MÁQUINA DO CRIME

Terça-Feira, 22 de Dezembro de 2020, 07h:52 | Atualizado: 22/12/2020, 12h:00

ESQUEMAS MILIONÁRIOS

CV fatura com "camisa", propina, golpes, tráfico e ainda enterra dinheiro - vídeo

O pagamento de “camisa”, título dado a mensalidades pagas pelos filiados do Comando Vermelho, chega a movimentar por ano R$ 1,2 milhão em Mato Grosso. Isso fora a mensalidade que cada detento de dentro da cadeia também repassa mensalmente. Contudo, este não é o carro-chefe das fontes financeiras ilícitas da facção. Dados do Ministério Público Estadual apontam que a arrecadação do CV vem também do recolhimento de mensalidades de empresas e empresários que recebem em troca serviço segurança e ainda de mensalidades exigidas dos responsáveis por bocas de fumo em todo o Estado.

Veja vídeo

Além disso, os golpes aplicados por telefone têm injetado milhões nas contas do grupo, fazendo com que o sistema prisional se torne “um verdadeiro home office da organização criminosa” e uma espécie de agência reguladora do crime.

O tráfico de drogas é outra fonte de renda, mas não é possível mensurar quantos milhões o CV movimenta neste ramo e nem com o “trabalho de segurança”, uma vez que a lavagem de dinheiro do grupo ainda é bem precária, considerada até embrionária. A facção ainda enterra dinheiro e mantém a contabilidade em papeis, como já apontaram operações deflagradas tanto pela Delegacia Especializada de Repressão a Entorpecentes (DRE) quanto pela própria Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO).

Dayanne Dallicani

comando vermelho

 

 

O grupo atua de forma diferente nas cidades do Estado, mas a lógica chega a ser simples. Para traficar, é necessário criar uma rede de crimes. Isso vai desde furtos e roubos de carros, celulares até a contratação de jovens interessados em ganhar dinheiro rápido.

“Quando as rotas estão devidamente estabelecidas, é fácil utilizá-las para contrabandear de tudo o que dê lucro, drogas, roupas, eletrônicos, remédios, anabolizantes e até agrotóxicos”, explica uma fonte.

Esse lucro serve para comprar armas, que auxilia e estrutura o transporte de drogas em todo Mato Grosso.

O ouviu fontes da Polícia Federal que explicou que o tráfico de drogas da fronteira de Mato Grosso é do Comando Vermelho, contudo a facção não usa o espaço aéreo e os entorpecentes do CV vêm sempre por terra.

“Eles não são tão organizados para terem aviões. As drogas pelo ar são de pessoas sem vínculo a grupo algum. Em regra, são transportadores com destino a SP, RJ e Europa. A do CV é mais para consumo interno”, explica.

Entenda como funciona

Para entender o esquema financeiro deste grupo o desmembrou as três fontes financeiras ilícitas do grupo, utilizadas para sustentar uma vasta rede que possibilita o aquecimento do crime em Mato Grosso. O tráfico de drogas é a principal fonte de renda da facção.

Dayanne Dallicani

comando vermelho

Para uma boca de fumo "funcionar", ela precisa da autorização do CV. Toda a droga vendida, seja pasta base de cocaína, cocaína, maconha e outros "produtos" devem sempre ser compradas da própria facção. Quem desrespeitar essa lei é punido como manda o estatuto.

A droga comprada pelo grupo em sua maioria vem da Bolívia e pelo menos 75% dela entra por Pontes e Lacerda (a 480 de km Cuiabá).

Com a droga em mãos, o filiado tem que repassar ao grupo R$ 25 por grama que ele vende. O recolhimento dos valores é feito por rua de cada bairro. Para isso, existe um “disciplina” responsável por recolher o pagamento da regulação dessas biqueira ou lojinhas.

Como mostra um diálogo entre presos, interceptado durante a operação Red Money.

Dayanne Dallicani

empr�stimo di�logo dois presos comando vermelho

Mensalidade

A segunda fonte de renda, que mantém o funcionamento do grupo, são as mensalidades, chamadas de "camisas". São pagas por todos os integrantes, isso inclui os presos em todas a cadeias de Mato Grosso. O montante recolhido chega a mais de um milhão por ano. Cada integrante tem que pagar R$ 100 mensalmente. O valor serve para pagar advogados, quando o preso não tem dinheiro, para manter o bem-estar da família do detento do lado de fora e para ações nos bairros, as filantropias.

