Judiciário

Terça-Feira, 30 de Maio de 2017, 11h:30 | Atualizado: 30/05/2017, 16h:27

grampos ilegais

Desembargador nega soltura de Zaqueu e defende decisão de ofício

O desembargador Paulo da Cunha indeferiu o pedido de liminar que buscava a soltura do coronel Zaqueu Barbosa, ex-comandante da Polícia Militar. A decisão foi proferida na manhã desta terça (30).

Para o magistrado, a decisão do juiz Marcos Faleiros da 11ª Vara Especializada em Crimes Militares de Cuiabá, que determinou a prisão, “está baseada na presença da materialidade delitiva, somada à existência de indícios de autoria, além da necessidade de resguardar a ordem pública e a manutenção das normas e princípios de hierarquia e disciplina militares”. Na prática, Zaqueu segue preso no Batalhão de Operações Especial (Bope), em Cuiabá.

Rdnews

coronel-zaqueu.jpg

Ex-comandante-geral da PM, coroneu Zaqueu foi preso na semana passada e está na sede do Bope

A defesa do coronel ingressou com um pedido de soltura por meio de habeas corpus na sexta (26). “Entendemos que, para haver pedido de prisão cautelar, é necessário que determinados fundamentos sejam preenchidos, como, por exemplo, que ele possa interferir na investigação, o que não é o caso, porque ele está afastado do comando PM desde janeiro do ano passado e foi para a reserva em agosto. Não existe a menor possibilidade dele interferir”, diz o advogado Fávio Ferreira em entrevista ao .

O coronel foi preso na última terça (23), juntamente com o cabo Gerson Luiz Ferreira Correa Júnior.

No despacho, o magistrado de primeiro grau aponta que ambos prejudicaram a Polícia Militar e o Poder Judiciário, ao possibilitarem escutas militares de jornalistas, deputados, desembargadores e até “amantes”, no suposto esquema de arapongagem no Estado.

O juiz decretou a prisão de ambos de ofício, ou seja, sem ser provocado por órgão ou entidade competente. Esse fato foi duramente criticado pelas defesas de Zaqueu e Gerson. Ao analisar esse ponto, o desembargador comenta que o direito processual brasileiro é híbrido, possuindo disposições que se aproximam do processo penal dispositivo, como também normas incompatíveis com tal sistema.

Nesta linha, diz que no que tange às prisões cautelares, o artigo 254 do Código de Processo Penal Militar dispõe que “a prisão preventiva pode ser decretada pelo auditor ou pelo Conselho de Justiça, de ofício, a requerimento do Ministério Público ou mediante representação da autoridade encarregada do inquérito policial-militar, em qualquer fase deste ou do processo (...)”.

Com isso, Paulo da Cunha ressalta que não desconhece, igualmente, que o Código de Processo Penal possuía dispositivo legal similar, admitindo a decretação de prisão preventiva de ofício na fase inquisitorial, porém, “mesmo na legislação processual comum, permanecem vigentes normas que autorizam a prisão cautelar de ofício, quando no curso da ação penal [art. 311 CPP] e nas hipóteses de conversão de prisão em flagrante em preventiva [art. 310, inc. II, CPP]”, esclarece.

Quanto ao argumento de constrangimento ilegal na prisão, o relator pontua que isso deve estar evidenciado de forma indiscutível na impetração do recurso e nos elementos probatórios contidos nos autos. “No entanto, não é este o caso discutido no presente remédio constitucional”.

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • maria clara | Terça-Feira, 30 de Maio de 2017, 12h40
    3
    3

    Quem aposta que o Cel Zaqueu fez ou mandou fazer grampo de qualquer pessoa vai se surpreender em descobrir que ele não tem absolutamente nada com esta lama. Quem fez deve estar morrendo de remorso de ver um inocente preso em seu lugar. Ou talvez não esteja, pois foi capaz de fazer e deixar nas costas de um homem que é uma reserva moral. E pra quem está escrevendo para ele dizer, leiam! O coronel não foi ouvido até agora. A quem interessa a prisão dele sem que tenha a chance de defesa?

Matéria(s) relacionada(s):

Sindal repudia postura de "indicado"

O presidente do Sindal Jovanildo da Silva se diz traído por Osmar Capilé, representante dos segurados da AL e que exerce cargo de diretor dos Aposentados, que votou favorável a nova alíquota de 14% no Conselho da Previdência. O apoio ao aumento da cobrança gerou revolta entre os servidores do Legislativo, que partiram para cima de Jovanildo cobrando explicações. Em nota de repúdio, o sindicato, que o indicou como representante no...

Arena fechada ao público por 3 dias

virginia mendes curtinha 400   Nos seis primeiros dias de portas abertas, a Arena Encantada, considerada o maior parque natalino que Mato Grosso já viu, recebeu quase 10 mil visitantes. Mas ficará três dias inacessível ao grande público. Na segunda (16), a Arena será exclusiva das milhares de crianças...

Insistência em 2 disputas em 2020

adilton sachetti curtinha 400   Aliados de Adilton Sachetti (foto), como Blairo Maggi, orientaram-no a desistir da nova disputa ao Senado, no pleito suplementar do próximo ano, já que pretende concorrer de novo à Prefeitura de Rondonópolis. Avaliam que ele pode se queimar politicamente se continuar demonstrando sede...

Sindal e a traição por alíquota de 14%

jovanildo antonio sindal curtinha 400   Jovanildo Antonio da Silva (foto), presidente do Sindal que já tem uma atuação pífia, agora está levando porrete de todo lado dos servidores da Assembleia. É que, ao invés de sair em defesa da categoria e se manifestar contra o projeto do governo de elevar a...

2ª suplente de Selma amarga 2 perdas

clerie fabiana curtinha 400   Clérie Fabiana Mendes (foto), que surgiu do nada na vida pública e ganhou notoriedade como 2ª suplente da senadora Selma Arruda, vai perder duas vezes. Primeiro, ficará sem o cargo eletivo, por causa da cassação da chapa, encabeçada por Selma, por caixa 2. Segundo,...

Após aprontar, Abílio pede desculpas

juca do guaran� curtinha 400   Acuado, Abílio Brunini (PSC) recorreu agora a uma outra estratégia na esperança de escapar da cassação do mandato, depois de tanto aprontar, com denúncias sem provas, constrangimento, brigas, manipulação e ataques a diversas pessoas. Da...

MAIS LIDAS

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Como você avalia a decisão do Supremo de suspender prisão imediata após julgamento em segunda instância?

Concordo

Discordo

Tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.