti é de Anselmo Brant. Ele procurou, voluntariamente, a polícia para contar que um dia após a morte do padre, no dia 23 de fevereiro, uma mulher, cujo o nome não consta no inquérito, o procurou relatando preocupação. Ela havia trabalhado em uma residência onde moravam quatro homens que teriam assaltado casas paroquiais e ela temia que fossem os mesmos que atingiram o padre Nazareno.

O analisou o processo que condenou Antônio e em seu depoimento ele ressalta que foi ouvido somente uma vez sobre o caso e nega qualquer participação. Destaca que estava viajando no período do atentando. Até hoje, nunca ficou claro quem foi que atirou no padre e nem quem era o comparsa da "frustrada tentativa de latrocínio".

Anselmo Brant e Antônio nunca foram colocados frente a frente. Isso também nunca ocorreu com as oitos pessoas que estavam jantando com o padre no dia 11 daquele ano. 

O prefeito

O prefeito de Jauru, Pedro Ferreira, não acredita que o crime tenha sido político.  Ele relembra como recebeu a notícia do atentado. "Sei que eles estavam jantando e o cara começou a fazer roleta russa na cabeça de todo mundo. Eu não sei se ele tinha intenção de matar ou se perdeu a conta da bala. O pessoal diz que o cara veio para assassinar. Mas eu acredito que quando vem para matar não faz um tiro só", opina.  A população de Jauru pensa de maneira diferente.

Premunição

A ministra Maura Ferraz contou à reportagem que, uma semana antes do crime, o padre confidenciou que algo estava para acontecer.

“Estávamos visitando doentes que moram um pouco a frente da minha casa e, quando estava próximo da minha casa, ele parou e me perguntou o que eu achava do novo milênio. Eu falei: ah padre, acho que está normal. Não consegui ver nada de diferente ainda não. Aí ele me disse: respondeu certo, está tudo igual. Mas daqui a uns dias vocês terão um sofrimento tão grande que vai ser muito difícil para vocês”.

Arquivo Pessoal

Vel�rio padre Nazareno

Velório do padre Nazareno Lanciotti atrai milhares de católicos e moradores da cidade

Neste momento, ela se lembra que, quando olhou para o padre Nazareno, ele estava tão vermelho que parecia até transformado, não parecia a pessoa que ele era. Perguntei o que estava acontecendo, o que de tão grave ia acontecer? Comecei a fazer perguntas. Ele baixou a cabeça no volante, ficou nessa posição por alguns minutos, levantou, fez um sinal de cruz na minha testa e pediu para eu não contar nada para ninguém. Nem para o marido, espere o momento certo”, pediu.

O corpo

Após o recebimento da notícia da morte, um avião foi fretado em São Paulo, o corpo desceu em Cuiabá. Teve uma missa de corpo presente na Catedral realizada por Dom Bonifácio, então arcebispo. Em seguida ele seguiu para Cáceres onde uma segunda missa foi celebrada, mas dessa vez pelo Bispo Dom José Vieira, na sequencia ele foi levado para Jauru onde o padre foi velado na quadra da Paróquia Nossa Senhora do Pilar.

O clima foi de consternação. Pelo menos 12 mil habitantes participaram do velório. Todo o comércio estava fechado e o prefeito na época, Divino Marciano, decretou luto oficial de três dias. No calor do fato, várias hipóteses foram levantadas. Mas a população acredita em crime político até hoje e não em assalto. No entanto, ninguém cita nomes e evita especulações, por medo.

Postar um novo comentário

Comentários (6)

  • Neide aparecida santos Silva | Sábado, 23 de Novembro de 2019, 21h38
    0
    0

    Nesta época ,morava em SP mas fui a Jauru para o cenáculo de Nossa senhora ,fiquei muito impressionada e até hj me marcou muito um fato quando no velório eles tentava sair com a urna do padre caia uma chuva muito forte aí eles paravam pra ver se melhorava mas cada vez que pegavam na urna começava a chover forte .fiquei com isto na cabeça ,depois de alguns anos me mudei pra cambara pr onde moro até hj e encontrei um grupo de mulheres que faz até hj a rede do terço e contei a elas o ocorrido e mostrei até aquele papel com a foto dele que me deram com a foto dele, muitos anos já se passaram mas fui aí com um pedido e comecei pedir está graças para o padre e consegui obter está graças eu só tenho a agradecer ao padre que nunca me esqueci dele e destas pessoas de Jauru que me acolheu de uma maneira que até hj não me esqueço sou muito grata por este povo e pelo padre .sou Neide aparecida santos Silva de cambara PR . Amém