Quando um membro deixa de pagar, perde direitos na facção. Um exemplo é, se vai preso, perde regalias no convívio com os demais, a família fica sem ajuda financeira e sofre um “salve”.

Dayanne Dallicani

di�logo pamonha comando vermelho

A terceira fonte são as taxas de segurança cobradas de empresas e empresários. Os valores variam por bairro e comércio. Contudo, o CV dá autonomia para que cada "disciplina", que é o cobrador, decida o quanto cobrar. Em média, os valores variam de R$ 50 a 200 por mês. Quando um empresário aceita esse tipo de negócio ele tem a garantia do Comando Vermelho que nenhum membro vai invadir ou roubar o local.

Essa prática nos comércios locais é uma modalidade de segurança antiga, segundo uma interceptação do Edimilson Filho Alves da Silva, de 23 anos, o “Pamonha”, morto em 2018 em Rondonópolis (a 218 km de Cuiabá). Eles cadastram os comércios e empresário que aceitam ser "protegidos". Na sequência, adesivam os estabelecimentos, tiram fotos e armazenam em um pendrive e passam recolhendo os valores entre o dia 1 até o dia 9 de cada mês.  "Se chegar no dia do pagamento e o cara não pagar, eles passam recolhendo os adesivos e o local fica desprotegido", relata uma fonte.

O professor da UFMT, Naldson Ramos, doutor em sociologia com foco em violência policial, destaca que toda essa evolução na facção se deu após a rota de tráfico em Mato Grosso se tornar interessante. “Isso também do ponto de vista do mercado consumidor. Pois é aqui que eles se estruturam e se organizam, como sempre fazem a partir das periferias e de dentro dos presídios. As direções dessas facções estão dentro dos presídios. Claro que tem um ou outro que já cumpriu sua pena e está fora, trabalhando também, mas sempre foi dentro da estrutura do presídio que se origina e originou o comando de poder dessas facções, no caso de MT o CV”, pontua.

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Investimentos em segurança pública

alexandre bustamante 400   Alexandre Bustamante (foto), secretário estadual de Segurança Pública, é enfático ao afirmar que o Estado tem investido em equipamentos e infraestrutura para combater a criminalidade. Segundo ele, a maior prova disso são os projetos que integram o programa MT Mais. Ao todo, devem...

Folha antecipada em Várzea Grande

kalil baracat 400 curtinha   Com o privilégio de ter assumido a prefeitura em janeiro com superávit de R$ 74 milhões da antecessora Lucimar Campos, o prefeito várzea-grandense Kalil Baracat (foto) quitou a folha de fevereiro na última quinta (25), três dias antes da virada do mês. São cerca de...

Grupo de risco em casa até 31 de maio

Em novo decreto, dentro das medidas emergenciais e temporárias de prevenção ao Covid-19, o prefeito cuiabano Emanuel Pinheiro determinou que servidores municipais que integram o chamado grupo de risco não devem trabalhar presencialmente nas secretarias e/ou órgãos da administração. São considerados desse grupo servidores acima de 60 anos, imunodeprimidos e/ou portadores de doenças crônicas e servidoras grávidas e...

Beco do Candeeiro só abrirá em abril

Carlina 400   A secretária municipal de Cultura, Esporte e Lazer, Carlina Jacob (foto), em visita ao Grupo Rdnews, revelou que a revitalização do Beco do  Candeeiro, que foi concluída em janeiro, será entregue à população em abril, nas comemorações dos 302 anos de...

Águas, expansão e investimentos

william figueiredo 400 aguas cuiaba curtinha   O diretor-geral da Águas Cuiabá, executivo William Figuereido (foto), disse, em visita à sede do Rdnews, quando aproveitou para conceder entrevista à tv web Rdtv, que a concessionária já distribui água para toda Cuiabá e que, em quase quatro anos...

Creci combate empresas irregulares

benedito odario 400 curtinha   O presidente do Conselho Regional de Corretores de Imóveis do Estado, Benedito Odário (foto), aproveitou a operação desenvolvida na quinta, com apoio da Polícia Civil e da Decon, para enfatizar que não dará trégua àquelas empresas que, irregularmente,...