  • Maria auxiliadora | Quinta-Feira, 28 de Fevereiro de 2019, 10h54
    3
    1

    Quero informar que no avião que levou o padre nazareno até Cuiabá estava presentes dois médicos de Jauru Dr Oscar e Dr Renato

  • Claudio | Quinta-Feira, 28 de Fevereiro de 2019, 08h20
    1
    0

    Pensar que não foi crime politico, é contradizer o que vivenciaram as testemunhas, o que confessou o Padre Nazareno antes de morrer.

  • Mel | Quarta-Feira, 27 de Fevereiro de 2019, 14h28
    2
    1

    Na matéria esqueceram de falar que o Vereador João Leite mora de frente onde aconteceu o crime, ou seja, ele estava em frente a casa deleeeee. Deve-se explicar melhor as coisas, para não ser interpretado mal essa história.

  • Filipe Moura | Quarta-Feira, 27 de Fevereiro de 2019, 09h34
    3
    0

    É Padre Celso Duca e não Ducam

  • Souza | Quarta-Feira, 27 de Fevereiro de 2019, 09h30
    10
    3

    A única pergunta que faço. O Padre era italiano, pq a policia federal não investigou o caso, nunca tive duvidas que a morte do padre tem sim envolvimento de pessoas muito próximas dele. Esse Sr que foi preso não corresponde aos fatos.

Matéria(s) relacionada(s):

Confira também:

INíCIO
ANTERIOR
1 de 1
PRÓXIMA
ÚLTIMA

Professor terá desempenho avaliado

marioneide 400 curtinha   Professores da rede pública estadual agora vão passar por avaliação de desempenho tanto para fins de progressão funcional quanto para atender a uma série de novas exigências. A secretária de Educação, professora Marioneide Kliemaschewsk (foto), já...

O pinóquio de antes, o aliado de hoje

wilson santos 400 curtinha   Wilson Santos (foto), hoje deputado pelo quarto mandato, está levando porrete de todo lado pela decisão de entrar na base do Governo Mauro Mendes, seu então adversário político dos últimos 15 anos. Ambos, que se enfrentaram nas urnas duas vezes, uma a prefeito e outra para...

França, convite do Pode e suspense

roberto franca 400 curtinha   Roberto França (foto), que exerceu vários mandatos eletivos, entre eles de vereador e de prefeito de Cuiabá, ficou empolgado com o convite para se filiar ao Podemos, inclusive com abertura para concorrer novamente ao Palácio Alencastro. Para evitar conflitos, antes de fazê-lo, o...

Neurilan critica Pivetta e faz campanha

otaviano pivetta 400 curtinha   Em discurso em Tangará da Serra, num evento promovido pela AMM que serviu de palanque eleitoral, Neurilan Fraga disparou críticas ao vice-governador Pivetta (foto), que também pretende concorrer ao Senado. Disse que Pivetta não aceita nem discutir o valor repassado hoje aos...

Evento da AMM para pré-candidatura

neurilan fraga 400   Neurilan Fraga (foto), que aproveita o trunfo de presidente da AMM para tentar projeção política, insiste na pré-candidatura ao Senado, mesmo com a filiação oficial ao PL fora do prazo exigido pela legislação, o que ensejará no indeferimento do registro. E...

Selma, carreata e "ciúmes políticos"

selma arruda 400 curtinha   Quem vê Selma Arruda (foto), senadora cassada por crimes eleitorais, e o ex-senador e federal José Medeiros afinados no Podemos, nem imagina que no pleito de 2018 ela optou por distanciá-lo motivada simplesmente por "ciúmes políticos". Selma carregava o slogan de "Senadora de Bolsonaro"....

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Sobre a senadora Selma Arruda, que teve mandato cassado por caixa 2 e abuso de poder econômico, você acha que ela foi...

ingênua

corrupta

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.